.

terça-feira, 10 de junho de 2008

Poesias e Amigos!






NOSSOS FILHOS
Mírian Warttusch

Nossos filhos, nossa glória, nossa fé, nossa verdade,
São pedaços de nós mesmos, garantindo a eternidade!
Nada há maior, eu digo, que ser mãe, sublime amor,
Cada espera, uma promessa, uma oração e um louvor.

Nascidos do nosso ventre, emoção que nos sufoca,
São o presente de Deus, quando a Ele a gente invoca!
Ai de nós, se não soubermos, tudo e tanto agradecer,
Conduzir a nossa prole, e tal amor merecer.

Maternidade sublime…Universo em consonância,
Também nasce nova estrela, dardejando cintilância…
Se amplia o campo celeste, vidas nascendo na Terra…

Cada ser e cada estrela, Onipotência isso encerra!
Essências que se completam, sublimidades, idílios,
O céu vai ganhando estrelas e nós ganhamos os filhos!



Que Amor é Esse


Que amor é esse tão incerto;
Diz que me adora;
Me completa quando perto;
E, quando longe, me apavora?

Que loucura é essa;
Que me abraça,
Domina, enlaça;
Desperta a libido;
Me transporta com leveza;
A lugares desconhecidos;
Nada mais importa,
Se estamos juntos e posso sentir seu cheiro;
Porém, a cada partida;
Quando ouço o fechar da porta;
Coração dispara;
E a lágrima incontida;
Teima em molhar o travesseiro.

Marina Clarice



Blues Etílicos*

Gemas de um raro lamento
destinam ao coração,
um mosaico forjado
nas chamas do velho
testamento, cordas de um
piano entoando nos
trilhos, o etílico blues
de cada amanhecer!

São seus olhos escrevendo
mais um página eclética,
como se suas mãos
empunhassem o cio da terra,
intuindo no desabrochar
a seiva da palavra
dita com os lábios da alma,
numa vil aquarela de
sonhos e zil realidades!

É a locomotiva,
dando o compasso,
versando com cada vagão,
o passado como professor
dos tempos, e o presente
com amor de todo sempre!

- Mas e o futuro?
A todo Deus pertence!


Auber Fioravante Junior *




Onde estás minha Alma, minha Amada?

Sempre estivemos próximas
e tão distantes!
Agora e antes.
Vagos instantes.
A Cruz nos unia
- e separava.
(Ah, como eu te amava,
como te amava!)
Por toda a estrada,
sempre sozinha,
sob tanto sol, tanta lua,
ah, doce Amada!...
Não foste minha,
nunca fui tua!
(A Rosa nunca foi ofertada.)
Ouro, preces e dores:
existiram, sim, luzes e cores
e... vazios lugares nefandos.
Momentos de chegada e partida.
Momentos de ternura e indiferença.
Tempo de diáfana presença,
tempo de uma flor sofrida.
Teus passos leves se afastando
nos laços breves... e cortando
meu pensamento. Atravessando
a Vida. Vida, minha Vida!
O que exiges de mim?
Por que tem de ser assim:
esse Amor sempre buscando
pelos espaços sem fim...
Vida minha! Até quando?!

NEFERTARI (Judit Martins)




Volto....As origens
De quando ainda
Era semente
Fecundada no Amor
Na cena que abriga
Todo o encantamento
De uma vida
Prestes a nascer...
Anjos embalam
A minha semente...
Com cânticos Gregorianos
Tudo é magia...
Tudo é sonho!...
A semente pousada
Numa almofada de seda
Ornada de fios de ouro
Ela é o Cálice Sagrado
A bebida pura do meu ser
Seu perfume ...Vem do Amor...
Ela vai crescendo...Embalada...
Até em momento de Graça!...
Surgir na Natureza ..
Num Dia..Feito para mim!...
Elisa César – 08.06.2008




Eu quero seu sorriso

Eu quero acordar as estrelas
Quando o sol aparecer
Fazê-las dançar no céu azul
E seu sorriso despertar...

