.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Pequeno Sarau!


Ave-Marias na tarde...
"TARDE SANGRADA"

Era
uma flauta tocando
ave-Marias na tarde,

um gesto pincelado
em forma de saudade,

Mar sangrado
em secretos movimentos

Um desejo navegado
pelas margens do teu corpo

Era
um vazio ou um grito
ou
um insondável encanto

ou
um cristal de pranto
pelo abraço não dado

LuizaCaetano




Neste jardim sem dono
plantamos nossos dias
colorindo sonhos
às vezes vibrantes
outros tristonhos
O que importa
de verdade
não é o vento que passa
nem a planta que morre
mas tudo que dela renasce
através da podridão
do seu húmus.


Lúcia Gönczy*




Homem endeusado
soneto

Na inocência de uma criança
Nasce o amor desinteressado
Limpo, suave, terno e fiel.
Sem exigência, nem cobrança;

Este amor que só tem querer
Romântico e sem malícia de viver.
Faz sua fantasia, envolver...
E a imaginação de um anjo tomar forma.

Homem endeusado, idolatrado
A fantasiar, tomar conta de este ser
De um bem querer maior presente.

Que se faz muito presente
Aliviando o coração da gente!
E nos ajudando a viver.

Magali Oliveira
29/05/2008


Eternidade

Ouço os grandes
Doutores
Da lei
Divina
Dizerem
Que o céu
É um estado...
Heresia?
Pura teologia?
Nem sei.
O que sei
é que me roubaram
a fantasia...
Um céu sem
Anjos
Sem flores
Sem odores
Sem arcanjo
Sem cítaras
Sem harpas
Sem trombetas
Mutreta!
Nem sei se quero
Morrer mais!

Benvinda Palma



Felicidade


Ame, Pois o amor é a fonte
Que renova a esperança
Que transforma a dor
Que invade os corações
Apenas para mostrar
Que seu poder é...
O apoio do desequilíbrio
E alavanca para a pedra
Que se opõe em seu caminho
Ame... Primeiro sua vida
E depois distribua esse amor
Aos demais que te rodeiam...

Ledemir





Por ainda dizer-te amor

Preciso falar-te do meu amor
daquelas vezes em que tu estavas tristes
e eu te consolei dando-te o bálsamo
pras tuas dores

Preciso falar-te do meu amor
daqueles momentos em que
tu te aconchegavas a mim em oração
e lágrimas brotaram dos olhos teus

Preciso falar-te do meu amor
das muitas vezes em que você sorriu
ao ver o riso solto
do filho teu

Preciso falar-te do meu amor
de quando a um pedinte
destes o pão necessário
pra amenizar sua dor

Preciso falar-te do meu amor
daquele amor que tanto procuras
pelas ruas escuras
e estais ai dentro de ti

Preciso falar-te do meu amor
amor que te move e que
move o mundo em que vives
o meu amor por ti, filho amado.



Rosane Silveira


Linda Brasil

José Rocha

Quando você passa,
passam passarinhos,
doces canarinhos
de lápis-de-cor.
Quando você passa,
passa a brisa mansa,
passa uma lembrança
do primeiro amor.
Quando você passa,
passam borboletas,
quasares, cometas,
passa a minha dor.
Quando você passa,
passa o jardineiro,
passa o mundo inteiro
que vive de flor.
Mas se você não passa,
moça,
nada aqui tem graça:
poema, uva-passa,
tudo perde o cheiro,
nada tem sabor.

Poema do livro "A lua do meio-dia" (Lançamento: dia 4 de junho, na Livraria Porto, às 19h, em Londrina).

O poema Linda Brasil foi musicado por Juá de Casa Forte, meu parceiro.



Á vida!

Rompe com teus cadeados,
Deixa-os desamarrados,
Porteira aberta é melhor,
Quando o coração é maior.
Vive a vida sem receio,
Afinal ela é um passeio,
Com bilhete só de ida,
Que seja então sorrida.
Sorri! É melhor que chorar,
Já temos um grande mar,
O mundo é uma esfera,
Mas a ninguém ele espera.
Cuida de teu coração,
Não o arrisque em vão,
Viva o lado da luz,
Passe ao largo da cruz.
Abra teu próprio caminho,
Veras não estas sozinho,
Braços te abraçarão,
Viver, pois, não é em vão!

-- Santaroza ---



Devaneio

Quem é esse amor que me ama
Me desperta agonia desejos
É um amor que eu não vejo
Aos poucos brincando de sedução

Que amor é esse maluco
Mandam-me flores todos os dias
Rosas vermelhas perfumadas
Fascina-me calado se esconde

Esse amor que me transporta
Nele faço uma viaje secreta
Sedutor que me cativa atiça
Ele é um forasteiro travesso

Arrisca-se risonho animado
Digam-me que e esse amor?
Esse amor é uma cria utopia
Uma miragem uma imaginação

Esse amor é poesia é um filho
É amor sem bagagem é deserto
Destravando á mente me embala
Viola se estala em qualquer coração.
Autora: Marina Nunes.


MIRAGENS
No meu deserto
interior;
Só brotou cactos,
única flor.
Por minhas veias
Passaram caravanas
Mercadores
Fantasmas.
Espalharam teias
De aranhas negras.
Vozes insanas,
Clamores, lamentos.
Quebrei regras,
Busquei alimento
nos manás inexistentes.
Saciei a sede com água viva,
Porém doente.
Atravessaram camelos
na contra mão;
Indizíveis serpentes,
Aflitos apelos,
Cegos, videntes.
O oásis galopava lépido.
Fugindo de mim.
Agonia sem fim.
Tempestades de pó.
Eu tão só...
Caçando ilusões,
Vivendo de visões!...
[gustavo drummond]



Moça do Xale...

Moça do xale!...Aonde vais?
Brejeira e faceira
Com flor nos cabelos...Aonde Vais?
Entrastes dançando...No meu olhar..
Moça do xale!...Aonde vais?
És espanhola, mexicana ou cigana?
Moça do xale!...Aonde vais?...
Gostei de ti!..E do que vi!
Seus brincos em argola
Seu rosto moreno
Seu olhar beijando
O ramo de flores..
Seu xale com franjas
Abraçando seu corpo
Agora...Tua figura
Ficou presa em mim!..
Moça do xale...dê meia volta!
E venha agora... Logo pra mim!...

Elisa César




ATRAÇÃO

Cheiro de mistério
impregna minha narinas ensolaradas.
Há uma ameaça de nuvem cobrindo meu rosto
e o ar quente magnetiza meus olhos e minha mente.
Um arrepio me percorre o corpo
e as pernas trêmulas atropelam o passo
encolhido em sua insegurança momentânea.
Sua presença abre uma cratera
de medo, prazer e paixão
que escorrem pelos poros
até o limite da lucidez.
Com as mãos molhadas descubro
que gente renasce, às vezes.

Basilina Pereira





Liberdade...Liberdade...

Esta coisa, que uns chama liberdade.
De fazer aquilo que bem se entende.
De fazer tudo que se dá vontade
De arvorar-se de que em nada se prende

Não existe.Existe sim de verdade,
É um estado de euforia que acende
Uma luz, cujo brilho surpreende,
Mas que esvai-se logo na escuridade.

É que sempre, sempre estaremos presos.
E os grilhões sabe cada qual os que têm.
Trabalhos, família, são como pesos

Que nos prendem, nos cerceiam, mas porem,
Não nos tornam tão frágeis, tão indefesos...
Como a coisa de não ser preso a ninguém.
(Jenario de Fátima)




A MULHER MAIS BONITA DO MUNDO

estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram
flores novas na terra do jardim, quero dizer
que estás bonita.

entro na casa, entro no quarto, abro o armário, abro
uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio
de ouro.

entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como
se tocasse a pele do teu pescoço.

há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim.

estás tão bonita hoje.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

estás dentro de algo que está dentro de todos as
coisas, a minha voz nomeia-te para descrever
a beleza.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

de encontro ao silêncio, dentro do mundo,
estás tão bonita é aquilo que quero dizer.

(José Luis Peixoto - do livro: A Casa, a Escuridão)




MAR DA VIDA...

Sou como um barco a vela,
que ao mar foi lançado,
sem remo e vento - sem ela,
sou marujo do amor embriagado.

De todos os sentimentos provei,
sou navegador da ilusão,
nesse mar da vida, corto as ondas,
só não corto a dor dessa paixão.

De marola em marola sigo a deriva,
nesse mar difícil de navegar,
são nas ondas do seu corpo,
que o iceberg quero encontrar.

Autor: Poeta Mineiro...
27/05/08 às 18h8min



GOTINHA

Pingo
de alegria
espirrou
em minha boca
sedenta.
Doce,
sensualmente
doce!
Degustei
lentamente,
com deleite.
Quando o inverno
tomou meu corpo,
a sede aumentou,
e a fonte divina
respingou
outras bocas...

Ana Wagner



Essa é a saudade
.
Saudade é só para quem
Já teve algo ou alguém
E os amou (de verdade);
Só se pode ter saudade
Se já se teve medo de perder;
Saudade não significa
Você não ter...
Saudade é na realidade
Você ficar no quarto
E seu amor ir até a sala
E por não estar perto
Ter-se a sensação de quase morrer...
Isso é saudade...
É sentir inflamar, arder...
É possuir e ainda assim desejar...
... Saudade é uma espécie de dor...


(Pior que o amor... sim...
Pior do que o amor...)

- Cáh Morandi -



Aquele Homem

Chegou em silêncio
com passos gentis
tomou de surpresa
alma calejada
abriu toda a guarda
naquela carência
perdoou seus pecados
segurou sua mão
beijou-a com fome
foi febre, alimento
ternura e alento
nas pazes benditas
etérea canção.

Ana Wagner



Poesia Azul


Somente o meu poeta sabe os meus segredos
e para confortar minh’alma escreve estrelas,
mas no meu peito estrelas são sonhos e telas
que escondem precipícios, dunas e rochedos.

Do malte das palavras sugo os meus brinquedos:
versos de céu, de mar, de beijo à luz de velas.
Mas quando a solidão apita, volto às celas
escuras, onde guardo as lágrimas e os medos.

E sigo a perseguir um tempo que não volta,
pingado de saudade, luas e pianos,
até que o vento apague a dor que vive à solta

nos campos de ilusões, canções e desenganos...
Caminho pelos prados das paixões revoltas,
sonhando co’a poesia azul dos oceanos.

© Nathan de Castro





SONÍFERO
Um sono invade a alma,
Um sono profundo e persistente,
Se arrasta pela madrugada,
Vai se fazendo presente;
Os olhos quase fechados,
Ardendo de tontos suspíros,
Vai arrastando os sonhos,
Em rodopios e giros;
Um sono profundo e insano,
Que entra por esta janela,
Que embriagando os meus planos,
Deseja dormir sobre ela;
Um sonho de amor mal dormido,
Que teima em não descansar,
Um sono de enorme esperança,
Vontade,loucura de amar;
Sonhando com a vida ele segue,
Distante dos sonos normais,
Sonhando com esta janela,
Por onde não passas jamais.

Fernanda Valencise
Publicado no Recanto das Letras em 29/09/2007
Código do texto: T673088




A Cruz


Símbolo maior do sacrifício,
Redenção...
Transfigurada pelo mistério da Fé
Em fonte de vida...
Bendigo e exalto tua ação consoladora,
Refrigério, luz dos martírios
E das sendas tenebrosas dos incrédulos.

Ei-la que verga solitária sob rochedos
Separada do tumulto do mundo,
Quantos pesares e lágrimas
Sob ela fora derramado.

Não tenhas medo, podes aproximar,
Ora e segue tua rude ou lírica jornada...
Já nada mais importa, a vida te foi ceifada
e vives no degredo como morta.

Vá, segue teu caminho,
Se não tiveres sorte
busca asilo onde achares,
muda teu rumo, toma outro norte.

E volta à tua cruz se quiseres conforto
ó peregrino, só ela te dará conforto
e teus pesares consolará
abrindo os braços num abraço de paz!

Marta Peres




Chama Acesa

Você partiu deixando em minha boca
o sabor dos beijos sôfregos e molhados
a pressão impetuosa de teus lábios
quando alucinados de paixão acolhiam
beijavam os meus trêmulos de desejo


Em minha pele ficou o carinho, afago gostoso
o calor das carícias de suas mãos quentes
aconchegando-me em seus braços fortes
deixou acesa uma fogueira em meus poros
que arde incessante com vontade de ter você


Nada detém a chama acesa da paixão insana
que queima lentamente aguardando sua volta
para juntos bebermos a alquimia mágica
dos desejos que me consome intensamente
na penumbra densa da saudade que ficou!


(Van albuquerque)


VIDA

Vida que tens para mim
que eu não encontro.
Eu estou assim
num ponto morto.
Vida,dá-me uma chance
desta luta vencer.
Para que ninguém pense
que eu nada sei fazer.
Vida,não deixes que chegue
a mim a má sorte.
Quero triunfar
antes que venha a morte.
Vida,não encontro em ti
força pra meus braços.
O que eu já sofri
deixou-me em pedaços.
Vida,não sei se te levo
se me deixo levar.
Já não sei se devo
em ti confiar.
Vida,esperei em ti
sempre melhor sorte.
Mas só terei,já vi
no teu fim,a morte...

Autoria:Arlette





CONFUSÃO
©Jade Dantas


Quando acho que te amo,
desminto-me:
amo, não. Apenas quero.

Mas, e esse rosto presente
se a mente nunca mente?
E onde te quero, no corpo?

E será isso amor,
esse meu quero / não quero?
Se não te amo, só quero,

por que te espero (ou nem espero)?
E se te quero, corpo e mente,
te quero assim como és

e me estás sempre presente
na mente, e se nem te espero,
como te quero, assim, sempre?

Te amo?
Ou só...te quero?
Ôxente!


SONHO E DESEJO...
Quantas vezes sonhei com teus lábios,
Quantas vezes nesses sonhos teus lábios beijei,
É como a rosa no desabrochar,
Do perfume e beleza que ali encontrei.

Hoje meus sonhos são mais envolventes,
Vejo teu corpo delgado e sedutor,
A seduzir-me com teus olhos atraentes,
Me convidando para uma noite de amor.

Deleito-me nesse mundo irreal,
De sonho, delírio e ilusão,
Ao ver o teu corpo tão real,
Aguça o meu querer dessa louca paixão.

Na transparência da suave seda,
Vejo teu corpo com carinho,
Me envolvo entre teus braços,
E nos teus cabelos em desalinho.

Autor: Poeta Mineiro...
20/04/08 às 12h47min...