Quero o perfume das rosas
Embriagando seu coração
Em cada pétala meu carinho
Em cada folha a minha mão

Eu quero segurar o vento
E em brisa o transformar
E canções de amor e esperança
Em seu ouvido sussurrar

Quero brincar de feiticeira
E num toque de mágica
Seus desejos realizar
Quero brincar de vaga-lume
E seu caminho iluminar
Mas, o que mais desejo
É UM SORRISO...
Estampado em seu olhar.

(Sirlei L. Passolongo)





Brincar de amar

Voce
Não sai da minha vida
Tudo deveria
Ser só uma brincadeira
De repente me apaixonei
Fiquei louca por ti
Não paro de pensar
Quando não te vejo
A saudade
Só falta me matar
Brigo comigo mesma
Mas não tem jeito
Te amo por demais
Ah porque fui brincar?
Brinquei com fogo
Agora luto
Mas não consigo
Parar de te amar
Quando te vejo
Meu coração dispara
Minhas mãos soam
Enquanto brincavas
Pra mim foi sério
Passei a te amar
E por voce
Fui me apaixonar

Anjopoesia



As muitas de mim

Tenho tantas em mim
Que algumas me faz ser assim
Temperamental...doida varrida
Uma louca quase insandecida
Quando não gosto deixo falando e vou embora
Nem olho pra trás, deixo falando sozinho
E quase nem quero mais
Não quero saber se ama
Se sente falta ou se arrependeu
Ele que vá cuidar do que é seu
Em compensação tem algumas em mim
Que me fazem serena, deixo as coisas pequenas
De lado, nem quero papo
Falo de mansinho bem devagarinho
Entendo perfeitamente tudo o que lhe vem a mente
E pior: ele diz
Tem que haver um equilibrio entre mim e mim
As muitas de mim
Me deixam assim
Longe de mim...

Rosane Silveira


Poesia

Poesia é inspiração
Nascida em nossa alma
Nas asas da imaginação
Beleza que nos acalma.

Sentimentos escondidos
Vão logo desabrochando
Em versos definidos
A alma enfeitiçando.

Faz em nosso coração
Uma verdadeira alquimia
Fluindo a emoção
Sentindo muita alegria.

João Pessoa, 14/01/08
Neneca Barbosa



COISAS DO CORAÇÃO...

Meu coração tem asas
que voam por entre amores!
Andarilho sonhador,
dono de meus temores.

Diz-se frágil,mas é de pedra!
Diz-se louco,mas é astuto!
Explicação do inexplicável,
regras do absurdo!

É um fiel sonhador,
embora de pés nos chãos!
Não para quieto um segundo,
parece ter comichão.

Não me permite mentir,
pois é de pura emoção.
Vive à mercê dos desejos,
tão sem regras ou razão!

Se nego as suas vontades,
dá nó por dentro de mim.
Só dá trégua e baixa as armas
quando enfins eu digo, SIM!

Ele é um cara complicado,
de difícil explicação.
Quisera vir junto com ele
manual de instrução!

(Mell Glitter)




ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Nas noites em que o tempo é frio,
Quando o sopro da madrugada trás o vazio,
E as ilusões são algo que já se foi...
Daí eu sei que amo você.

Quando os desertos se dispõem em minha frente,
E o futuro é algo muito mais que presente,
E a solidão rompe até o que penso...
Daí eu sei que amo você.

Nas inverdades virtuosas,
Nos pesadelos assombrosos,
Eu olho o retrovisor no qual avisto o meu passado...
Daí eu sei que amo você...

Quando engasgo com lágrimas,
Quando o ciúme é velado,
Quando você não está ao meu lado,
Daí eu sei que amo você...

Quando me esqueço quem sou,
Perco-me, cego em um vôo,
E desfaço os castelos de areia,
Daí eu sei que amo você.

E tudo o que faço é concreto,
Coeso como dois mais dois,
E sincero como o mais santo pecado,
Descubro que eu sei por que sei que amo você...
E que talvez seja o fato de me sentir amado.
Sérgio Ildefonso 08.06.2008






Coisas da Alma




São coisas mágicas
Da alma
Nesse momento perdido
Insone madrugada
Compor poema
A partir do nada

Estéril em sentimento
Procuro refúgio
Numa ponta de saudade
Que aqui dentro arde
Nem sei de que ou de quem
E nela me agarro
Feito tábua de salvação
Minha vida é escrever...

Em mar bravio
Nado contra as ondas
Da inspiração arredia
Escapulindo de mim

Respiro
Vejo tulipas e versos
Jasmins em ramalhetes
De súbito brotando
No papel em branco
E na rosa dos ventos
Encontro ternos beijos
Lambuzando meus lábios
Em tons carmim

Já não me afogo
Redobro o fôlego e contemplo ilhas
De pura poesia

Saudades de que ou de quem?
Nem sei, tampouco me importa
Se credes mentira ou verdade
Eterno querer ou nuvem desvanecida
Calmaria ou tempestade

Impelido por tufões
Sou atirado de encontro a rochedos
E nado em direção ao Sol
Bem além, no horizonte
Que brilha dourado
E mergulha sereno
No mar azul


Rob Azevedo




Mais...


Sorridente murmura,
impaciento-me,
e peço mais.
Voz rouca,
boca úmida,
corpo em brasa.

Sou vulcão em erupção!

Chegue mansamente,
com olhar cafajeste
_meu comandante_

Navegue em meu mar!

Sandra Almeida



SONETO DE SAUDADE

Em minh’alma chove tanto
que não há como esconder
entre os olhos tanto pranto
que meu pranto faz chover...

Por encanto ou desencanto
em minh’alma é anoitecer
com saudade do teu canto
no encanto do amanhecer...

Num jardim sem claridade
mora em mim tua saudade
com o meu modo de viver...

E a saudade não consegue
esquecer que me persegue
para eu nunca te esquecer...
(A. Estebanez)


Ser poeta

Ser poeta é sonhar
Sonhar de olhos abertos
Colorir mundo sem cor
Transformar dor em amor

Entrar em fogo escaldante
Sentindo a brisa do ar
É ver estrelas brilhantes
E com elas conversar

Olhar para azul do céu
Ver a presença de Deus
E passar para o papel
Todos pensamentos seus

Ser poeta é viver
No mundo da imaginação
E entre letras bailando
Viver grande emoção

Jane Rossi



“Sonho azul”

Sonhei que era uma fada
Toda de azul, brilhando
Com a vara de condão
Desejos realizando

Visitei os corações
Daqueles que sentiam dor
Fiz chover emoções
Troquei a dor por amor

E os que estavam sem saúde
Vivendo os últimos dias
Voltei o filme da vida
Fiz chover as alegrias

Quem estava sem esperança
Fraco sem poder caminhar
Com um toque da varinha
Fiz sua vida mudar...

Jane Rossi



"Desci do salto"

A vida estava ardida
Pela dor era invadida
Insucesso e despedida
Só tristeza recolhida

Eu saia porta a fora
Tristeza não ia embora
A vida ardia e queimava
E meu coração chorava

Resolvi descer do salto
Sentei naquele asfalto
Olhei o imenso planalto
Vestido de azul cobalto

A pimenta era um fato
Cravada no meu sapato
Tive que descer do salto
E jogar tudo para o alto

Jane Rossi




VOCÊ

Você sabe ler cada palavra minha;
Em cada entrelinha.
Sabe ler nos meus olhos;
No meu sorriso, sozinha!
Sabe como ninguém o que eu quero dizer;
Sem que eu precise repetir.
Até as minhas lágrimas, se eu chorar,
Eu sei que saberá interpretar!

Você que nunca toquei;
Que na realidade nunca vi;
Sente e compreende o que a minha alma diz.
Sem precisar chamar-te!
Sabe o que eu preciso ouvir.

Com poucas palavras,
Sabe me consolar;
Faz-me sorrir;
Sonhar, cantar;
Viver e esperar.

Quem sabe um dia;
Em um lugar qualquer;
Possamos nos encontrar,
E você poderá saciar;
Meus desejos de mulher!

Realizar minhas fantasias;
Possuir meu corpo;
E com carinho descobrir;
Minhas taras e manias.

Você...
Só você!
Que é o dono dos meus sonhos!
Dono dos meus desejos;
Ser o dono do meu corpo;
Do meu amor e dos meus beijos!