Neste Pequeno Sarau vamos encontrar gigantes da poesia, o prazer em ler os poemas nos leva sonhar, acalmar a alma cansada de leituras sem maiores atrativos. Obrigado Poetas por proporcionarem tão belo sarau. Sorvendo um porto neste friozinho gostoso de final de maio vou me deliciando com as palavras destes versos encantadores.
Marta Peres

Lua Cheia

Meu olhar alça vôo,
meu olho alcança formas
geométricas na superfície
da imensidão plana, átomos
e galáxias, fixa, chega junto à linha
do horizonte, percebo no ar cósmico
demonstração de retas e curvas,
côncavo e convexo, a lua cheia
me tira do sério, penso na incógnita
do meu existir, formas sem congurência
dançam ante meu olhar, sinto gelar
a espinha, tento penetrar Marte,
adentro túnel escuro, nevoento,
vultos me olham, não me vêm,
seguem sentindo o cheiro, tento sair
pela tangente encontro natureza morta,
sombras formando catedrais encontro
pela frente, temo me trair, saio pelas bordas
onde encontro claridade, suor goteja em meu
corpo quando acordo do sonho!

Marta Peres


APAIXONADO
que lindo é estar
apaixonado!
borbulhando
em versos sonoros
catarse em quietude...
a mente vibrar
com as doces notas
que a alma toca!

provar do eterno
coração em flamas
queimar-se nas brasas
deste sentimento!
sentir-se sedento
de encontrar-lo de novo
de novo em segredo...
seu toque perfeito!

Edgar Alejandro



ALMA É LUZ ETERNA...
Eu disse adeus às ilusões,
Aos sonhos e fantasias,
O som da tempestade – os trovões,
Me despertou do devaneio que vivia.

Sou apenas um grão de areia,
Nesse imenso mar de fantasia,
Sou uma gota de orvalho,
No raiar de um novo dia.

Dessa vida que levo nada tenho,
Somente minha alma é imutável,
O tempo degenera a matéria,
Permanecendo a alma inviolável.

Quando da brevidade da sua morte,
O filosofo Sócrates em palavra declarou,
Ao seu discípulo, que a sua sorte,
Que a sua alma é luz e jamais apagou.

Autor: Poeta Mineiro...
22/04/08 às 19h38min...




Juntos para sempre


Sinto no peito um amor diferente
e o coração alegre solta os versos
abraçados de amor, tendo-te perto
e ao meu amor olhando sem ver passar o tempo.

Chegam-me sorrisos tantos
e tantos são, que alegres são mais que os dos outros
e nem sequer acredito haja algum desgosto
sendo tecido a separar os nossos corpos.

Há um sol que nasce cálido
atrás do nosso olhar apaixonado
como se nos presenciasse o amor da vida.

Força-me a ficar amando o teu amor
e separa de nós qualquer laço de dor
e ele que não mais já nos separe.





Paulino Vergetti Neto
Publicado no Recanto das Letras em 26/05/2008
Código do texto: T1005721




Camélia de Prata


Paira tão distante, acima dos montes
Por sobre as nuvens, além da esfera
Intocável silenciosa quimera
Transcende tempos, acalenta amantes

Tua luz eclipsa o cintilar das estrelas
Agonia matilhas, inebria trovadores
Desprende mil suspiros de amores
Provoca dores, não se pode entendê-las

Ó Camélia de Prata que flutua
Quisera eu houvesse a rua
De encontro à tua castidade nua

Partiria elos, deixaria meu castelo
Enfim chegando lá no etéreo
Quem me dera desposar a Lua!


Rob Azevedo



Saudade sem igual!

Tenho saudades diferentes
Do que já vivi, tempos idos...
Saudades da minha gente,
Amores, momentos findos...

Saudades... a esse nome atribuo
Tanta espera... Recordações!
Em meu coração tumultuo
Lembranças e emoções!

Ah... Mas uma saudade me arrasa...
A maior de todas... Descomunal!
Dor que em meu peito extravasa...
A saudade do morto, é sem igual!

Faz a gente chorar desconsolada
Diante da expectativa do que não volta
Há que se viver inconformada...
Com essa saudade batendo à porta!

Mara Andréa Machado
Publicado no Recanto das Letras em 14/04/2008
Código do texto: T945813




Esse coração!



Meu coração não é vala comum,
Não é igual a nenhum,
Nasceu único e sem par,
É finito, tal qual o mar!

Toca praias e rochedos,
Vive pela vida sem medo,
Não pode ser aprisionado,
Apenas pode ser amado!

As vezes é destemperado,
Avança os limites marcados,
Fere-se com facilidade,
Mas vive a plena liberdade!

Mas não é vala comum,
Isso, de jeito nenhum,
E só será repartido,
Se for realmente querido!


Santaroza


LIBERDADE
Oh deusa mater de todos os direitos,
Guardiã da justiça e da ciência!
Teu nome que me inspira respeito,
Evoco com solene reverência.

Envolve-me no teu manto protetor,
Embriaga-me com esperança e lucidez,
Quero sentir o afago do teu calor
E cantar teus louvores com altivez.

Nasci livre, o presídio me angustia,
Quero o lar que me faz tanta saudade
E abraçar aqueles entes que um dia

Ensinaram-me a amar-te de verdade.
E gritar com pujante galhardia:
Liberdade, liberdade, liberdade!

Cyro Mascarenhas Rodrigues


QUERO VOCÊ AGORA MEU AMOR


Ah! Se eu tivesse você neste momento,
Eu lhe daria todo este meu amor contido.
Ah! Quem dera fosse eu como o vento,
Para poder meu amor estar contigo.

Eu te daria todo o meu afeto e meu carinho,
E amar-te ia sem pensar no tempo.
Não me veria assim tão triste e sozinho,
Nem vagando com você em meu pensamento.

Envolveria teus abraços nos meus braços,
E te apertaria como fosse um grande laço,
E te ouvir você gemer sem sentir dor.

Quisera minha amada oh! Quem me dera,
Fosse eu a sua linda flor de primavera,
Pois por você eu vivo e morro de amor.

Escrito por elciomoraes




RESSENTIMENTO
Água clara e cristalina, nevoa do amanhecer,
Rio de águas profundas, mistério e perigo,
Cortam matas e montanhas, fúria de tufão,
São sentimentos ocultos, trazem no coração.

Água é existência e vida, brotam a esperança,
Nos corações aflitos, busca a salvação,
Fazem tuas colheitas, beija o chão,
Amor que partiu, só recordação.

Água de existência e vida, traga meu amor,
Que um dia partiu, como vento em fúria,
Deixando minh’alma fenecer, nesta amargura,
Como tolo fui, acreditando em lamúria.

Paixão doentia, corpo entorpecido,
Sinto gosto da morte, o palor cobre o corpo,
No dolorido afã, a procura da salvação,
Entrego-me ao teu dolo, perdição.

Autor: Poeta Mineiro


Essência

Já vivi meus apocalipses, sobrevivi
Olhei para trás, descaso, não virei sal
Recolhi numa arca, sim, tudo que já vi
Descobri que a existência é bem e mal

Fui buscar no quântico minha razão de ser
Entre moléculas, átomos, fótons, deduzi
Sou luz, mais que pensamentos, sem o ter
Pura vibração, freqüência anímica por aqui

Viajante nas estrelas, fogo ar e movimento
Energia organizada, corpo denso, prisão
Reconheço minha alma e na espreita tento
Me acomodar na temporalidade da ilusão

Alma minha que me anima e me sustenta
Vestida de meu eu que pasma, me alimenta
Enquanto brinco por aqui de existir

E esse Deus que habita minha essência
É mais que fé, que crença, é consciência
Sou imortal, pois nasci da morte, do vazio

Ana Luíza S. Conceição

PALPITE


Jenário de Fatima


A cigana que leu o meu destino,
Guardou dentro de sí tantos segredos.
A vida nunca é nada que imagino
E fica esparramando meus brinquedos

La fora o vento bate em desatino.
Murmura pela copa do arvoredo.
Cá dentro do meu quarto me confino.
A voz do vento sempre me dá medo.

Levanto, acendo a luz, abro a janela.
No céu a lua gigantesca e bela
Me acalma,me aquieta e tranquiliza.

Não quero ler Romance nem Novela,
Ligo o computador, busco na tela
Algum verso da doce Ana Luiza..



Brasília.4 da manha de 29/10/07


TANTO DE TI


Eu me lembro de ti até nas coisas que sonhei
Na dança do tempo que se mescla de disfarce
Certos amores se eternizam eu bem que sei
E meu amor guarda fiel, na luz ,a tua face

Saudade você tem nome e registro inesquecível
Não foi amor em vão, foi extase, paixão, verdade
Mas feito um punhal fez, meu sonho, inatíngivel
A flor da pele, implorei : fica, não se acovarde !

Já se faz tarde, bem sei, a fábrica do amor fechou
Te amo! agora parece um eco, apenas um gemido
Mas vou vivendo, te amando, te mentindo........

Por fim eís os versos, que nascem e não cessam
E a ilusão, talvez, de nunca em mim a despedida
Pois vou te guardar para sempre, além da vida !

(coisas de Ana)



Relatividade da vida

mais vale a semeadura
do que a colheita;
ao longo dia de verão
o equinócio espreita;
o rei mor do potestado
se vai na sezão de maleita;
a eternidade do tempo
o meu corpo rejeita;
quanto mais dura a verdade
mais a mentira se enfeita.
e nós? quanto pranteamos
a cada ilusão desfeita?

Ricardo S. Reis



Política, políticos e o voto

Quando o assunto é política
Muitos deste tema querem fugir
Devido ver tanta demagogia
No mundo político existir.

É uma indignação geral
Cada eleição é uma nova frustração
Fazem do dinheiro público carnaval
Deixando os brasileiros na mão.

É bem verdade, que não pode generalizar
Em meio a tanto joio também o trigo há
Porém é tão poucos que não dá
Fica difícil acreditar que vai acertar.

No entanto, não podemos desanimar
Fechando os olhos para nada ver
Pois, o país nunca vai melhorar
Se cruzarmos o braço e nada fazer.

É melhor tentarmos acertar errando
Acreditar que podemos esta situação mudar
Que vivermos omitindo e reclamando
Sem nada fazer do que murmurar.

São os brasileiros que constróem esta nação
Com trabalho, coragem, cidadania e o coração
Sendo assim, precisamos todos aprender votar
Confiando que um novo horizonte vai despontar.

Ataíde Lemos



TOQUE PERFEITO
que lindo e estar enamorado!
enaltecido dançar
sobre as nuvens
viajar no vento
voando nas asas
deste cisne esbelto
... impregnado na doçura
embriagante deste sentimento.

deitar no arco íris
e... abraçando o céu
sentir o feitiço!
brotar meus sorrisos
saber que e tão puro
este amor sublime...
saber que é real
o teu toque perfeito.


Edgar Alejandro




SENSATEZ

Amo-te com cautela,
Desejo te intensamente.
O medo me apavora,
Preciso ser prudente.

Você é uma incógnita,
Tento compreender-te.
Mas cada dia que passa
Fico espavorido,
Pelo sentimento adquirido.

Tento ser sensato,
Nada sei de ti.
Aguardo sua revelação
Para saber como agir.

Flávio Cardoso Reis




Castelo em ruínas 1

Abra a porta do seu coração, deixa entrar amor,
busca novo meio para se sentir feliz, novo engenho
que encha de alegria o seu coração, não tenha pudor
para pedir consolo, nem queira tirar o melhor que tenho

na vida, conservo segura a fé e a esperança
no dia de amanhã, nos homens, mantenho
firme meu propósito de felicidade, ainda dança
em minha mente a certeza de não perder o que tenho,

segurança conseguida a duras penas,
valor imenso, tesouro carregado no peito,
escondido pelo medo do desgosto, cena
afastada da memória, jamais a quero no leito

agarrada a mim, mal que quase me matou
sufocando a vida, doeu como jamais pensei sentir
dor, nascida do fundo da alma sofrida, que chorou
lágrimas de sangue, sem nada fazer, vendo que ruiu

o castelo construído dentro dos pilares de amor!

Marta Peres

Castelo em ruínas 2

Abra a porta do seu coração, deixa a leve brisa
entrar, roçar seu rosto, afagar sua alma
no dia que nasce, olha o horizonte vestindo camisa
de luz, o sol nascente chegando manso, na calma

preguiçosa dos despreocupados, livres do desgosto
da dor, paixão que mascara a alegria firme em mudança,
que busca novas esperanças de vida melhor, posto
que é preciso modificar conduta, viver à semelhança

do Pai, andar em mar bravio sem sentir medo
da tempestade, passar pelas sombras dos vales
sentindo a força do amor, sem encontrar dedo
acusador pelas ruas e esquinas, olvidando males

desejados por outros, sem dar ouvidos à menor
das palavras, então o castelo se erguerá, altaneiro,
firme como a rocha, deixando de viver em ruínas.

Marta Peres




SONETO DA INSPIRAÇÃO
No entardecer da minha noite escura
Tive muitas poesias desprezadas
Como notas de triste partitura
De harmonia e beleza contestadas.

Não vi passar o Pegasus solene
Que, alado, nos sonhos me acenava:
Vinde beber na fonte Hipocrene.
Ao poeta era tudo que bastava.

Lágrimas derramadas e tristeza
Não trouxeram de volta o bom corcel
Mas outro cavalo branco, com alteza,

Conduziu-me às estrelas lá do céu.
E no Helicon hauri estro e beleza
Pra do amor me tornar um menestrel.

Cyro Mascarenhas Rodrigues



Antonio Kleber
DANAMENTO


Rasgo a rima rasgo a rosa
rasgo a sombra e o pensamento
tomo o corpo e rendo o nu
colocando curativos
nas feridas da paixão
Recupero a confiança
mordo a língua mordo o seio
tomo a bela geografia
na aventura do prazer
Ao depois esqueço tramas
recomeço o canto rude
boto fogo em poesia
não dou bolas para o amor
Faço versos de navalha
lanho o corpo da libido
bebo labareda em taça
fico tonto me recolho
refletindo sobre como
acordarei no amanhã

(Do livro À SOMBRA DOS TRIGAIS, 1997, Rio das Ostras-RJ)



ESTRANHO LABIRINTO
NALDOVELHO

Vocês percebem o que eu digo?
Vou tentar ser mais claro!

Fios entrelaçados, tecidos,
alguns deles amarrotados,
outros, guardados, amarelecidos...
Há aqueles, pelo uso, puídos,
se tentarem consertar; cerzidos.
Tramas, dramas, coisas do nosso umbigo!

Ainda não fui claro?
Vou tentar de novo!
Caminhos, trilhas, atalhos,
lugares ermos, distantes,
ruas que parecem desertas,
esquinas, escolhas incertas,
becos sem saída, enganos!
Começar tudo outra vez.

Janelas, têm dias, fechadas,
em outros, escancaradas;
chaves, nem sei de quê portas,
mas não importa sabê-las,
pois sempre serei um estranho,
que quando tenta entrar na conversa
alguém logo pergunta:
o que você quer de nós?

Fios entrelaçados, destinos,
escolhas equivocadas, atalhos,
ruas de uma cidade deserta.
Ando por aqui já faz um tempo,
vivo tentando escrever poemas,
que digam ao coração das pessoas
sobre o labirinto em que vivemos, estranhos...
Melhor ter a mão um novelo de lã,
marcar caminhos trilhados,
não repetir os enganos,
para que possamos sair daqui.

Algo do que lhes disse é familiar?
Não?
Estranho...
Muito estranho!




Paulino Vergetti Neto
Sem tudo


Este instante é breu meu ,
escuro teu
e tanta luz distante
tem a tua vida
essa única morte minha,
sem alma,
sem vida,
sem rima.