Marina Clarice
Diamantino-MT



Caminhantes


Felicidade galopa na alma ligeira encantada. Bebo palavras sons e gestos. Meu corpo treme engolindo amor. minha alma canta me encanto com versos de amor. Absorvo seduzida e entregue. Dominada! O corpo vibra encantado ao som das almas em céu sereno neste canto de mar. voa pássaro encantado. Voa em versos. Voa em prosa. Mas não sorria de mim que estou leve mansa e intensa.


Mara Araujo


O Amor

O amor sempre faz bem
A quem ama
E quem é amado também

O amor não é de pedra
Nem de parafuso
Mas pode deixar confuso
Sem chão

Acordando no meio
Da noite, com a mão.
No coração.

O amor é pura magia
Sentimento que une
Duas almas.

Ele traz inquietação
Também
... Acalma.

O Amor é luz
Que ilumina
Nosso viver!


Charlie Augusto


Assim é o amor

O amor caminha pelo tempo
Atravessa fronteiras, percorre entre espinhos
Adormece na espera, mas sempre dá sinal de alerta.
Jamais se esquece ou se perde no caminho.

O amor não tem tempo, espaço ou idade
Não morre, apenas acomoda ou se conforma
Somente acalma na espera de ser provocado.

O amor tem sua razão e loucura
Que jamais pode ser entendida,
Decifrada, nem tampouco ser dominada.

O amor é tudo ao mesmo tempo
É egoísta, doação, entrega, dominação...
É a insanidade do homem, alienação do coração.

Ataíde Lemos


TODO AMOR

O amor
Quando chega
Invade todo espaço
Ocupa todo meu ser.
Por ser amor, mostra-se,
Por ser demais, exala.
Inunda o país.
Derrama pelos poros.
Por ser amor, invade.
Sem fim.
Princípio do eterno,
Se faz assim:
Doce, feroz,
Meigo atroz
Verão, inverno.
Um jardim da fantasia,
Conjunção de estrelas.
Encanta, maravilha.
Canto, redondilha;
Se muta em poesia.
Uma matilha
De carinho,
Beijos,
Carícias.
Afaga o ego.
Um grito com eco,
Ecoa por aí.
Por ser exato
Petrifica-se.
Por ser tão bom,
Materializa-se.
E fica
e fim...
[gustavo drummond]


ANJO-LUZ


Meu amor gosta de chuva;
estende-se ao azul da água
transforma-se em arco-iris
enche as mãos de rosas
dos melhores bálsamos
para ofertar.

Quando triste
uma cascata cristalina
desce dos céus para banhá-lo
em finos fios de prata,
anjos tomam-lhe nos braços
e o trazem, um ser de luz
extasiado pela vida
nos mínimos milagres
da natureza...

Ana wagner

Casebrio

Pedaços de madeira
Deram vida a esta casa
Que erguida
Acolheu uma familia

O sol todos os dias
Bate forte sobre seu telhado
E isso nao e poesia
Ainda existem muitos necessitados

No varal desta casa alguns trapos
De roupas suja que a politica
Lavou com a corrupçao

Enfrente um esgoto a ceu aberto
As ruas esburacadas e a falta da agua
Que de alguma forma deixa sem teto

(Edivan Farias_ Casebrio)
Saudacoes da zona leste...


Professora Mata Peres

As palavras em ti cheiram
Professora e aposentada
Teu sangue e mineira
E pela família e amada

Era pra estar entre os mortais
Mas foste feita de carne e osso
O seu estado e minas gerais
Ao quais seus amigos são orgulhosos

Na educação dedicou-se
Somando suas alegrias
No magistério entregou-se

De corpo e mente e professora
A física era seu sustento
E hoje uma grande escritora

(Edivan Farias_ Professora Marta Peres)
Saudações da zona leste...


Obrigado Senhor.

Pela aurora que surge,
Pela beleza do sol
Por essa leve neblina
Por este céu colorido.

Obrigado por esse sol entre os galhos
Por esses raios brilhantes
Pela palmeira que de leve balança
Obrigado, pelos meus olhos
Que enxerga tanta beleza Senhor.
.
Obrigado, pela perfeição das flores,
E por cores tão bonitas que nem consigo escolher
Obrigado, pelo encanto desta águia
Que voa no infinito.

Obrigado por sei, que em teus braços
Consigo me aconchegar,
Eu ti agradeço Senhor. Amem!

Terezinha C Werson



Momento

Hoje o dia está tão lindo
Ah se eu vivesse só
Da beleza desse dia
Quanto encanto nele há
Nele há sol
Há brisa fresca
Ele está repleto de harmonia


Mas os fracassos da vida
As coisas não resolvidas
Deixam minhas costas curvas
Minha mente tão confusa
Faz a cabeça doer
Meu peito quase explodir


Eu quero fugir pra brisa
Mas os pés fincados no chão
Só traz medo do meu dia


E um ventinho levado
Entra pela minha janela
Brinca com minhas cortinas
Desencobre o meu encanto
E as penas que tenho de mim
Vão embora com o vento

Ah meu Deus
Que vida doída
Porque que eu não posso viver
Só de brisa
Só de brisa...

Glórinha Anchieta – GG
Tarde de Outono
10/06/2008





Amizade

Iniciou-se certa vez, uma boa amizade,
singela, cheia de carinho, espontânea, fiel,
mesmo sendo virtual, porém com sinceridade
onde as partes firmaram carinho, doçura de mel!

Amizade, simplesmente amigos e nada mais,
amigos sinceros não se esquecem, mesmo vivendo
num mundo controlador se respeitam, pois a amizade
é verdadeira, de qualidade, inspira confiança, é sólida

e duradora, os amigos se desejam o bem,
procuram compreensão entre si, não se cobram
pois na amizade virtual não há como cobrar,
cada um tem seus afazeres, sua vida dentro

de uma realidade às vezes dura, difícil de carregar,
de explicar, de se fazer entender...uma amizade
baseada na lealdade, na ajuda mútua, nas palavras
de consolo, quando necessário, dentro do

entendimento sem que tire proveito próprio,
em detrimento do outro, amigos virtuais são
para a vida inteira!

Marta Peres



Em Nome do Amor

Vou procurar,
ainda irei encontrar
o meu amor, aquele amor que sonhei,
o amor que chorei, que esperei...
Em algum lugar você deve estar!
Vou procurar, nas ruas vou procurar,
por qualquer lugar que eu ande
vou procurar, ei de encontrar
o meu amor, não importa o céu,
não importa o mar, não importa
a terra, inda ei de amar,
ainda ei de lhe encontrar
fazer feliz meu coração
que sofreu, chorou decepção
por muito amar.
E no silêncio do jardim
iremos de mãos dadas,
sonharemos,
nosso castelo construiremos
para felicidade,
não haverá mais lágrimas
nem dor, meu céu terá cor
pela eternidade,
em nome do amor!

Marta Peres




Seu Sorriso

Ali, naquela janela espero
ansiosa pelo seu sorriso,
sorriso que me alucina,
que dá alegria em minha vida,
que me faz gemer de emoção,
que encanta meu coração!
Quando o vejo passar
sinto meu coração pulsar,
bater forte, apressado
querendo lhe olhar,
querendo lhe amar!
Seu sorriso mais parece
promessa,
jura que não fizemos
em noites de luar,
seu sorriso me faz cantar
emociona,
faz lágrima rolar,
seu sorriso,
eu ei de amar!

Marta Peres



Egito

Continuo caminhando às margens do Nilo,
meus olhos fixos nas águas choram, pensam,
enchem-se de imagens desconexas, civilização,
faraós antigos, belas rainhas, povos mostrando

sofrimento na carne, escravos comercializados,
pracinha do mercado, circo onde feras famintas
esperavam pelas virgens, cristãos castigados
para entretenimento dos senhores reais, consumição.

Figuras disformes iam e vinham dentro dos olhos,
sarcófagos na cor marrom, aureolados no tom azul
esbranquiçado, ora enfileirados, dispostos mostrando
desenho, aproximando de mim, ora afastando

dos meus olhos no fundo negro, causando dor aguda
em meu coração, na cabeça, quando bailava a certeza
de se encontrar dentro de um deles, tal qual múmia,
habitava noutra carne, noutros tempos, aquela alma!