Há desgostos que nunca se acabam,
sempre acham novas estradas
e vêm morrer perto da gente
com o que não se sente
nem se acha!

Dou-te o tempo,
esse adivinho de nós,
esse triste algoz
sabe tudo de nada
e do nada que fomos

Paulino Vergetti Neto
Publicado no Recanto das Letras em 17/09/2007



"O PÃO DAS PALAVRAS"
Amassamos as palavras
como se delas quiséssemos
que nascessem pães.

Libertamo-las com a urgência
dum acto necessário

por vezes - doloroso.

Vergamo-las!
Parimo-las!

Moldamo-las
em gestos rasgados
e vibrantes
Manchas vermelhas,
da cor da emoção!

Em versos desesperados
como uma masturbação

luizacaetano


En una calle perdida

En una esquina de una calle perdida
Te reencontré una noche
Tú marcabas tú terreno que es mi cuerpo
Al son de un tango y de un bandoneón

Y tus ojos me miraban
confirmando en esa esquina perdida
que siempre tú sabias
que no puedo vivir sin ti

y la luna en una calle perdida
brillando en el cielo de mí boca
roja de tus besos
parecía que decía que yo quería
no te quedes más lejos de mí

Karla Julia


"SOMBRAS SILÊNCIOSAS"
Sentas-te na Primavera
desse terraço de sonho
e
para ti
correm todos os meus rios,

Debruças-te
sobre
um parapeito
de
rosmaninhos sonâmbulos
que o rumor da água
desperta,

no espelho do teu rosto
apenas
a sombra e o silêncio
ferindo saudades,

Enquanto
a inclemência
do tempo
tece fios vermelhos
nas velas dos navios
que não voltam

LuizaCaetano




COISAS ANTIGAS
Antonio Kleber:




Rendo-me à incerteza do verbo desnudo,
dos teus gestos vagos, das noites vilãs.
Toda a força pura do amor extremado
agora é vontade sem rumo, é cansaço,
são porões de anseios mofados, antigos.

Deito ao som da rima perdida, ao relento,
amor desamor, desencontro e procura,
como dócil potro na relva do sonho.

Entrego-me à amarga emoção terminal;
tudo foge: os olhos, os risos, as mãos...
não lembro da boca, do rosto, de nada!

Perdi-me no tempo, desgaste das horas.
Sei lá dos teus beijos! Teu corpo é visão
lançada na areia que o mar erodiu.
sei lá dos encantos do mágico gozo,
depois de passados os anos da angústia,
marcando a memória ao ferrete das nuvens.

Entrego-me à incerteza ou me rendo à verdade?


Iluminados
Cresce dentro uma luz sem comprimento
Que nos norteia que nos nomeia que nos alteia
Ferve lento aumento com sentimento
Que nos ensandece que nos adormece que nos alheia


Despe o pecado ali do lado encabulado querendo chorar
Limpa o caminho do pergaminho que veio louvar
Cede ao espinho do nosso vizinho que quer ver amar
Cura as feridas em corpos havidas por renovar


Somos escolhidos sem ter padrinhos pela Divina Luz
Somos discípulos arrependidos diante do Altar
Somos aflitos e perdoados pelo Mestre Jesus
Somos amados sempre lembrados por Deus nosso Par


Deu-nos abertos seus braços libertos
Deu-nos o sangue de luz reavivante
Deu-nos o arbítrio para escolhermos certos
Deu-nos o beijo de Pai exultante.


(Confidências/Sylvio Brasil)




In perpetuum

Omnia sunt bominum tenui pendentia filo
Peractis peragendis, permitte divis cetera
Post nubilas Phoebus
Omnia vincit amor et nos cedamus amori
Per omnia saecula saeculorum

Karla Julia


MOVIMENTO ZERO
sentir este mar de luz
de energia viva dentro
este movimento
amplexo
vai vem na praia da alma
o momento do rebento das ondas
num impulso á frente... o sim!
da ação atemporal batendo
nos rochedos do inerte...
e o recolhimento

esta inspiração
mágica que suspende
a morte por breve tempo!
e a expele
o mantram sem palavras
sem fórmulas
sem explicações
o mais próximo do Deus real
o mais divino amor...
a reencarnação
no agora!

Edgar Alejandro




Aquele abrigo...
As águas estão perdidas
e o mar morto
exposto a todo céu
que por desgosto
apenas vê o barco
barrigando sobre a marola
que leva à praia.

Uma dor insólita
de um marinheiro sonhador
seco de carne
molhado de alma
náufrago dos sorrisos.

Nado para me achar vivo
e desse desespero fugindo,
pousando em qualquer outra praia
desenhada
que me sirva de bom bordo
e como seguro e alegre abrigo.

Paulino Vergetti Neto
Publicado no Recanto das Letras em 16/09/2007
Código do texto: T654556



O POUCO QUE EU SEI
NALDOVELHO

Sei dos caminhos que nos levam à loucura
e das trilhas, abismos, armadilhas.
Sei do sangue coagulado sobre a ferida
e da dor na cicatriz quando mexida.
Sei do inverno no silêncio do meu quarto,
e das lágrimas, quase sempre não disfarço!
Sei das ruas, vielas, esquinas desertas,
insônia insistente, madrugadas incertas.
Sei do amigo que se recusa ao abraço,
chuva ácida poluindo o riacho.
Sei dos esboços, dos rascunhos, dos sonhos,
projetos engavetados, lado esquerdo, tristonhos.
Sei do livro de contos inacabado,
faz tempo não pego, tenho medo do estrago!
Sei que o tempo tece teias estranhas,
corpo cansado, sou presa indefesa da aranha!
Sei que amanhã vou acordar setembro,
se me lembro: primavera, flores, temperatura amena!
Sei que no final deste caminho, existe um outro.
Sei da pedra, do limo, das raízes e da solidão



Alquimia
O que da vida a um sentimento?

Não é muito difícil de explicar
É necessário despir-se dos medos
Deixando toda sensibilidade aflorar.
Mas é preciso também um motivo,
Uma musa para ter boa inspiração.
Há de sentir-se uma afetuosa química
Que domine mente, corpo e coração.
Mulher é a poesia divina em movimento,
Esculpida com a matéria-prima do desejo
Quando interajo com tão mítica criatura
E libertados são meus cinco sentidos,
Viajo pelo mundo louco da magia
Transgrido todas regras e convenções.
O Amor queima o peito como chama,
Fogo é o elemento da transformação
Portanto na vida ninguém se transforma
Sem submeter-se as labaredas da paixão!

Acontece então o milagre da materialização.
Transformando em versos meu sentimento.

Então nasce a Poesia

“Valter Poeta”



Silêncio
Mesmo quando me calo
ressoa em mim o som de uma melodia inacabada ,
o ruído dos passos da sua chegada,
a minha voz entrecortada.


Mesmo quando me calo,
instrumentos continuam tocando,
ainda um certo perfume de flores,
um leve toque em meu corpo,
as mil e uma noites,
o doce e eterno cio,
o ruído das páginas de um livro
teu nome cismando da tinta escapar
para na folha branca se revelar.

(Karla Julia)



DANÇA
dançar como dançam
as plantas marinhas graciosas
com os rios submersos invisíveis

tal campos de trigo maduro
agitados e soltos no embalo
do vento de estio

qual seres no cio...
quero dançar com a vida
seguindo o in-fluxo que ela cria

rendido neste êxtase profundo!
na força da expressão... do fogo
do amor nas harmonias.

Edgar Alejandro




“Um grande ser humano se inicia no berço de uma pequenina criança.”

.............”Catarino Salvador “.






MULHER
Vivas à mulher que não é muda de pensamentos e desejos.
Vivas à mulher que é mudança, permite sua própria
experiência de muda.

Vivas à mulher guerreira, seja a mãe, a amante,
a matreira, ou todas juntas numa só, que como água flui, penetra e avança
onde há barreiras ou onde dela têm medo.

Vivas, vivas, àquela que aprendeu a suspirar mas não ser submissa;
àquela que levanta todas as manhãs, faz o café - mesmo com vontade
que o tragam na cama -, olha as prioridades do dia, sem
esquecer as dela própria.

Vivas àquela que ainda se preocupa em retocar o baton, pois que já
retocou as mazelas e prazeres que enfrentará durante o dia: seu trabalho, família,
seus medos, desejos...

Mulher que aduba a terra fértil de enamorar e
enamorar-se.

Mulher que semeia verdades sem se importar
se o campo é ou não favorável.
Importa é ser feliz se colocando
como mulher especial, humana e deusa,
conhecedora de si e das luas,
das ciências, dos ruídos de comunicação,
dos versos livres,
das rimas brancas e
das esdrúxulas rimas da vida.


Vivas àquela que é mestra em gestar amor, parir liberdades,
ensinar carinho, aprender individualidades.

Vivas àquela que é Doutorada em projetar algo e não
se deter em realizar mesmo seguindo só.

Vivas... digo como quem diz: Você é demais! Você muda o mundo,
você conquista a si mesma primeiro!

Vivas! Você se conhece e não tem medo de
descobrir que Mulher é diferente em sua individualidade e em sua generalidade,
sendo capaz de sangar mensalmente e fazer sangrar, mas como metáfora de fazer vida e dar vida à corações perdidos, fazendo-os se perderem mais e melhor, por bem amarem.

Vivas! Pois este Ser é capaz de ouvir histórias e chorar, viver histórias e recriar, sem que tudo isso destrua projetos, futuro, pelo contrário. Mulher é flexível, aprende cada dia mais a deixar de lado - seguindo seu próprio tempo- aquele ou aquilo que não é capaz de chegar junto depois de muitas chances dadas.

Mulher segue sozinha,
sendo preciso, e muitas vezes
so-men-te
é preciso,
mas também é
ab-so-lu-ta-men-te
impreciso.

Às vezes. Tudo bem. Outras, tudo mal. Mulher é gente antes de tudo. E gente de fazer gente! E de fazer ciência, versos, viagens espaciais, astrais. Mulher é gente pra caramba,
com ou sem salto alto, descendo ou não do salto.

Mulher tem tudo com a dança, com a intuição, com o toque leve, com a lua, com a rua, com a casa, com o início, com o meio e o fim.

-Mulher, ei! VIVA! Bravo! Vocè é admirável!



By Tânia Lúcia Barros
08-03-08 - Homenagem às Mulheres, para seu dia Internacional e todos os dias do ano.



SAUDADE!
Antonio Kleber:






Saudade cruenta! Flecha que transpassa,
para matar de vez todo meu sonho,
a alma e o coração – fado medonho!
Perseguição insana que me caça!

A espera debilita as esperanças,
de ter no amor mais vivo a recompensa,
para enterrar de vez a chama intensa
da nostalgia atroz que aturde e cansa!

É como chaga aberta que doesse,
Ou sangue nas artérias que me ardesse,
Esse desejo doido de abraçá-la!

Dos sonhos para a tumba, este interesse,
esta paixão doída que atassalha
e a saudade a servir-me de mortalha!

(Leia Quarenta Sonetos Sem Pecados, poesias, de Antonio Kleber - Editora ZEM - RJ - 2007)



AMOR E TEMPO
Igual a vinho de safra premiada
Que o tempo faz crescer o seu valor
Revigoro o encanto por minha amada,
Como aumenta na fogueira o calor.

No seu templo onde o amor fez a morada
Cultivando os mais nobres sentimentos
Juntos, andamos uma longa estrada,
Partilhando prazeres, sofrimentos.

Peço a Deus que não a leve primeiro,
Deixando-me o amargor da solidão.
Quero viver nossos sonhos inteiros

Cumprindo assim a sublime missão.
É a crença do amante e companheiro
Que proclama o ardor de sua paixão.

Cyro Mascarenhas Rodrigues



Linda mulher!

Desço escadarias de pedras,
vislumbro um imenso e inusitado jardim.
Como num conto de fadas,
avisto um lago, flores e encantados duendes.

O cheiro de perfume e incenso no ar,
penetra e desperta sensações.
Vou lavar minha alma na água...
Esperar o corpo secar ao sol.

Ao espiar por entre as frestas das árvores,
encontrar o divino em mim.
Esse jardim é miragem criada,
quando na vida não pude me olhar.

Na fantasia do encantado me escondi,
de mim, do real e da dor.
Mas na melodia da paisagem vibrante,
reajo com emoção à vida em flor.

A noite vai tomando conta do espaço...
Faz silêncio naquele conto de fadas,
desaparece o vestido de estrelas e contas de cristais.
Sem roupa estou.

Com a alma lavada e despida,
posso elaborar nova paisagem,
onde hei de um espelho achar...
Para minha linda mulher enxergar.

Mônica Galdino, 08.08.2007.


Beijo
Tua voz de sonoridade límpida
Todas as manhãs sem tua presença
Todas as tardes de brisa tímida
Todas as noites sem tua leveza


Teu corpo na memória das impressões felizes
Sem deixar que uma lágrima impeça ver
Todos os teus detalhes sem deslizes
Que posso sem vacilar teu beijo reter

Outras presenças sem guardar essências
Outros corpos de diferentes atrativos
Outras sentenças sem ficar evidências
Outros portos de navios inativos

A tua eternidade de existência infinita
A tua temeridade de ser futuro incerto
A tua sensibilidade de ser fazer bonita
A tua felicidade de corpo aberto

Não te esqueças de que distanciar aproxima
Não te reproves por sentimentos sidos
Não te arrefeça de tuas lembranças firma
Nas tuas profundidades amores findos.


(Confidências/Sylvio Brasil)






"Os inseparáveis”

Somos três mosqueteiros
Na escrita, na prosa e na poesia
No amor e na dor, somos guerreiros
Transformamos tudo em alegria

Somos mosqueteiros na caminhada
Caminho florido com versos coloridos
Tristeza escura, será transformada
Em som musical, para serem lidos

Somos três vidas que vivem distantes
A nossa amizade fez um elo no ar
É a sintonia se unindo em versos
A mais linda forma de poetizar

Somos mosqueteiros da luz e do brilho
Levamos esperança para os corações
E nossa poesia nasce como um filho
Vivendo para o mundo, repassando lições.

Jane Rossi




Reflexos do Luar

Sentada a beira do mar
Com os pensamentos a vagar
Fui começando a deslumbrar
Um belo quadro a realçar.

Vi surgindo no horizonte
A lua bela em seu desponte
Com o brilho da cor de prata
Convidando para uma serenata.

Com ela veio o sopro do vento
De mansinho com seu ar opulento
Balançando as palhas dos coqueiros
No céu observo os pequenos luzeiros.

A lua é encantamento, é beleza!
Serve de guia com sua singeleza
Inspira os amantes com sua magia
Deixando fluir as emoções com alegria.


João Pessoa, 15/05/08
Neneca Barbosa

Cova Rasa

quando a manhã chegou
eu me quis sem rosto;
apenas cabelos,
testa e orelhas.

pela hora do almoço
eu me quis sem cabeça;
apenas roupas,
tronco e membros.

quando adormeci
eu me quis sem nada;
apenas solidão,
cova rasa e silêncios.

Oswaldo Antônio Begiato



A Dignidade Rosa
Não importa se as ondas batem
Não importa se uma pétala tomba
Não importa se as correntes tangem
Não importa se tua pele sonha


Ainda que não seja solo sadio
Ainda que o toque do vento espante
Ainda que a Rosa não aceite frio
Ainda que só esteja amante


Soubeste que o sal tempera o norte
Fincaste o teu caule com dignidade
Vestiste a praia com teu manto forte
Dobraste teu colo de infinidade


Olhando a linha de reto horizonte
Retratas meus dias de intensos calores
Impulsionas o meu barco adiante
Profetizas a viagem de sermos só flores.


(Confidências/Sylvio Brasil)




EVOLUÇÃO
Pela longa estrada da existência

Nas experiências por nós vividas

Vamos em busca da verdade

Que há muito tempo foi escondida.



Sabemos que toda a história

Foi escrita pelas mãos de vencedores

É sabido, porém, que nem sempre

Aqueles que vencem são merecedores.



A cada um de nós, de acordo com sua crença,

É proporcionado apenas um fragmento da verdade,

Entre todos, é semeado o fruto amargo da discórdia

Seguimos então brigando por ignorância e vaidade.



Pois é interessante aos grupos poderosos

Que não notemos a óbvia constatação

De que as nações dependem umas das outras

E que somente juntas prosperarão.



Tudo o que buscamos durante a vida

Está guardado em de cada um de nós

Basta tirar o véu da incompreensão

Para, juntos, alcançarmos a evolução!



© Valter Montani - 2007





Acróstico

Sabor de Vinho Doce

S enti a doçura dos seus lábios naquele beijo, quando
A bri as portas do meu coração dizendo lhe amar,
B eijo com sabor do mais puro e doce vinho do Porto,
O ntém depois que se despediu pensei morrer, lágrimas
R olaram pelo meu rosto feito cachoeira, sofri

D emais, perdi meu sonho, minha ilusão da vida,
E sperança do meu viver, a outra metade de mim!

V inho doce dos seus lábios não mais terei,
I mensa tristeza brotou dentro do meu coração
N ascendo o desespero e desesperança de vida feliz.
H omem da minha vida, perdi dentro do sonho, hoje
O iço apenas dizerem: “ Não soube segurar”!

D oce palidez em que vivo, mais pareço morta viva,
O ouvindo sem nada responder, sigo pelas ruas sonhando
C antando a canção do amor, nossa canção, olhar vago
E nenhum gesto, meu olhar perdido para o mundo, sigo!

Marta Peres




Barco da Vida

Fazendo uma reflexão
Mergulhei no meu interior
Descobri quanta ilusão
Apegando-se ao exterior.

Conduzimos nosso barco
À mercê da tempestade
A âncora é nosso marco
Esperança que nos invade.

Em nossa caminhada
Precisamos bem escolher
A semente pra ser plantada
E regada para florescer.

As escolhas do nosso caminho
Vão sempre nos pertencer
A humildade é nosso cadinho
Para que possamos crescer.

Somos parte do Universo
Da grande luz do Criador
Vamos ficar nela imerso
Banhado com vosso amor.


João Pessoa, 18/05/08
Neneca Barbosa



Sonho de uma borboleta...

Existia...Na natureza!...
Dizia meu sonho...
Uma linda borboleta
De espécie rara..
Que voava
Entre as flores
Buscando seu sonho
Encontrar...
A Mãe natureza com pena
Transformou a linda
Borboleta no que ela
Desejava virar...
Mas ...Antes lhe falou
Que seu desejo
Seria realizado..Apenas num dia!
Ela então conseguiu entrar
No seu sonho... E começou
A andar!...Andar! ..Como moça!..
Numa rua à noite.!..
Iluminada pela lua
E pelos lampiões do lugar...
Só que a Mãe Natureza
Lhe deixou suas asas
Para quando o sonho
Acaba-se...Voa-se
Para as flores
Que era seu lugar!...
Elisa César – 29.05.2008




Ontem não é hoje!



Meu peito se encontra raso de areias varridas,
O vento ainda me arde ao me soprara as feridas,
Batalhas que não venci e ainda sou torturado,
Sei que vencerei, mas ainda me encontro cansado!

O tempo de ontem já era, mas a lembrança quer ficar,
Parecem aquelas ondas, que vão e voltam do mar,
Foi um pesadelo da noite, que o sol fez apagar,
Sorrir ainda me dói, mas já não vou mais chorar!


Santaroza




Junho é um grasnar solitário,
é uma gralha
que ao colo da araucária retorna.
As garras da ave, desprendidas do dia,
soltam as sementes
que meus olhos em silêncio
recolhem.

Mistérios fundos vão cedendo,
vão abrindo inflorescências
na memória tenra de tarde.


Fernando Campanella
da série “Efemérides”





FOLHA AMARELA

Folha amarela
Folha caída
Folha sentida
Haste pendida
Quase sem vida.
No meio do verde,
Realça o desespero.
É o seu lamento,
O seu apelo.
Não fala,
Mostra a sua dor
Com a mudança profunda da cor.

Carmen Vervloet






“Sentir você...”

Tocar nas estrelas pensando em você,
Amar-te tanto sem mesmo entender...

Imaginar seu sorriso, ouvir sua voz.
Sentir seu abraço e imaginar nos dois...

Guardar um pouco do vento,
Só pra sentir o seu perfume...
Correr na chuva imaginado um encontro.

E de repente perceber que você,
Sempre esteve dentro de mim...

((Valquíria Cordeiro))




SONETO DO AMOR INCONSÚTIL

Às vezes a minh’alma é a mesma tua
sem que um mesmo precise ser igual.
Como os lados contrários de uma rua.
Ou margens inconsúteis de um lençol.

Quantas vezes derramo de alma nua
em tua alma encoberta de água e sal
sementes de uma aurora à luz da lua
sem que o saiba a tua aurora boreal...

As rosas em silêncio em meu jardim...
Nenhuma flor o sabe de outra assim
como as aves do cântico dos ninhos...

E meu amor – malgrado esse ciúme
é como um frasco aberto de perfume
de rosa que nem sabe dos espinhos...

A. Estebanez
(Dedicado a Sylvia Narriman Barroso)




Voar!




Pássaros passam em revoadas lenta,
O bailado deles na tarde, me alimenta,
Sou parte desse vôo, fincado no chão,
Mas não importa, tem asas meu coração!

Tenho mais pegadas no ar, que propriamente no chão,
Creio mais nos sentimentos, que propriamente na razão,
Não me basta ser, ou ter, eu preciso muito viver,
Por isso é que crio asas quando não quero sofrer!

Sou parte do tudo e do nada, nem por isso vou decidir,
Minha vontade é declarada pois não consigo fingir,
Sou como a andorinha, posso ir, posso voltar,
Não me importam os vento, o que mais quero é voar!


Santaroza








“24 horas de amor”

Boa tarde!!!

O cupido me flechou, acertou meu coração
Na flecha, levou a dor, cravejou-me de paixão
O amor fez a morada, alegria permanente
Luzes, brilho na estrada, alma gêmea, envolvente

A metade da laranja acabei de encontrar
O cupido me flechou, renasci para amar
Vida sem cor, renovou, e o mundo coloriu
Botões de rosas se abriram, encantamento surgiu

Estamos enamorados, vivendo doce paixão
Em um mundo encantado, repleto de emoção
Eu vivo a vida dele e respiro o seu ar
Seu sucesso é meu sucesso, minha vida é amar

O cupido foi embora e me deixou a paixão
Pedras escuras se coloriram, é uma outra visão
Estamos vivendo no paraíso, estrelas, sonho e poesia
Vinte quatro horas de amor no universo da magia.

Jane Rossi




Esperança.

É no pulsar arrítmico de meu peito
que percebo a significação extraviada
do poema que umedece meus olhos.

E nas mortas horas da espera
em que a saudade insone escurece a noite
minha alma grita teu nome calando o silencio
em que mergulhou meu coração.

Refugio-me nas lembranças do ontem para
te sentir presente na distancia que te faz longe.

Deito-me sob a mansa luz da lua
em cuja face busco enxergar teu reflexo...

Esse inverno vai passar, e como um sonho ruim se esfumaçar
nas manhãs da primavera que sempre chega com o sorriso...
...Que o sol roubou de ti.

(AlexSimas)




Pode Ser...

Pode ser que um dia não nos vemos mais
Nossos barcos convergem para outros mares
Portando-se em outros cais.

Pode ser que um dia mudem os ventos
E para outras direções passam a soprar
E tudo do hoje se espalhe no ar.

Pode ser que um dia meu caminho pare por aqui
Ou talvez o seu, e o meu, continue a seguir
E então nos desencontramos na estrada da vida.

Pode ser que um dia possamos sorrir
Das lágrimas que hoje vivem a cair
E então olharemos um no outro sem dor.

Pode ser que um dia o impossível aconteça
A palavra nunca, para tempo, não existe jamais
No ciclo da vida tudo transforma e se refaz.

Pode ser que um dia tudo pode ser diferente
Por isso que é importante viver o presente
Deixando o amanhã para o seu oportuno momento.

Ataíde Lemos



POR TRÁS DO POETA

Por trás do poeta
existe uma cena
um verso, um dilema

Por trás do poeta
existe o incerto
um conto, um anverso

Existe amor
às vezes paixão
às vezes tesão

Por trás do poeta
Existe por certo
Uma porta entreaberta

Infinito universo
De contos, de cenas, de temas
Dilemas em versos


Adriano Hungaro




“O grande poeta”

Quando Deus criou o mundo
Estava fazendo poesia
Criou homem e mulher
Natureza, noite e dia

Sol e lua, terra e mar
Sentimento de emoção
Gente que vive pra amar
No universo da paixão

Deus é sim, grande poeta
Escreveu amor e dor
Verso e reverso da vida
Lágrimas, sangue e rancor

Ele vive poetizando
Vive trazendo magia
Nossa vida é um livro
De eterna poesia

Jane Rossi



Linda mulher!

Desço escadarias de pedras,
vislumbro um imenso e inusitado jardim.
Como num conto de fadas,
avisto um lago, flores e encantados duendes.

O cheiro de perfume e incenso no ar,
penetra e desperta sensações.
Vou lavar minha alma na água...
Esperar o corpo secar ao sol.

Ao espiar por entre as frestas das árvores,
encontrar o divino em mim.
Esse jardim é miragem criada,
quando na vida não pude me olhar.

Na fantasia do encantado me escondi,
de mim, do real e da dor.
Mas na melodia da paisagem vibrante,
reajo com emoção à vida em flor.

A noite vai tomando conta do espaço...
Faz silêncio naquele conto de fadas,
desaparece o vestido de estrelas e contas de cristais.
Sem roupa estou.

Com a alma lavada e despida,
posso elaborar nova paisagem,
onde hei de um espelho achar...
Para minha linda mulher enxergar.

Mônica Galdino, 08.08.2007.



SENTIMENTO EM COR.
Dar-te-ei este ramalhete de rosas coloridas,
Em cada cor uma promessa gravada,
As brancas trazem a paz desta dor sofrida,
As amarelas – enxugam as lagrimas derramada.

Rosa, símbolo do puro amor proferido,
Onde as vermelhas é o fogo da paixão,
Das pétalas o suave aroma é sentido,
Levando a alma ao desejo da sedução.

Champagne é a rosa da simplicidade,
Nela está gravada, ternura e carinho,
Que é dedicada a uma grande amizade,
Que floresce no peito como aconchego no ninho.

Rosa, cor de rosa,
É a cor mais sublime e delicada,
Representa a figura mais formosa,
És tu mulher, de todas as flores a mais desejada.

Autor: Poeta Mineiro



Amor...Nada Mais.

Vim te falar das muitas coisas que me habitam
Adormeci sobre o poema que te escrevia
Sonhei-te consciente, sentimentos imprudentes
Uma serenidade divina, quase incômoda
Apossou-se de minha alma, essa que te escreve.

Descobri-me personagem dessa fantástica fabula...
...Nossa historia, Mutação perfeita da semente plantada.

Seu e meu sentimento, coquetel de paixão desmedida
Que me embriaga lentamente, admira e assusta...

Cruzo pontes de invernos e outonos...
...Para encontrar-me na tua sempre primavera.

Extraviei-me, me perdi pelos corredores das letras
Dessa escrita sem sentido que busca te dizer
Do que alem te amo, me pergunto porque?...
...Simplesmente te amo, nada é além do amor.

(AlexSimas)


A MAGIA DO AMOR...
Borbulhas no teu corpo o liquido da sedução,
Com meus lábios eu sorvo o sabor do desejo,
Descendo lentamente te provocas excitação,
Ao sentires dos lábios meus – o beijo.

Saboreio os teus anseios com volúpia,
No frenesi extasiante do amor,
No ato do amor não existe culpa,
É a procura alucinante do prazer sem pudor.

Entrego-te o meu corpo e o teu a mim,
Na ânsia do querer nos transportamos,
Vivemos sonhos, ilusões e fantasias,
Nesse momento mágico que nos amamos.

Os nossos olhos captam o imaginário,
Que na química do amor a mente cria,
É um mundo colorido de beleza rara,
Que só nesse momento irradia.

Autor: Poeta Mineiro...
11/05/08 às 12h15min...



Tempo da demora

Erraram quando dividiram o tempo
e o puseram em relógios...
agora dependendo de dias e horas,
agora há tempo pra contar,
tempo para te ver,
tempo demais para saber
o quanto você demora


(Cáh Morandi)






FRÁGIL

Você sempre brinca comigo,
com meus sentimentos.
Me faz de gato e sapato
e depois finge arrependimento!

E eu perdôo,
já que nessas horas me falta a memória!
E como tonta,
acredito de novo nas suas histórias.

Eu queria mesmo
era ser dona do meu nariz, do meu coração.
E sempre que penso em te deixar,
na hora "H" perco o chão.

Pois você parece ter me enfeitiçado.
Já não sou mais eu que vive em mim.
É como que sem você,
minha vida chegasse ao fim!

Então, me vejo escrava desse amor,
que açoita meu próprio ego!
E mesmo sabendo que você me faz tanto mau,
continuo presa à você feito prego.

Hoje perdí a crença em mim,
ganhei um coração de vidro!
Tenho muito mais medo da solidão,
do que do perigo!

E lamento a minha covardia.
Nem sempre fui tão fraca!
E esta sua indiferença
é o que me mata!

(Mell Glitter)







Fuga


Estamos Sempre Ajuntando Pedaços, De quando Arrebentamos nossa Cara.

E se uma Ferida Cicatriza, e Sara Desaparecendo até de Nossos Traços,

A Insistência que nos Leva os Passos, Com Queda Nova, logo se Depara

E novamente a Alma vem e Separa Nossos Caquinhos e os Amarra em Laços.

E nestes Laços Sempre, Sempre Deixa, Um Suspiro...uma Súplica...uma Queixa

E a Face Marcada de Profunda Ruga. Mas deixa mais...Deixa Um Intenso Frio.

Deixa um Grande , um Enorme Vazio

De Um Belo Sonho Que Partiu Em Fuga!...