Marta Peres




Tua Ausência

Não deixa que me acostume
à tua ausência, a dor da separação
inda bate forte, açoita meu coração
embriagado pelas mágoas, sem

paisagem vive pelos cantos, chora
sentindo pungente a tristeza que
se abateu, minha face descolorida
caminha pela casa como sonâmbula,

me acostumo pouco a pouco com esta
ausência, com a dor dilacerante da alma
que sofre calada, fechada num mar de conchas
habitando angústia, solidão, medo do futuro.

Me acomodo no silêncio de mim mesma,
já não há ombro a me apoiar, sem oásis,
sem vento fresco, como nave a deriva,
ando a navegar!

Marta Peres


Coração Verde-musgo

Quando estás na paz de tua solidão
não percebes? Não ouves este som?
Escute...preste atenção rapaz!
É o surdo bater de um coração.

Vem do chão, vem do solo,
lá de onde é escuro e úmido,
tão profundo que se percebe o som
das alvas raízes se alimentando.

Lá, coberto de musgo, verde e marrom.
Aninhado entre as placas milenares,
pulsa abafado o coração de Gaia:
Tum, tum...tum, tum...

Ouça rapaz! E cuide!
Pois da batida verde do coração dela
depende a batida vermelha
.....do teu.

Lenise Marques




Faltas-me tu

Quando eu sinto
No coração a tristeza
E a minha boca
Não consegue sorrir
Faltas-me tu!
Quando a solidão
Me tortura e faz sofrer
E eu sinto em mim
Aquela vontade de amar
Faltas-me tu!
Quando à noite
Dou mil voltas na cama
E meu pensamento
Vôa em sonhos de amor
Faltas-me tu!
Quando eu penso
Em ti e o sonho ser tua
Fico embrenhada
Em sonhos de amor sem fim
Faltas-me tu!
Se estou triste
E penso no meu grande amor
Há mil estrelas
A brilhar no meu coração
Faltas-me tu!
Para que eu sinta
Que a felicidade existe
E posso ser feliz
Nunca mais viver triste
Porque estás aqui!

Autoria-Arlete


O Farol

Brilha ao longe
Por entre o nevoeiro
Guia na noite
O solitário marinheiro
Sua luz girando
A tempestade trespassa
Indica o caminho
Vai desfazendo a ameaça
Dos marinheiros
Que navegam pelos mares
São timoneiros
De aventuras em lugares´
Desconhecidos
Nas descobertas distantes
Eles são os reis
Dos mares e até dos ares
São os heróis
Verdadeiros navegantes
Na história
Dos nosso antepassados
São a memória
De grandes feitos passados.

Autoria-Arlete



Rosa Vermelha


Quando a rosa vermelha se acabou
e eu me lembrei quão bela tinha sido,
percebi que meu peito começou
a sentir que algo em mim tinha morrido.

A rosa côr de sangue só reinou
um curto tempo para ser vivido.
Devia durar mais do que durou,
ou seria melhor nem ter nascido.

Mas enquanto existiu, como rainha,
as pétalas abertas, rubras, cheias,
mereceu todo o amor porque era minha.

Se duvidares do que digo, creias,
herdei da rosa o que mais belo tinha:
a cor vermelho-sangue em minhas veias.



(Théo Drummond)










MENINO PASSARINHO


Uma noite sonhei, que uma semente plantei.
Acordei! Uma semente havia brotado.
Cresceu e forte, e o brilho de meu olhar
ao ver um presente tão sonhado.

Cresceu um homem se formou, criou
Grandes asas , a voar longe a buscar
Seus horizontes.

Sempre que pode volta ,em suas asas me levar .
A conhecer novos tempos, meu menino passarinho
Nunca se esquece de seu ninho.

Quando preciso, voa correndo ate mim, me leva
para onde preciso ir, em um passado tão longínquo
voou sobre minhas asas, meu menino passarinho.



Eliza Gregio



Jenario de Fátima

Não queira mudar nada , amor, não queira
Deixe o arco-íris no céu com suas curvas.
Deixe que o rio, de água as vezes turvas,
Venha acalmar-se apos a corredeira.

Deixe que o vento bata na palmeira
E que a lua feita de um branco enfermo
Venha alumiar por todo campo ermo
Toda sua essência, ampla, verdadeira.