(Jenário de Fátima)





MUDANÇA DE PAIXÃO

FOI UMA RESSACA
ESSE AMOR DE FUMAÇA
PANFLETO DE EMOÇÕES
FOI O GÁS ATINGINDO O ESPAÇO
SUFOCANDO O AVESSO
FOI CONFRONTO DE PARTÍCULAS
DESCOBERTA DO QUE É CÉTICO
FOI DOCE DE HORTELÃ,PURGANTE,
AZEITE DE DENDÊ NO ACARAJÉ APIMENTADO
FOI UM REMONTE DE ACONCHEGADO
OSSO DURO DE ROER
FOI UM QUERER MATANDO A GENTE
FOI A GENTE SEM SE QUERER
FOI COMEÇO DE FIM DE ESTRADA
E AMANDO MATEI VOCÊ
FOI FALTA DE ABRAÇOS FORTES
QUE BRAÇOS SÓ PUDE TER
FOI O REGALO DE FIM DE NOITE
QUE SÓ SE SABE AO AMANHECER
É PRAGA,É VISGO,GROSSO
É TRAÇA,TRAÇANDO A SORTE
É MORTE ,TRAÇANDO O AMOR
É VIDA DA TUA VIDA
NA VIDA DE UM SONHADOR.

FOI.............

Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 08/08/2007
Código do texto: T598521





ARROIO
Dentro de mim nasce um arroio
Que caminha sinuoso
Molha meu bem-querer.
Vence obstáculos,
Supera desafios.
Com seus tentáculos
De bronze.
Inunda fetiches, desejos.
Molha nossos beijos.
Umidece nossos corpos.
Sumos, suor, saliva.
Adere nossas peles,
Pelas sendas da vida.
Vence vales,
Sobe morros.
Desafia a geografia.
Desfia a alegria
De te amar.
Uma hora chega ao destino,
Sensato desatino,
Arroio vira mar,
Intensifica, fortalece,
Enxurrada de amar!...
[gustavo drummond]





As Ruas do Mundo

Andei solitária nas ruas do mundo,
Vi-me refletida no espaço etéreo da luz
Como pássaro sem assas levitei,

Encantada e solitária caminho.
Na visão do infinito
O planeta azul eu abracei...

Sou mulher alada,
Felina, e guerreira...
Solitária caminho

Ao encontro de minha memória astral,
Minha química cósmica,
Reverenciando o altar sagrado da luz

Dora Dimolitsas





O R G I A S "


Entrar dentro de ti
como no mar,

Mergulhar-te
como se fosse a primeira vez,

viajar ao paraíso das algas!
dançar nas ondas !
ferir-me nas rochas!
no odor dos sargaços!


Depois...
da noite do dia,
da orgia dos cansaços

me estenderei no fundo
do fundo mais profundo
de ti e de mim
e
beliscarei a vida.

Luiza Caetano





"FLOR DA ALMA"



Vem desse amor eterno de você
uma canção tangida pelo vento
uma flauta no som do pensamento
que ressoa na alma e não se vê...

Brisa da tarde nos florais do ipê
num cântico de beijos ao relento...
Um feitiço de amor à flor do tempo
que vem sem precisar dizer porque...

Uma canção de ser tão docemente
percebida... Tão leve se pressente
que a gente nem precisa perceber...

Basta ao amor plural de sua vida
saber-se a alma eterna e resumida
na alma de uma flor no alvorecer...


(A Estebanez)



Não mais...

Não serei eu a falar de amor.
Não... Porque tudo me dói,
Tudo sangra dentro do coração.

Amei demais e sentimento
Que parecia alegria
Explodiu errado no peito.
Deixou caos de amargura...

Não direi do amor com o olhar
Sem emoção...
Sem a crença na ternura que
Um dia parecia real...

Não... Também não ouvirei
O amor.
Não me peçam para falar,
Ouvir, nem tão pouco senti-lo...
Não quero...

(Cida Luz)



Tempo

O tempo passa
Veloz como o vento
Buscando procuro
Minha essência.

Mergulho bem fundo
No meu coração
Procuro...procuro...
Não acho solução

E nessa procura
Preciso encontrar
A chama divina
Que habita em mim.

João Pessoa, 05/01/08
Neneca Barbosa

Eu cruzo oceanos?
Não! Dou volta em círculos!
Me afogo agora
na canseira sou...

Tem gente a pensar:
navegadores são incansáveis!

Representações sociais
são tão enfadonhas,
prisionais,
e matam navegadores.


By Tânia Barros




AUTO-RETRATO

Sou minha própria invenção.
Dona da minha vida e medos!
Pedestal da minha alma,
guardiã dos meus segredos!

Sou meu auto-retrato,
meu ego-sistema!
Sou , ora a razão,
ora o problema!

Sou a dúvida que me paira,
a força que me assombra!
Sou meu mito, meu destino,
minha sombra!

Sou a fantasia escondida.
A passarela da saudades.
Sou minhas meias mentiras,
e minhas falsas verdades!

Sou a poesia que não rima,
a rima que não combina!
Sou criança, sou mulher
ou sou menina!

Sou dona do meu nariz,
e escrava do coração!
Palco das minhas dores,
senhora da minha razão!

Nada me define,
nada me completa!
Sou a direção errada
na estrada certa!

(Mell Glitter)




Poema do dia dos Namorados.

Aproveitando a
Aproximação do dia dos
Namorados eu

Deixo-te este Poeminha

Amei-te
Sentindo tua luz que invade
Acelerando meu coração,

Bebendo teus beijos como um
Arco-íris em ação, em explosão.

Sentindo cada cor em movimento
Fazendo-me menina, mulher,

Sem temores na entrega plena
Conheci a vida.
Dora Dimolitsas


PALAVRAS QUE AGONIZAM
NALDOVELHO

Palavras que agonizam
sobre uma folha de papel amassada.
A palavra FUTURO mal respira.
A palavra PERDA se arrasta
e em desespero busca a palavra SAUDADE
que abraçada à palavra NOSTALGIA
numa dobra escura do amasso,
derrama a dor pelo que já não sente.
A palavra LÁGRIMA perdeu significados,
estiagem premeditada do tempo
que transformou em pedra a mão do poeta.
A palavra ES-PE-RAN-ÇA, triturada,
e sua seiva a criar corredeiras,
trilhas aleatórias que vão dar em lugar algum.
A palavra NATUREZA, sufocada pela fumaça,
sangra acinzentado e gosmento,
já não consegue fazer brotar o verso
e exala seu odor de morte.
A palavra AMOR, pelo desuso,
ou pelo mau uso, pulverizada!
Poeira espalhada, perdeu força,
já não consegue mais nada.

Em cima da mesa,
ao lado da folha de papel amassada,
um livro aberto, ri debochado.
Nele, palavras, outras, festejam a matança.
As palavras: GUERRA, ÓDIO, RANCOR e VIOLÊNCIA
riem debochadamente.
A palavra PROGRESSO se vê como definitiva,
acha que é um sucesso,
e não há como voltar atrás.
A palavra PODER, quer fazer crer quê:
assim o é, humildemente!
O título do livro?
O HOMEM
Ah a palavra HOMEM!
Não conheço nenhuma outra
de significados tão incoerentes.




Novo Fundo
Somos terra, sol, água, vegetação.

Contos orais, oração.

Guerreiros do cotidiano,
sobreviventes de
dilúvios, holocaustos...

Somos o que mescla o sangue
com o tambor das horas,
das Eras...

E somos as sobras
do passado,
ruídos sem melodia,
e a esperança do trigo
em meio ao joio...

Em torno do globo,
a nova terra,
o novo mundo,
em meio a Guerra,
o novo sangue
e batuque...

O som de asas,
o espírito
latente...
tente tente
nova trova,
Trovão...



Tânia Barros




coração da amada

hoje vim te falar das andorinhas
de um céu tão luminoso e vasto e puro
que mais parece uma aquarela em blue.
É um céu de monet, de telas provençais
me lembra outro tempo e outros quintais...
hoje vim te falar de rosas e alecrins,
cheirando no jardim, espesso aroma
que invade a minha rede na varanda
e me inebria como um vinho precioso.
Vim te falar de amor, do eterno tema amoroso
dos namorados, amantes perdulários
gastando fortunas em diamantes
quando uma rosa apenas, fresca e orvalhada,
sobejamente faz pulsar o coração da amada!

((By £una))




Poemas de Jadiceli Dantas
SONATA SEM LUAR
©Jade Dantas


E afinal, debruçadas no tempo
de horizontes encobertos,
complacentes,

ficaram as ternuras.

As lembranças, sobreviventes
como brumas.
Como ondas, indo e voltando,

Suaves aromas.

Ficaram, adoçando a vida,
iluminando o silêncio.
Sonatas, sem luar.




"ASSIM NOS CÉUS"

A memória de um jarro,
a etérea flor,
o piano
em dedos de sonho tocando:
um triste noturno ou, quem sabe,
um mais que eterno romance.
Assim nos céus,
À pálida luz de uma lua
ou de velas bruxuleando,
espectros,
irredimíveis ébrios de amor,
em alcovas de nuvens
dançando.

(Fernando Campanella)



REFLEXOS
©Jade Dantas


Observa, amado meu, a esse espanto
da lua, de olho grande no horizonte,
ao ver que a lembrança tua

trazida a mim pelo vento
que sobe e acende o luar,
vem trazendo este poema

até meus olhos sem nuvens
e depois colhe as estrelas
que refletem ao te lembrar.





ENTRE PARÊNTESES

Minha vida não é tua
nem é minha tua vida...
Somos partes
fragmentadas
de uma ânfora
partida.

Não são tuas minhas liras
nem tuas liras são minhas...
Ocultamos
a alma nua
na paráfrase
das linhas.

Tuas mágoas não são minhas
minhas mágoas não são tuas...
Somos os lados
dessas calçadas
desencontradas
das ruas.

Por mim não te desesperas
nem por ti eu me desatino...
Somos apenas
os parênteses
de uma linha
do destino.

**A. Estebanez **



REQUIESCAT

De meu mar, ofereço-te as ondas
e as poéticas conchas
que minhas praias te trazem
Tais suaves mistérios te concedo,
mais as algas, e as gaivotas
que bicam tecidos de luz na tarde.

Povoados de ti, de mim,
os barcos que chegam e ardem.

Adere-te, pois, ao sal que e mim te chama,
molha teus pés em espuma e encanto,
cobre teu rosto
nas claras águas que o dia me abre.

(Sosseguem, minhas dorsais;
Descanse meu leviatã escuso.)

Fernando Campanella



"CANTO A CESÁRIA ÉVORA"
Passam tão lentas as horas
cheias de minutos descalços
como quem chora na Ilha
um morno canto de Sôdade,

Canto negro, doído
voz - liberdade, autêntico!

escuto-te por entre o vento
árido!quente e verde do Cabo

Mornas e Coladeras
tristes, negras dolentes

Passam tão lentas as horas
do canto que nos encanta

Cesária que não és de Évora
nem tua Ilha é verde

Apenas a tua voz
é quente como a SÔDADE

LuizaCaetano




Blues excitante

Quero seus beijos
Ousado
Seja impetuoso
Amoroso faminto
Intenso
Ativo ávido
Quero seu amor
Encanta-me!
Sou uma bruxa faminta
Uma fada
Ou anjo demônio?
Sou impetuosa
Apaixonada
Por um blues uma voz
Sedutora, que me conduza
Romântica eu danço
Amo um ritmo excitante
Quero seus sussurros
Na hora da musica tocar
Você não vai dançar.
Só vai olhar
Beijando lentamente.
Olhando ansioso
Agora!
Quero-te
Amo-te
Acenda a vela
Não abra a janela
A vida foi feita pra amar
E aproveitar, e ser feliz....

**Marina Nunes **



Caminhos do sol e da lua!

A mulher desabrochou...
Vem de um vôo libertário!
Onde aterrissou com pés humanos.
No pouso, já trouxe novos valores.

Astro feminino como a lua,
surge inconstante em suas fases.
Abrindo o cardíaco para suas emoções,
aceita novos conceitos como natural.

No calor abrasivo desse corpo,
responde ao fogo da paixão.
Saudando a natureza instintiva
que se revela como os raios do sol.

Nos caminhos do sol e da lua,
a missão é viver plenamente.
Reacender sentidos adormecidos,
que o tempo se encarregou de trazer.

Nessa abertura que mexeu em seu “Hara”,
essa mulher espelha charme e beleza.
Tem o prazer dos sorrisos abertos...
Desabrocha: desinibida, fogosa e atrevida.

É uma nova mulher!

Mônica Galdino, 22.02.2008.




SONETO DA CANÇÃO REPOUSADA

Eu devo acontecer como acontece a noite
em teu corpo de rosas repousado em mim.
Os ventos passarão calados sem pernoite
e a noite transformada em relva no jardim.

A voz da chuva não será nem leve açoite
pois velarei teu sonho como um querubim.
Então te lembrarás de mim: o tempo foi-te
passando e de saudade fui ficando assim...

De olhos abertos para a noite remansosa
entre os vestidos da lembrança vagarosa
que ainda repousa no silêncio da canção...

Eu devo acontecer como acontece a flor
renascida das cinzas da canção de amor
que guardo nas ribaltas do meu coração...

A. Estebanez




Tudo!

Não desejo ser o último Samurai
mas o primeiro bobo!
Não espezinho formigas
para não ser pisado por um elefante
e em um rompante,
perder toda a coragem!
Mas queria ser amigo do Samurai
e virar seu ídolo
deitar-me ao formigueiro
e não ser mordido
e calmo e manso e tudo
ser um beija-flor
e o mundo, beijar profundo,
transformar uma flor,
sentir que um grande amor
pode ser tudo!

Paulino Vergetti Neto





Barreiras do Infinito



É rio e mar, é vida e morte, é céu e inferno,
É sentimento inútil, néscio e odierno,
Fragmentando os corações tão afligidos,
Limbo do amor fatal, desmaio dos sentidos.

Sepulcro das lembranças que não vivem mais,
Nos nossos lábios, ao invés de beijos, ais...
Morreu em nós, tudo que foi um dia, vida.
Nos destroçamos, numa contenda sem guarida.

Não tivemos certeza do que estava escrito...
Cada qual perdeu-se no meio do caminho...
- Ai desdita insana de se ficar sozinho! -

Querer, não ter, saber que se desaprendeu
Da forma de amar... porque esse amor morreu?
Alçamos vôo, sem ter direito ao infinito...

Mírian Warttusch




Trigais Maduros

Solitárias passaram-se as estações
Nunca encontros, sempre despedidas
Muitas vezes amadureceram os trigais
Até que chegastes em minha vida.

Vem! Tem um lugar em meu peito
Uma poltrona em frente à lareira
Amor com cheiro de pão fresquinho
Gosto de maçã, som de cachoeira.

Amor margarida, abelha, beija-flor
Um carinho como nunca tivestes:
De ternura infinita...é o meu amor!

Vem! Pois se anuncia a nova estação
E já de novo se cobre de dourado
Nos campos de trigo o delgado grão.

(Lenise Marques)




Uma canção para você...

Fiz uma canção para você,
Ainda não coloquei no papel,
Esta em meus pensamentos...
É uma canção para embalar seus sonhos.

Imagino-me cantando-a para você,
Enche a alma de paz, é linda!
Comecei a compor antes mesmo,
De conhecer-te...
Mas foi quando vi seus olhos,
Que comecei a entoá-la dentro de mim.

A canção é sua como prova,
Do meu amor eterno.
Irei escrevê-la em um papel perfumado,
E entregá-la a você...
Para que assim você possa canta-la também.


(Valquíria Cordeiro)






FOGO BRANDO

A muito...
Quase apagado
Um tanto ofuscado
Por falta de combustão.

Esse fogo brando
Que só resta centelhas
De uma antiga paixão

Sendo renovado
Através de faíscas
De uma nova sensação

O brilho dos olhos
Reflete a claridade
De tanta felicidade
Que trago no coração

Tornando se brasa
Uma chama quase
Apagada, iluminada
Por uma nova paixão

Flávio Cardoso Reis


SERIAS TU?
Neuza Maria Spinola


Serias tu, o amor?
Surgiste na minha vida,
Com doze rosas e lindas margaridas;
Num bouquet de mil sentimentos,
Coisas que surgem de mil pensamentos,
Emoções transmitidas por arrebatamentos.

Serias tu, o amor?
Fizeste de luz a minha vida,
Agora colorida, simplesmente revivida;
Tens o coração à flor do meu versejo,
Tens no gosto, o calor do meu desejo,
Tudo em ti, tem a forma doce de um beijo!

Serias tu, o amor?
De mãos dadas, pela rua quieta, porém,
Na fria noite, onde não passa ninguém,
Devagarinho, ar fresco, perfumes de jasmim,
Lua alegre, olhares brilhantes, um lindo jardim,
E uma braçada de rosas para mim!

Serias tu, o amor?
Transmites luz aos olhos e à alma também,
Soubeste ver o que só no sonho os olhos vêem;
No amor, o que vem pelo olhar é o principal,
Olhos de amor, cujas pálpebras sofridas,
Procuram espelhar todo o amor que queres desta vida!




SUBLIME VALSA

VENTANIA,
ESPAÇO ENCOBERTO
ENTRANDO PELOS PÓROS
EM SUAVES ARREPIOS
PLENITUDE , ALEGRIA
PAIXÃO, ONDE ESCONDIDA
ME ENCAIXO,
E VIAJO NO TEMPO ,
PELOS ASTROS.
DEITO-ME
NA ESTRELA MAIS BELA
SORRIO AO SOM DESTE VENTO
QUE NA SUBLIME VALSA
CONDUZ-ME VIVA
PAIXÃO INCONTIDA.
SOU SININHO,
A FADA FLORIDA
A ESPERA
DO MEU PETER PAN
AGORA, POSSO SER
QUEM EU QUIZER
PORQUE SOU MULHER.

CASSIA DA ROVARE





Podia esquecer tudo o que me disseste, ouvir
o canto do pássaro que passou nesta sala,
respirar o perfume do jardim que entra pela
janela, olhar para fora de mim, para aquilo
a que chamam o mundo. No entanto, o que
tenho pela frente são as lembranças que
procurei esquecer, a imagem de que não me
libertarei, a voz que ecoa na minha
memória, dizendo o nome tantas vezes
murmurado. E encosto-me a este instante,
contando o tempo que falta para que a
luz desapareça, e a noite me traga
o silêncio de onde nascem os sonhos.

(Nuno Judice)



Acróstico


O Inverno Chegou

O céu estava alaranjado, vento soprava forte,

I nvestia contra todos que se encontravam nas ruas,
N ada conseguia aplacar sua fúria, tentei correr,
V irei-me de lado para melhorar o andar, proteger, o corpo,
E ra difícil naquele descampado, o frio era intenso, neve caía
R azoavelmente sobre nossas cabeças, gélidas, doíam os ossos,
N unca vira tempo tão fio como aquele,
O s olhos lacrimejantes choravam amor perdido!

C aminhei cambaleando, tentando me amparar,
H avia a tristeza nas minhas costas, pesava,
E nchia os sapatos da neve caída, não me desvencilhava da dor,
G ota a gota ia sorvendo amargamente, o frio intenso do inverno
O céu triste, meu amor que perdi havia sido sepultado,
U ma cova rasa, fria, gélida como aquele inverno que chegou!

Marta Peres




QUE TUA NOITE SEJA DE PAZ


Não sou mais do que senão
uma peça de xadrez no jogo da vida
sou uma ínfima partícula do pensar real
vivo no sonho, no inimaginável
sempre me esquivo da minha realidade
tenho que ser assim, viver assim...
senão a própria vida já teria invariávelmente
me dado um xeque-mate.

Rosane Silveira
(proteja os direitos autorais)


Noite Alta
As estrelas se movem no céu,
Minha cabeça que gira e gira

Poesia, sonho, quimera,
fantasia, dúvida, vontade
Meus eus verídicos
teus eus líricos
eu,você
Mentira,verdade
rimas íntimas da saudade.


E minha cabeça que gira, gira
Hora avançada
Nao deveria.
Não deveria.,
Um entorpecimento leve.

O medo do pesadelo que me assusta
e que se vai assim que dele desperto
me ouvindo chamar por você

Karla Julia





SONETO DO QUE ME DESTE

De tudo que me deste
Guardei todos os medos
Guardei tua carência
E todos os segredos

De tudo que me deste
Guardei toda amplitude
Os teus olhares vagos...
Também teus gestos rudes

Guardei os desabores
E os tantos desamores
Guardei as nostalgias
E tuas noites frias

Por fim, guardei tuas dores.
Guardei você em mim, até o nosso fim!
(Adriano Hungaro)




SEU NOME É SAUDADE


Aquele doce sentir,
do que um dia nos deu felicidade,
não é dor que está por vir,
pois seu nome é saudade...
Até mesmo aquele amor,
que achávamos definitivo,
quando se vai,
de nosso coração, se esvai,
deixando uma doce recordação
que até faz bem ao coração...
Melhor poder lembrar
de um amor vivido,
do que apenas imaginar
o que jamais foi sentido...

**Marcial Salaverry **


OLHEI PRA LUA...

Hoje olhei pra lua
E falei...há como amei
Há como te encantei!

Há como queria te amar
Outra vez...como queria
Te beijar,nos teus braços

Ficar outra vez... leva lua
Noticias minhas,diga volta
Ela ainda te quer,e como quer!


(Zia Marinho)



Apenas um Sonho

Seu amor fez caminho
Em meu coração.
Desnudou inseguranças,
Motivou a alegria...
Fez-me feliz.

Abracei sua ternura
Que tão bem se encaixava
Em meus dias, momentos
E lembranças...

Deixei sorriso solto
Na saudade, pois sabia
Da sua existência,
Da certeza de um novo
Encontro a cada amanhecer...

E foi nessa doce ilusão
Que entreguei meu sentimento
Tímido...
Libertei a euforia enamorada
Por gestos, versos, canções...

Hoje são recordações na memória
De quem amou demais...
De quem acreditou em um sonho
Impossível que se perdeu
No sopro do vento da desilusão...

(Cida Luz)



“Meus versos...”

Deixarei meus versos impressos,
Na sua alma como digitais...
Usarei as palavras certas,
E você não esquecerá jamais.

Com a sonoridade da minha voz,
Cheia de delicadeza e calor,
Você ouvirá meus versos...
Meus versos de amor!

E com o toque das minhas mãos,
Sentira meus versos penetrando,
Sua pele máscula e perfumada.
E eu apaixonada...

Farei novos versos para você.
((Valquíria Cordeiro))



SEM VOCÊ...

Mil versos cantarei, se preciso for,
Aos quatro cantos, teu nome gritarei,
És a razão da minha vida, meu amor,
Sem ti é um vazio, não mais viverei,

Tudo perde a graça, nem a luz do luar,
A luz, o escuro se torna, cego estou,
És o fulgor, minha vida encantar,
Oh! Amada minha, volte, por favor.

Choro sempre tua falta, noite e dia,
Lagrimas já não tenho, para enxugar,
Penso em você ao meu lado, que bom seria,

Reviver o tempo; beija-la e amar,
Sentir teu corpo ardente, até faria,
Loucuras de amor em qualquer lugar.

Poeta Mineiro





PÉ NA ESTRADA

Dei um passo para trás,
e andei dois para frente!
Fiz a curva, andei reto,
fiz atalho diferente!

Pulei cercas, escalei muros,
dei nó em ponta d'água!
Quanto mais invento moda
mas minha vida desaba!

Nos caminhos sinuosos
evitei tentar passar!
Mas foi na retidão da vida,
que ví tudo embolar!

A vida é armadilha!
Ora entorta, ora acerta!
Se pego o caminho errado,
me vejo pisando em pedra!

Olhar prá trás nem pensar!
Posso bater de encontro ao muro!
Nada sinaliza o caminho certo,
nada ensina o que é seguro!

E vou sendo bailarina
dançando no palco da vida!
Se tá cinza dou um jeito
de deixar mais colorida!

O futuro a Deus pertence!
E a mim, o que me resta?
Vou andar na corda bamba,
devagar , sem muita pressa!

Quem sabe a melhor direção
esteja no pior caminho!
Repleto de belas flores,
e entre elas, o espinho!

Mas minh'alma é companheira
e segue junto comigo!
Posso até perder o rumo,
mas depois levanto e sigo!

(Mell Glitter)



DESPEDIDA

perdão amor por ter te amado
mesmo que este amor tenha te incomodado
perdão amor!
pelos momentos que passamos...
por ter bebido em tua boca todos os beijos...
e dos teus braços ter roubado todos os abraços
te peço perdão!
Te deixo agora a tristeza profunda
calma..dos que aceitam e sabem perder...
E te falo do grande afeto que te dei!
E só te peço que deixes meu olhar pousar
no teu e te dizer, pela ultima vez
do grande amor que vivi!
E quando estiveres triste, triste de não ter jeito...
lembra-te que um dia estive contigo e como
um vento passei...suave...meiga...levando apenas
a saudade e o coração vencido...
Adeus amor, meu mais doce desejo...minha amargura..
e como num patético tormento vou levando em
cada instante, o sofrimento!
E se mais tarde tua saudade for Saudade de não ter jeito,
te deixo na lembrança minhas carícias....
o perfume do meu sorriso...das divinas noites que
te acalentei!

Celina Vasques




ilusões

como o poeta que escreve na areia,
versos que o mar encobre sem demora,
como o forte raio que o céu braseia,
clareando o espaço e indo logo embora.

como a vela branca que dança e ondeia,
desaparecendo oceano afora
tal qual arco-iris que no olhar tonteia
e em breve instante se esvai, descolora.

as ilusões são sempre deste jeito,
ficam breve tempo, mas logo se soltam
de esperança tomam e enchem o peito

e os nossos sonhos protegem, escoltam
mas sem que ninguem possa entender direito
vão se quase sempre e nunca mais voltam

©jenário de fatima.






É ASSIM

Quando vi em mim,
Refletir o belo.
O aroma no espelho,
O sabor no céu.
Toque de classe.
Foi que dei conta, enfim.
Estar te amando,
Tanto, tanto.
No entanto
Queria te dizer.
Quero mais amar,
Como a amplidão do mar.
Como acordar da flor.
O brotar da luz-manhã.
Te quero nem que seja breve,
Um efêmero eterno.
Tão doce e terno.
Seus dengos, manhas.
Hábitos, lábios.
Vem, me assanha.
Invade minha privacidade.
Posseira mais bonita.
Grito que grita,
E não quer calar.
Coração que transpira;
Te admira.
Seu encanto é muito.
Só quero te amar
Por esta vida á fora,
Por este instante apenas.
A face cora,
Imagens, cenas.
E te espero agora,
Nada mais quero,
Só voce me basta,
Minha impura casta
Senhora do meu gostar!...




DESASSOSSEGO
©Jade Dantas

Há um pouco de mim
em cada espaço onde me perco,
depois renasço onde me acho.

Recrio-me, a cada dia, na leitura,
no ballet, na arquitetura. E me divido,
mais tarde, na poesia.

Pedaços dos meus sonhos, deixei soltos
nas nuvens, ao saltar de pára-quedas
e tentar espelhar-me no mar.

Só nunca soube de onde veio
este desassossego que me impele
a sonhar, a cultivar palavras.

Tão efêmera é a canção
que espalho.





ROSAS DE SAROM



Toma posse dos frutos do teu amor
ainda na tenra idade, como quem colhe
as rosas que primeiro desabrocharam
na orla do teu jardim...

Toma posse dos frutos da esperança
como o fazem os jardineiros de Sarom
que aguardam a floração das rosas
entre as sarças do Hebrom...

Toma posse dos frutos de teus sonhos
ainda que estejam verdes, como as aves
retomam entre os ciprestes do deserto
o seu ninho de esmeraldas...

Toma posse dos frutos de teu perdão
antes que seja tarde, como os pássaros
que reconstroem seu último refúgio
entre as pedras atiradas...

Toma posse de tuas ocasiões perdidas
mesmo que nunca reencontradas
como o fazem os lírios dos campos
que não precisam de nada...

Toma posse de teus ingênuos devaneios
como as rosas de sarom o resplendor
e dos botões-de-ouro de teus seios
nas dunas do teu formoso amor!

A. Estebanez







"Fugas e Perdas"




Meu vício é ser feliz
em meus pedaços de mim,
catando neles os meus versos
arredios que tanto fogem
do meu peito, essa estrada,
construí para meu coração morar:

Cato neles minhas perdas registradas,
qualquer amor que me abandone,
qualquer dor que me sufoque
mas que machuque e vá embora.

Meu vício é achar-me na dor alheia,
clausura dos meus sentimentos
onde meus versos sabem,
moram todos os meus lamentos:
as perdas das fugas da dor do mundo...

(Paulino Vergetti)



DESTINO DE RIO
©Jade Dantas

Era a vida passando.
Dias, noites deixando marcas
por paisagens e pontes

a nos levar. Eram a sombra e a solidão
nos meus caminhos
até a beleza do teu canto me encontrar.

Poemas, teu corpo de oceano
e a certeza de destino daquele rio
que encontra o mar.

Invisível teia a nos conduzir
um ao outro. Hoje, nem consigo imaginar
se nunca nos houvéssemos encontrado.



Amar sem esperar ser amado. Doar-se sem esperar doação. Dar sem esperar receber. Seguindo o Mestre Jesus e ensinando aos filhos a não terem vergonha de amar seu próximo, essa é a meta. (Marcelo Mourão)




“Poesia, sem dicionário”

Desde o tempo de criança, que amo a poesia
Me encantava com os versos, e quase nada entendia
Eram palavras dificieis, pra quem tinha poucos anos
Lia aqueles lindos versos, que as vezes me confundia
Com dicionário ao lado, sempre as palavras procurando
Coração dilacerado, era rasgado e em pedaços
Com alma a contristar, era alguém triste demais
E se você é tolhido, é impedido dos seus passos
Nem sabia que lítio, era da família dos metais
Eu dizia sempre assim: um dia vou ser poeta
Escreverei de um modo que as crianças entendam
Que leiam poesia, de uma forma correta
Sem confundir as palavras, que leiam e compreendam
E hoje estou aqui, escrevendo desta forma
Quero que as crianças entendam a mágica da poesia
Sem precisar dicionário, sem fazer nenhuma reforma
Com palavras do dia a dia, poesia é encanto e fantasia.