Chegue, aconchegue, fique aqui bem perto.
Vamos ser apenas só duas crianças.
Veja, não há nuvens pelo céu deserto.

Deixe que eu faça em seus cabelos tranças,
E que exponha ao mundo em seu peito aberto,
Onde o Cupido atirou-lhe as lanças.




Amizade virtual!


Há gentes que vem e que vão,
Que entram e que saem,
Passam como as folhas de inverno,
Sopradas ao vento pelo chão.

Essa gente não sabe que deixa rastro,
Deixa marcas nas areias da alma,
Não são apenas números á contar,
São amizades a construir, é o par.

Mas como a tela é fria
A sala é vazia,
O mundo é virtual,
O compromisso não é total.

Por isso quem bate á porta e quer entrar,
Deve estar mesmo certo se quer participar,
Mesmo nesse universo paralelo,
O que nos ume é a amizade em elo!


Santaroza



Feliz!



Me perguntaram se sou feliz...
A principio, acho que não,
Ainda me faltam muitos sonhos,
Ainda não vi o final de minha obra,
Ainda não vivi todos meus anos,
Ainda não sei onde é a parada.

Posso garantir que como pelas chuvas,
Passei por muitas horas vivas e felizes,
Ainda que não tenham sido completas,
Ainda que não tenham sido infinitas,
Ainda assim foram esplendidas,
Ainda assim foram em maioria!

Afinal o sopro que infla a vela,
É o riso que sai do peito,
O momento de céu azul,
O beijo de boa noite,
E o bom dia amanhã!


Santaroza



Quem sabe!


Eu te conheço?
Não sei...
Se puderes ver-me a alma,
Talvez.

Se fores parte de meus segredos,
Pode ser,
Se nos falarmos pelo olhar,
Quem sabe.

Se nossa amizade for de amor,
Ai sim,
Se nossos corações falarem iguais,
Com certeza.


Santaroza



Consentimento*


Sim,
preciso dizer
Vida em poesia
Rezar versos
se possível, todo dia...
para que se transforme
Amor em mantra...
Sendo assim,
depois somente
o eco reticente...



Walnélia Pederneiras*


O inverno chora

Geme o vento.
O céu semeia
Lágrimas de prata.
Minha mente viaja
Acalenta a maldita tristeza.

O vento ruge... suspiros
Minha alma em delírios,
Faz rever meu passado.

Nesse percurso
De minha existência
Sem nenhuma resistência
Seco as lágrimas
Em desalinho rolam sucumbindo,
Morrendo asfixia meu passado!

Não me acorrentando
Com a maldita tristeza!



[KÁTIA PÉROLA _ARQUIVO]
KÁTIA CLAUDINO CAETANO PEREIRA.



EXCÊNTRICO

Diante das escolhas
Eu não tenho opções
Viver em uma realidade dura
Ou num mundo de ilusões

Escolho as ilusões
Ouço o que quero ouvir
Seleciono minhas visões
Em meio a minhas ações

Dizem que sou louco
Por viver alucinações
Dispenso opiniões
Não me encontro nas razões
Os homens criam as regras
Prefiro viver às cegas
Criando ocasiões

Imagino sensações
Vivo emoções
Perco-me no tempo
Vivo o momento
Repleto de sentimento
Em várias situações

Vivo insano,
Mas é dessa forma que eu amo
Meio excêntrico
Alimentando-me de paixões

Flávio Cardoso Reis 09/06/2008





Poeta Solitário


Poeta solitário, refugiado na dor
nas lembranças...
Busca alento na nostalgia
Versejando encontra alegria

Das palavras, alimenta sua alma
transforma sua dor em versos
os ecos de suas lembranças
em cálida e inebriante poesia

Magoado pelas ruínas do passado
atravessa as madrugadas
nas noites insones e frias
apenas sua musa, como companhia

Romântico e sensível
chorando, brinca com as rimas
embalando os sentimentos
engana a dor que em si grita

Nos versos tristes do poeta
sentimentos sublimes
sussurros de sua alma enobrecida
na berlinda, seu coração solitário

(Van albuquerque)



Cheia de saudades!