Jane Rossi





SONETO DO QUE ME DESTE

De tudo que me deste
Guardei todos os medos
Guardei tua carência
E todos os segredos

De tudo que me deste
Guardei toda amplitude
Os teus olhares vagos...
Também teus gestos rudes

Guardei os desabores
E os tantos desamores
Guardei as nostalgias
E tuas noites frias

Por fim, guardei tuas dores.
Guardei você em mim, até o nosso fim!
(Adriano Hungaro)





Lavas!



O peso da culpa me esmaga,
Culpa de que? Culpa de nada,
Mas mesmo assim sinto o peso da cruz,
Sinto meu corpo em chagas, em pus!

Não tenho culpa, mas não adianta negar,
Vejo isso em teu olhar,
Não precisa me acusar,
Basta me olhar assim e nada me falar!

A mão que não se estende,
A boca que não defende,
Gestos que se contradizem,
Frases que nada dizem!

Não tenho mais defesa,
A fogueira já foi acesa,
E como as bruxas do passado,
E já estou sendo fritado!

Mas, engana-se que crê que estou vencido,
Sou vulcão adormecido,
Só me basta acordar,
Pra muita lava rolar!


Santaroza



UM AMOR ESPECIAL..

Um amor Especial,
é aquele que mexe com o coração,
sem despertar uma quente paixão...
É um amor feito de carinho,
de chamego e denguinho...
Esse amor, na verdade,
é uma quente amizade,
que apenas traz felicidade,
sem ter aquela necessidade
de um envolvimento maior...
É um doce sentimento,
que pode existir no pensamento...
Quer simplesmente sentir
que não se está a fingir...
É tão Especial esse amor,
que não diferencia idade e nem cor...
Apenas pede reciprocidade,
e muita sinceridade...
Ao encontrar esse amor Especial,
não o trate mal...
Merece sinceros abraços,
sentir o calor de teus braços...
Trate-o bem,
e será bem tratado também...

Marcial Salaverry



Aplausos pra Ti

Eu não aplaudo a fama
Eu aplaudo a beleza
Não quero saber
De bagagem
Na hora do ato
Eu aplaudo a grandeza do espetáculo


O tamanho
Para mim
Vem da essência da entrega
Da capacidade de iluminar toda a platéia
Com um simples piscar
De palavras


Assim eu gosto de sentir o espetáculo
O grande artista
Para mim
Leva a bagagem na sua alma
E quando as cortinas se abrem
Ai sim
Conheceremos a força do seu encanto


Glórinha Anchieta - GG
25/05/2008

Essa poesia eu fiz em homenagem a um amigo que aniversaria hoje, conheci o seu trabalho há pouco tempo,
e mesmo ele tendo a necessário bagagem para ser reconhecido lá fora, ele possui a que para mim importa, ele é encantador das platéias com sua entrega total a arte.





Meu Céu

Meu céu é o mais lindo que há!
São poucas as suas estrelas
e piscam sorrindo, felizes, contentes,
meu céu brilha iluminando
enchendo de beleza sem ofuscar.
Tenho do mundo o que quero!
Sinto arder no peito a ilusão,
sonho, renovo a esperança
em todo momento da vida,
dentro do meu coração ela se abre
em flor que carrega de força,
re-carrega todos os dias.
Minhas lágrimas são doces,
suaves, não me perco pela vida,
admiro as rosas, não uso arma
de qualquer espécie a não ser meu
sorriso, minha vontade de vencer
tendo todos à minha volta vencedores.
Dentro de mim há uma luz que brilha,
sorri de contentamento,
em todos os momentos,
é o amor que derramo da alma.

Marta Peres



Floresça em Mim

Ai que grande responsabilidade
pesa sobre mim, me devotares um amor
tão de semelha a tudo que de
mais lindo existe.
Que me beijes como beijariam
as flores todos os
beija-flores,
que me acaricies como se
asas de mil borboletas
me tocassem por inteiro, e faças
de minha vida um sonho
colorido de tantos arco-íris,
gerados da alegria de
uma chuva benfazeja sobre toda a
nossa natureza incontida.
Não, não poderia jamais te permitir,
após esta declaração, que fosses
como um vidro frio, tinto de
nanquim, mas me
sentiria no dever de também
dar cor e sentido novamente à tua vida,
e que não seja eu a causadora
de uma dor que não
almejo para mim.
Permito-te deixar tua natureza
brotar gloriosamente por entre as entranhas do
teu inconfessado amor, pois juro-te:
não te sou indiferente!
-

Mírian Warttusch







"REQUIESCAT"



De meu mar, ofereço-te as ondas
e as praias que poéticas conchas te trazem.
Tais suaves mistérios te concedo, mais as algas
e as gaivotas que bicam tecidos de luz na tarde.
Povoados de ti, de mim,
os barcos que chegam e ardem.
Adere-te, pois, ao sal que a mim te chama,
cobre teus pés em espuma e encanto,
molha teu rosto
nas claras águas que o dia me abre.

(Sosseguem , minhas dorsais,
descanse, meu leviatã escuso).


(Fernando Campanella)





Deixa pra lá

Se quiser brigar
Deixa pra lá
Se quiser chorar
Chora não
Deixa pra lá
Se tiver mágoas
Guarde não
Deixa pra lá
Se quiser agredir
Em palavras ou ações
Faça isso não
Deixa pra lá
Se tiver que pensar
No passado
Pense mas
Como um caminho
Que percorreu
E só aprendeu
Mas se for
Pra ficar triste
Pense não
Deixa pra lá
Se quiser amar
Vá em frente
Deixe pra lá não
Satisfaça seu coração...

Anjopoesia




R O S A.. .

Sozinha entre dezenas de flores
Quão solitária na sua dor...
Somente o orvalho dela se apega,
Nas noites longas... Frias... Chuvoso

Vive sozinha, chora!
Dela ninguém se apercebe,
Somente o doce orvalho consegue...
Fazê-la viver... Oh' rosa de amor

Que perfeição! Perfil de pétalas,
Que inimidade... Tua vida imensa,
Sozinha entre rubentes flores
Ela é a mais meiga rosa de amor

Em longo talo vive da aurora
De pétala em pétala... Transforma-se
De longo limbo, e largo pecíolo
Enfim é rosa... Rosa de amor assim!

(01/1970)
Berioliveira






Amor luzidio

Perseguia-te o dote de amor.
Tua alma, que de todo pura
Flanava sem alcance
Para a minha maresia
de tão pouca levedura.

Ah! Este luzir abstruso
Esta saudade sulcada
como nos campos dourados
A preparada semeadura.

Ah! Este ciúme, que como
O negrume do céu, liberta-se
No temporal que já habitava
O meu sonho avaro.

Era como trigais da umidade
Que se lançavam desde as alturas
Para lavar homens errantes
Parvos, sentenças perdidas
Sobre a terra vazia.

E chovia pleno, chovia como o pranto
Que se assomava em meus olhos
Em todos os meus desencantos
Para renascer em ti, o rebento
Como se fosse um novo amor
Ou a presença derradeira da poesia.

Ricardo Reis





Desaparecidos

Há uma dor
Um vazio
Uma espera interminável
Uma busca incessante
Um grito preso na garganta
Uma ferida no peito que não fecha

Há muita amargura
No coração de todo aquele
Que um dia
Ao olhar para o lado
Viu que ali não estava
Um fruto seu

Dolorida palavra
Para expressar tamanha angústia
Que maltrata tantos corações
Gerando a aflição de uma eterna busca
Por um filho
Um companheiro
Um pai
Um irmão
Desaparecido no mundo

Porém no peito
Nunca morre a esperança
De um reencontro
Porque quem ama
Pode desaparecer no caminho
Mas jamais no coração


Glórinha Anchieta – GG
Tarde de outono




Caso pensado

Meus olhos estão tão cansados
Já não quero mais chorar
Quero desabafar quero bom senso
Nada pode mudar minha opinião
Quero um amor íntegro e verdadeiro
Por favor, não emudeça!
Não zombas não usa subterfúgios
Que intimidam e deixam suspeitas
Minha alma tem receios
Meu espírito ver fantasmas
Se quiseres usa coragem se abre!
Não faz pouco caso do meu amor!
Permita-me fazer uma pergunta
Ainda me amas, ou me enganas?
Olha presta bem a atenção!
Quero fazer valer tudo que sinto
Caso contrario vou partir adeus...
Autor: Marina Nunes:




" Palavras não voltam..."

Palavras que machucam
Sem motivos,
Ferem sem compaixão...
Um instante de insanidade
Ofuscando luz que cintilava...

Palavras não voltam...
Ecoam na mente.
Sino e seu badalo...
Lágrimas e remorso.

Perdão não se faz aliado
Diante de atitudes que magoam.
O tempo pede passagem...

Estancar a dor.
Cicatrizar a ferida.
Refazer caminho
Em cima do que restou.

(Cida Luz)



Sonho o Teu Amor

Na penumbra que envolve
o vazio de minha alma
adormeço e sonho contigo
com o teu amor ...

Sinto a tua mão quente
acariciando minha pele
seus lábios desejosos
beijando os meus...

Sonho você aqui comigo!
sua voz calma e doce
acalmando a tempestade
de minhas vontades...

Queria não lembrar você
esquecer a ânsia que sinto
de ter teus carinhos, teu cheiro
afagando meus desejos

Queria, num suspiro
adormecer com a brisa
acordar espreguiçando
sem sonhar o teu amor...

(Van Albuquerque)




“Cara metade...”

...E se a tristeza chega do nada,
Eu que sou apaixonada...
Levo-te alegrias.

Quando percebo traço de preocupação,
Sigo tão somente meu coração...
E faço-me calmaria.

Se os momentos trazem a você saudades,
Revisto-me de felicidades...
Perfumando seus dias.

Você é minha parte mais bonita,
Eu sou sua metade favorita...
Completamos um ao outro,
Numa doce sintonia...

(Valquíria Cordeiro))




PASSOS

Passo á passo,
Passo o passado
á limpo.
No garimpo
Da minha história;
Percorri minha memória,
num canto esquecida.
Tantos pecados,
Frágeis amores.
Tanto tempo
Desperdiçado
com gente e coisas
que não valiam á pena.
Meu alento
É o vento que senti,
A parte que vivi;
Sem omissão.
Que não ficou em branco,
pois a preenchi.
O amor real,
Jardim encantado,
Tesouro da juventude.
A fruta madura.
A via sacra
A via láctea.
Carne fraca,
Caráter firme..
Erros que cometi,
Vitórias que busquei,
O que veio, vi, venci.
As sementes que semeei.
Versos adversos,
Atos dispersos.
Verbos intransitivos.
Uns poucos adjetivos.
Passo á passo,
Passarei
Passará.
Poeira fulgáz.
Deus dará
O veio da PAZ!...
[gustavo drummond]



Valor da Amizade

Caminhando a sós pela vida
Açoitados pelos vendavais
Encontramos uma saída
Não percamos a fé jamais.

Surge em nossa caminhada
Um companheiro a dar a mão
Livrando-nos da enxurrada
Que assolou o nosso chão.

Com seu olhar sereno
Infundindo-nos confiança
Sentiremo-nos pleno
Em paz e com esperança.

O tesouro da amizade
É sublime sentimento
É o clarim da afinidade
Ecoando nesse momento.

Cultivemos a amizade
Regando a cada dia
Com amor, sinceridade
São amigos em sintonia.

João Pessoa, 25/05/08
Neneca Barbosa



Flor

Flor
Beleza sem igual
Presente especial
Forma verbal
De mostrar
Um sentimento
De amizade
Amor ou Paixão
Carinho em palta
Pra alguem
Que vive e mora
Em nosso coração

Anjopoesia



Preciso de você...

Chegaste meu amor...
Que bom que chegaste!
A vida sem você perde o calor,
Aqui sem você ficou muito frio,
E um imenso vazio que deixaste,
Dentro de mim,
Tomou conta...
Ficou um vazio imenso,
E um frio intenso sem você aqui.

Mas foi bom!
Foi bom porque agora tenho certeza,
Que sem você tudo se torna muito triste.
Tudo pode acontecer...
Mas alegria em mim,
Sem você não existe.

Ah! Meu amor...
Preciso da sua presença,
E dos carinhos seus...
Necessito dos seus olhos,
Olhando os meus.
Então te peço!
Nunca me digas adeus...

Preciso de você.

((Valquíria Cordeiro))




“Sentir você...”

Tocar nas estrelas pensando em você,
Amar-te tanto sem mesmo entender...

Imaginar seu sorriso, ouvir sua voz.
Sentir seu abraço e imaginar nos dois...

Guardar um pouco do vento,
Só pra sentir o seu perfume...
Correr na chuva imaginado um encontro.

E de repente perceber que você,
Sempre esteve dentro de mim...

((Valquíria Cordeiro))



BIOPOESIA

Que minhas preces possam...
ao menos atravessar o teto do meu quarto,
Que os sonhos que tive possam...
ao menos se tatearem com cores de realidade,
Que meu clamor possa...
ser menos doloroso que as dores de um parto,
Que minhas palavras possam...
não se desdizerem quando confrontadas com a verdade.

As verdades cegas,
Os absurdos caros,
Os desejos piegas,
A piedade rara.

As incertezas que de tão certas, soam como jurisprudências,
E quando algo resta, resta pouco,
Pois implantaram o tempo em minha consciência,
Que é de um louco.

Não deveríamos dividir as horas,
E muito menos os dias,
Pois nunca é a hora certa de ir embora,
E ainda querer que rias...

Rir de que... Da fome,
Deixem os bêbados rirem,
Quando o pão não é digno do homem,
É melhor que a vida lhe tirem...

Quando a terra chora,
Ela chora por morte,
Se não tens mais a utopia,
Contenta-te com um pouco de sorte.
Sérgio Ildefonso 25.05.2008
Copyright by Sérgio Ildefonso 2008 © Todos os Direitos Reservados


NAMORANDO

Quero
Um abraço caliente,
Um cheiro no pescoço,
As mãos salientes,
Um beijo saboroso.....
Desejo
Horas de muito prazer
Momentos de satisfação
Tempo de bem querer
Tocando o coração
Você
Meu amado e amigo
Sempre me dando alegria
Te quero sempre comigo
Rindo e fazendo folia.

Kedma O'liver - o anjo KM




Morna paisagem

a janela emoldura a vida
para alem das paredes da casa.
o cenário se pretende
como uma pintura
uma imagem
tomada sob a luz outonal.

zune o vapor na tarde tépida.
impressionismo, movimento brando.
a paisagem é composta de traços
riscados sobre a tela branca
no caixilho da janela.

a paisagem se move
como num riso de criança
como no continuo fluir do rio
como num reflexo do fim do dia.

há ainda a evolução do peixe
o cio da moça nova
as marolas no espelho d´água
e os sacis em rodopio.

Ricardo S. Reis




SER HOJE MAIS DO QUE ONTEM PUDE SER (Marcelo Mourão)

não quero ser hoje o que ontem fui
nem usar palavras perdidas,sem vida
lindas em si,mas indigentes andarilhas
não quero palavras pra te impressionar
quero ser rocha,ancoradouro
ser corda, laço, elo feito de aço,
ser tudo o que possa te resguardar

que meu corpo seja ninho
que meus olhos estejam despertos
que minhas palavras sejam faróis
que minhas mãos e braços sejam lençóis
que minha morada seja o teu teto

quero ser hoje mais do que ontem pude ser
quero poder te libertar, te proteger
ser teu homem,teu menino
teus nervos, sangue e caminho
quero sair de mim e poder te entender
presenciar teus momentos,tuas horas
saciar tuas fomes,tuas fúrias,teus desejos
pra,se um dia, eu tiver que ir embora
que eu vá,mas com alma de passarinho
daqueles que partem feridos
mas que sonham em voltar pro ninho.

02/05/2005


Amar

É ter coragem pra enfrentar o desconhecido...
Viver o hoje sem ter medo do amanhã...
Sem preconceito de dor...
Destemendo as lágrimas que possam haver...
Amar é se doar sem viver na obscuridade...
.
Marisa Pasternak(anjo da poesia)


DESENCONTRO.

Foi do esperado
que o ter perdido
me fez ter sido
desesperado.
O ter perdido
foi de viver
do haver morrido...
O ter vivido
foi de morrer
da haver sonhado.
Foi do encontrado
que o ter vivido
me fez ter sido
desencontrado...

[Afonso Estebanez ]



ALMA DE MENESTREL

Não deve morrer um dia
sem que a noite seja tua
nem meu sono sonharia
sem uma canção da lua.

Nem deve correr um rio
tão distante de seu leito
passa a noite vem o frio
eu distante de teu peito.

E nem te seja saudade
a saudade que me tem
por amor não há idade
pela idade que ele tem.

E vais tu levando a lua
pelas ruas do meu céu
com a alma quase nua
por teu doce menestrel...

A. Estebanez
(Dedicado à amiga Rose Berçot)


À FLOR MAMÃE
Quando penso em você, meiga figura,
Cantando alegre a sua canção mais pura,
Brilha em mim a luz de uma estrela guia
A inspirar o belo em minha poesia.

Como a flor de jasmim, sua preferida,
Feneceu serena, ah lição de vida!
Deixando, qual perfume duradouro,
Um sorriso alegre, seu maior tesouro.

No seu colo, triste e angustiado,
Confiei-lhe problemas sem saída.
E ela dizia: calma filho amado,

Tem nada não, são coisas dessa vida.
Logo logo a dor terá passado,
E o tempo há de curar sua ferida.

Cyro Mascarenhas Rodrigues




Poemas de Tânia Barros
Resistência
By Tânia Barros

Eis que o mundo,
este mundo apertado, solitário,
vem a mim dizer:
erga-se, criança!

Eis que o mundo,
este mundo eldorado, solidário,
vem a mim dizer:
erga-se, criança!

Eis que a Vida,
fugidia, de mim esquecida,
vem dizer-me também:
ergue-se, criança!

Eis que Vida,
minha amiga, bem resolvida,
vem dizer-me igualmente:
ergua-se, criança!

Eis que o espírito
da Poesia inspira-me um canto:

Sou alegria, sou espanto...
retiro o manto que esconde
a dor e todo amor,
signos e sinais de existência.
É assim que me aconchego
na sabedoria.
É assim que rebatizo a criança:
Esperança!

* Luzes de paz e bem!* Tânia Barros



A igreja

Desdobra em sua garganta
o sino atravessando a tarde calma.
Seu corpo de azul caiado,
adornada com ladrilhos.
O relógio rezando as horas.
A igreja é a casa paterna
e o Senhor quieto repousa.
“Rogo a Deus que me mostre o pai”.
Seu martelo e seu formão
Entalhando sonhos.


Mãos

Mãos que buscam
Mãos que repelem
Mãos que se encontram
Mãos que se afastam
Mãos que afagam
Mãos que maltratam
Mãos que auxiliam
Mãos que renegam
Mãos que trazem ao mundo
Mãos que matam
Mãos que libertam
Mãos que escravizam

Mãos...tuas mãos minhas mãos
Quanta diferença pode fazer uma mão
Um ato, um carinho, um afago
Um dedinho
Mãos...minhas, tuas
Nossas mãos...
(Rosane Silveira)


JARDIM DE SONHOS.
No jardim dos meus sonhos,
Colhi as mais belas flores,
Seu coração; o vazo onde ponho,
O arco íris de cores.

Em cada cor uma emoção,
Em cada flor um sentimento,
O adubo do seu coração,
É o amor sem sofrimento.

O branco é a leveza da alma,
O azul é o esplendor do amor,
O seu sorriso acalma,
Quem por você passou.

O verde, a cor da esperança,
Nos seus olhos estampado,
O encanto de uma criança,
De um coração enamorado.

Mulher, a dádiva mais preciosa,
Que nasceu para reinar,
Você e a fruta mais gostosa,
Que jamais deixarei de provar.

Autor: Poeta Mineiro




Esperança Renovada

Meu coração está em festa
Quero sorrir, pular e cantar
Colher os frutos da floresta
E ver o amor desabrochar.

Sentir a leveza da esperança
Conduzindo-me pela mão
Convidando para uma dança
Entoando uma bela canção.

Nessa majestosa alegria
Ao longe escuto o clarim
Consigo entrar em sintonia
Com o divino que vive em mim.

E quando o dia amanhecer
Quero sair em harmonia
Sentindo o amor florescer
Com razão e sabedoria.

O homem precisa voar
Mantendo-se equilibrado
Para grandes vôos alçar
Aos altos píncaros sagrados.

João Pessoa, 20/05/08
Neneca Barbosa


O QUE EU DEFENDO
NALDOVELHO

Defendo mãos dadas ao nascer do dia,
abraço apertado por conta de chegadas,
brisa quente e macia ao cair da tarde,
sorriso de criança acariciando o coração.

Noites tranqüilas, cantigas que sobrevivam,
amores aconchegados, amantes descarados,
com muito beijo na boca e de preferência sem roupa!
Lua cheia e abusada a instigar o poeta
e versos sem rima a desentranhar emoções.

Defendo mesa farta, ternura nos olhos
e o carinho do amigo promovido a irmão.
Janelas escancaradas, estradas tranqüilas,
respeito às fronteiras: com sua licença Abdul,
seja bem vindo Jacob, dá cá um abraço meu irmão!
Um copo de vinho e um pedaço de pão.

Defendo a verdade na palavra empenhada,
a compreensão como moeda de troca,
a caridade como solução derradeira:
uma vara, o anzol, e a isca,
e na beira do rio te ensinei a pescar.

Defendo a família consagrada e unida,
a palavra de Deus se bem compreendida,
o branco, o negro, o amarelo, o mestiço,
sêmen, suor, sangue novo e sagrado,
o mistério da Sua Carne reside no amor.

Defendo a palavra e seus significados,
e as diferentes escolhas, ainda que equivocadas,
os erros assumidos, a chance de repará-los,
o aprendizado, por certo, na multiplicidade de vidas,
Muitas são as moradas, e a Misericórdia é um fato,
pois somos todos os filhos da Sua imensa Luz.



LUZ DA VIDA...
É estranho e intrigante,
Esse estado de espírito,
Quando penso que sou gente,
Da matéria sou detrito.

Fecho os olhos nada vejo,
Somente da janela - o escuto,
Tudo em volta é vazio,
Onde anda a luz que procuro?

De daltônico nada tenho,
Mas as cores embaralhadas estão,
Não vejo no espelho meu cenho,
Nem sinto o pulsar do coração.

Por onde anda essa luz?
Que do meu corpo apagou,
Essa luz tem um nome,
E o seu nome é o amor.

Volte amor, amor meu,
É você a luz do meu viver,
O seu brilho é a cura,
Para esse sonho não morrer.

Autor: Poeta Mineiro...
19/05/08 às 19h00min...



Mundo secreto!

Trago comigo a certeza de vivências ancestrais.
Vivo nesse mundo, um ser descontente e só...
Alimento-me melhor com sonhos e fantasias.
Sou uma adolescente em botão!

Âmago tão exposto que já se esmigalha.
Em pedaços, que são sombras do "Eu";
Em metades, repartidas por "Mim";
Em um todo, que restou desse "Eu por Mim" !

Conto histórias longínquas...
Revelo algo sobre um sonho encantado,
descarto qualquer ilusão do real.
Cresço ao fechar as cortinas do ato!

Ao relembrar essas vivências do Ser,
algo remói, pois é dor visceral.
Ainda acredito no sagrado,
e, por isso, guardo na essência essa dor.

Vou adentrar num mundo secreto!
Viajar estações que sequer vi.
Alimentar o inconsciente de Luz,
e, finalmente, esquecer do que Fui.

Mônica Galdino, 20.06.2007



ALMA EM LUTO.
Vesti minha alma com luto da dor,
Tenho na retina sua foto revelada,
Sou prisioneiro nas algemas do amor,
Sou réu confesso nessa vida desgarrada.

A morte desse amor o culpado fui eu,
Por amar de mais esqueci de viver,
Dediquei toda a vida só para ti,
Hoje desiludido só me resta esquecer,

Não é fácil esquecer este amor intenso,
Que pulsa no peito esta grande dor,
Tenho a cabeça confusa já nem penso,
Só em lembrar no momento feliz que passou.

É triste, mas é real,
Sou um morto vivo a respirar,
Só falta este sentido banal
Deixar de existir para o sofrimento acabar.

Autor: Poeta Mineiro

12 Comentários:

  • Querida Marta o "Pequeno Sarau", que não é pequeno, ficou deslumbrante. Quantos poetas maravilhosos! A poesia é um mundo mágico mesmo.
    Obrigada por particpar também desse lindo recanto.
    Um abraço carinhoso!
    Neneca

    Por Blogger Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução!, às 26 de maio de 2008 08:49  

  • Como sempre, muito me satisfaz, na medida do possível, dar uma passadda por este encanto, dá-me prazer de ler coisas nobres e encantadores. Parabéns a Amiga Marta, este é um recanto de seleções que deslumbra aos amantes de poesias.
    Abraços Fraternos!

    Por Blogger Imaginação, às 26 de maio de 2008 11:35  

  • Como sempre, muito me satisfaz, na medida do possível, dar uma passadda por este encanto, dá-me prazer de ler coisas nobres e encantadores. Parabéns a Amiga Marta, este é um recanto de seleções que deslumbra aos amantes de poesias.
    Abraços Fraternos!
    CARLO MAGNO

    Por Blogger Imaginação, às 26 de maio de 2008 11:37  

  • querida Marta! esta Maravilhoso seu Pequeno Sarau, é um recanto maravilhoso com poemas belissimos!!!!!!!!!!
    sinto-me honrada, do fundo da alma, de fazer parte desse mundo mágico!
    te agradeço por postares meus poemas, dando-me assim a chance de ver o meu nome, humilde,ao lado de poetas tão talentosos imortalizando assim meus versos e de tantos poetas aqui presentes, que com certeza o seu jornal Rebate muito contribui para a cultura desse nosso país!
    um grande abraço e um beijo terno amiga querida!

    Por Blogger celina, às 26 de maio de 2008 14:56  

  • Oi Martinha, minha querida

    Um pequeno grande Sarau!Cheio de gente de coração poético!Coisa linda!Adorei fazer parte desta festa!

    Bjnhus

    Por Blogger Mell Glitter, às 26 de maio de 2008 18:02  

  • dhacxbhsOlá, Caríssima Marta!
    Parabéns pelo trabalho que encetas, divulgando a nossa poesia. Consegues transmitir aos aficcionados pela Arte a tua visão poética, que é particularmente especial pelo que se vê da seleção que fizeste até aqui.
    Continua nos brindando com estes lindos poemas. Melhor: com este sarau maravilhoso!

    Por Blogger Antonio Kleber, às 27 de maio de 2008 08:33  

  • Oi Amiga Marta,
    Esse seu Pequeno Sarau está maravilhosooooooooooo!!!
    Fico super feliz em ter Poemas meus sendo valorizados num espaço tão especial.
    Sem palavras , como sempre, para lhe agradecer a Boa aventurança!!!
    Vc faz a diferença amiga e como faz.
    Parabéns!!

    Por Blogger mônica, às 27 de maio de 2008 15:25  

  • Caríssima Marta,

    Somente uma mulher com o tamanho de sua generosidade poderia ter perdido tanto tempo, se é que é tempo perdido cuidar de poesias, garimpando composições belas e organizando tão belíssimo sarau.

    Morro de orgulho em poder participar dele, ainda mais que você, com esse teu imenso carinho, me coloca lado a lado dos melhores poetas que a internet tem.
    Eu poeta e poeta menor, tenho mesmo que morrer de orgulho.

    Obrigado, amiga!
    Parabéns, mais uma vez.
    Beijos gratos.
    Oswaldo.

    Por Blogger Oswaldo Antônio Begiato, às 27 de maio de 2008 16:31  

  • Oi Marta!
    Foi uma delícia participar
    desse Sarau! Tanta gente conhecida,excelentes poetas...
    Agradeço a imensa honra de estar
    no teu Sarau! Meus parabéns pela
    perfeita organização!
    Um beijo enorme!
    Ana W

    Por Blogger ana wagner, às 27 de maio de 2008 16:52  

  • Pequeno Sarau! Grandes talentos...

    Meus parabéns Marta pela sensibilidade em sua alma!

    E obrigado pelo carinho constante...

    Você é um exemplo de determinação e competência...


    Admiro muito seu trabalho!

    abraços...

    Por Blogger Flávio Reis, às 28 de maio de 2008 07:23  

  • Olá amiga, obrigada por me prestigiar em sua página.
    Me deliciei em ler alguns autores que não conheço e em reler alguns que já conhecia, li a pg inteira.
    Doces beijos.
    Kedma O'liver - anjo KM

    Por Blogger kedma, às 30 de maio de 2008 08:51  

  • Do pó à rocha


    O que me diz a tanto,
    A estas palavras de pranto..
    Sentimentos em montes sertanejos
    Humildes como uma semente
    Que nascera entre muito as flores..
    Sou pó como o vento que sopra
    As partículas destes meus puros momentos..

    Vôo ao longe na procura
    Em horizontes ao por de sol..
    Infante como o sempre,
    Nas belezas deste amor!!!

    Mas quão procura me faço,
    O amor que declaro,
    Pode estar frente a mim sem perceber..

    Se voar longe pode ser,
    No pensamento do meu abraso
    A preclusa dos anseios..
    Só UM pode me dar o que procuro
    Do pó à rocha..

    É o meu momento na forma mais esperada,
    Flores que os caminhos se abriram,
    A paixão do meu ser,

    Em JESUS CRISTO....


    Poeta Márcio Abduch
    23 de julho de 2009

    Por Blogger Arte com Moda Brilhante Eventos e Produções, às 28 de julho de 2009 18:39  

Postar um comentário

<< Home