A chuva caí fina e fria...
E dentro de mim silencia.
Quero ouvir a música ,
que a chuva me trouxe,
e sentir como se fosse,
minha canção preferida,
aquela escolhida ,
para traze-lo pra mim,
todas as vezes ,
que eu sentir-me assim...
Cheia de saudades!

((Valquíria Cordeiro))



Aconchego


Um lugarzinho distante...
Ao meio de montanhas,
Com cheiro de erva-doce,
Que ao chá da tarde assanha.
Uma casa simples e acolhedora,
Com assoalhos lustrosos,
E réstia de cebolas ,
Penduradas no canto da cozinha.
Um cheirinho de café da hora,
Barnabé com sua viola.
Colcha de retalho na cama,
No céu uma lua imensa,
Iluminando quem ama...
Um amanhecer,
Com cantos de pássaros...
Canteiro de cheiro verde na horta,
Fechaduras e tramelas nas portas...
No fogão um cheiro, de pão quente...
Aconchego simplicidade que prende agente.
Preciso tanto desse lugar!
((Valquíria Cordeiro ))

10 Comentários:

  • Querida Marta! Cada vez que publicas um poema meu fico muito feliz e agradecida. Comecei a escrever para desabafar e até hoje estou aprendendo. Te agradeço muito esse carinho enorme e essa oportunidade
    de mostrar meu trabalho!
    Grande beijo!
    Ana Wagner

    Por Blogger ana wagner, às 11 de junho de 2008 10:14  

  • olá, Marta, mas que belo trabalho! parabéns, agradeço o carinho...

    Abraços!

    Por Blogger Flávio Reis, às 12 de junho de 2008 08:06  

  • você sempre surpreendendo, amei, feliz dia dos namorados amiga querida!

    Por Blogger SONINHA PORTO, às 12 de junho de 2008 12:01  

  • Querida Marta,

    Este meu coração agradece seu carinho e luz. "DÁ O QUE PENSAR" é um soneto de meu pai e quando a saudade bate aqui na alma, tenho que ler e mostrar a luz que o manteve entre nós por 87 anos.
    Velo aqui, entre tanto iluminados mais novos é como vêlo sorrir de uma certa janela que imagino, entre nuvens e estrelas bailarinas.
    Grato amiga querida!
    Beijo de luz
    Regis Caserta

    Por Blogger Regis, às 24 de junho de 2008 15:21  

  • Querida Marta! Mais uma vez teu jornal está maravilhoso, talentoso, fantástico!
    Estou muito feliz por mais uma vez me dares a chance de divulgar meus poemas!
    Muito obrigada por esse carinho, por esse amor que tens por nós todos... teus discípulos! Tens nos ensinado a poetar e amar também e a ser humilde a ponto de dares a oportunidade a todos nós poetas amadores a nos profissionalizar!
    Um beijo amiga querida e Deus te proteja!

    Por Blogger celina vasques, às 24 de junho de 2008 15:37  

  • Olá Marta, adorei tudo aqui e fico feliz em saber que posso contribuir com meus poemas.
    Obrigada pela oportunidade da divulgação!!!
    ...beijos poéticos!

    Por Blogger A poesia alimenta a alma e purifica o coração!, às 25 de junho de 2008 14:04  

  • Obrigada, Marta, pelo meu poema aqui no seu Blog lindo.
    É um prazer enorme estar aqui.
    Beijo, amiga
    Jade

    Por Blogger Jade, às 25 de junho de 2008 14:09  

  • Amada Marta...
    Ete teu Recanto é um mel...Ainda bem que já faço parte dele...
    Um forte abraço!!
    Obrigada
    Graiela

    Por Blogger Meus Riscos, às 25 de junho de 2008 20:15  

  • [teal][b]Marta
    Muito obrigada amiga.
    Todas as poesias sao lindas!
    Beijo

    Por Blogger terezinha, às 26 de junho de 2008 17:32  

  • Marta, tão bom vir visitar teu espaço me deparar com este verdadeiro sarau de poetas maravilhosos.
    Sinto-me envaidecida de estar juntos deles.
    Somente um coração como o teu pra me proporcionar esta alegria.
    Beijos agradecidos

    Clau Assi

    Por Blogger Clau Assi, às 28 de junho de 2008 19:47  

Postar um comentário

<< Home