.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Poesias e Amigos!



Córrego das Letras

Debruçada em poesias
Entrego meus pensamentos
Poderia ser um varal de roupa
Penduradas, estendidas
Cândidas, encharcadas
Num leito de um rio
Primitivas pelo córrego
A espera de um viajante a ler
Como um barquinho de papel
Elas se foram, como frota amada
Em cada canal...
Deixaram de ser barquinho
Colocadas ao sol pra secar
Pra quem sabe predizer
Mañana no estaré en casa,
O horizonte há de abraçá-las.

Claudia Almeida

Condor

Que o amor plane
Dos Alpes aos Andes
Águias e santuários em pane
De lado na árvore seus cantos
Histórias de Davos
Ângulos na mente
No bruxo de Machu Picchu
Superar o futuro das fotos
Esperta manobra selvagem
Armadilhas de roteiros
No destino da aurora
Completar os olhos
Luz, sombra, cor
É possível a viagem no ar?
Por mais que queiram
Pequenos pássaros
Cativeiros
Crescem e viram Condor.

Claudia Almeida


Engano...

Hoje olho pra dentro de mim
Tento juntar os cacos
Caí e tá difícil levantar
Não quero aceitar
Que tudo passou de uma ilusão
Mal avisado coração
Só soube se entregar
Agora chora por tanto confiar
Tento encontrar uma saída
De uma situação incontida
Maltratada e sofrida
Que machuca minha alma
Tirando minha calma
Meus olhos estão
Parados no ar
Traduzindo um vazio
Resultado da desilusão
Por uma demonstração
Do verbo amar...

Anjopoesia

Amor de verdade

Quero um grande amor sim
Que me ame e me queira
Sem amarras,sem correntes
Apenas me querendo bem
Me faça feliz e sorrir
E se eu tiver que chorar
Não seja por ele me magoar
Pois chorar por amar
Dor maior não há
Não quero nem por um momento
Saber que não me tem no pensamento
Saber que me traia ou me engana
Magoando assim meu coração
Me deixando sem eira nem beira
Quero apenas um grande amor
Que me ame e me queira
E que cuide do meu coração
Como se fosse uma rosa
Com carinho e muita emoção
Quero um grande amor....

Anjo da poesia



Flor


Flor
Beleza sem igual
Presente especial
Forma verbal
De mostrar
Um sentimento
De amizade
Amor ou Paixão
Carinho em palta
Pra alguem
Que vive e mora
Em nosso coração...

Anjo da poesia

Renascendo das cinzas...

O sol está a brilhar
Quer me mostrar
Que nada é tão ruim
Quando se acredita
Em si mesmo
Pode chover
Relampear
No outro dia
O sol aparece
Mostrando o início
De um novo dia
E a gente enxerga que tudo
É um eterno renascer...

Anjo da poesia




Flor da pele

Pele
sensibilidade
Dores
Machucados
fora e dentro
Momentos
Vividos
sonhados
Na flor da pele
Cujas emoções
Não esquecemos mais...

Anjo da poesia


Insensatez...

Quanta saudade
Voce me vem na mente
Lembro daquele dia fatídico
Que saiu pela porta
Quanta saudade
Se eu pudesse ter contido
As palavras não terem saído
Da forma que pronunciei
Talvez aqui ainda estivesse
E esse amor mantivesse
Mas sempre olho com esperança
Quando a porta se abre
Um sorriso vem no rosto
O coração acelera
Mas logo volto a realidade
Na porta não é voce
Sinto novamente a saudade
E vejo que por um dia
De insensatez,de mágoa
E cólera,num minuto
Perdi toda minha felicidade...

Anjo da poesia



Deus


As vezes me pergunto
Como surgiu o sol,a lua
O mar,a floresta
Os animais,as pessoas
Que explicação há pra tudo?
O que pode haver de encanto
Magia e beleza por traz
De toda essa maravilha
Quanta criação positiva
Tudo foi dado a nós de graça
E procurando lá dentro de mim
Achei uma alternativa
Pura e verdadeira
Tudo foi feito dessa maneira
Para que entendamos
Que existe uma força perfeita
A nos orientar,a nos mostrar
Os caminhos que são muitos
Mas só um nos leva a entender
Que existe um Pai
Criador de tanta beleza
E olhando para o céu
No meio dessa imensidão
Achei a resposta
Tão sómente
Deus

Anjo da poesia



bilhete

Cheguei com
aquela velha
calça jeans
e pensamentos
de fazer corar.
Mas me calo;
se falo, terei
que explicar
o inexplicável...
Como explicar sonhos?
sou de novembro,
d’um ano que
nem me lembro;
e vou saindo fora;
o tempo é curto
e o meu se esvai;
E estamos conversados.

luizpacheco



ANEMIA
(Karla Júlia)

Quando o vejo me dissolvo em puro enlevo
Enfeito o corpo de estrelas
Pois que ele é a palavra não dita
Meu herói, meu guerreiro,
minha outra face no espelho.


Quando o vejo,
o dia fica azul
Faço-me bonita e pinto a boca
Me perfumo in-tei-ra
E saio com laços de fita amarela
Pensando...
Ah ! Um dia serei dele
um dia serei dele...


E pouco importa minha anemia.
Pois meu sangue, matéria-prima para os seus versos.
feliz, faz tempo doei !
Nossa poesia é feita de amor e de dor
do seu, do meu, do nosso sangue
que jorra em versos de veias profundas
Quando o vejo
me sinto viva,
pulsando,
Sangrando...
Nessa taça que guarda o meu desejo,
que é o meu segredo, fruto do que sinto quando o vejo.

Karla Julia
todos os direitos reservados




Professora de Português e Inglês.Formada pela Universidade Católica de Pernambuco.Entrei na Unicap aos 48 anos e pretendo ainda esse ano fazer Mestrado.
Sou uma pessoa que gosto de escrever desde 12 anos e tenho melhorado com o tempo o fazer poético,devido a forte influência de escritores como Carlos Drummond de Andrade,Clarice Lispector,Mario Quintana,Jean Paul Sartre,Edgar Allan Poe entre outros. Não gosto de ficar presa em tendências apesar de aceitar novas formas do poetar.Gosto de ser audaciosa quando se trata de criar.Fui homenageada agora a pouco em um movimento poético na Universidade onde estudei.A UNICAP.Tenho 3.000 leitores no recanto das letras e no começo do ano estarei editando uma antologia poética que é a Sociedade dos poetas vivos-Mistura de artes.Faço parte dos poetas del mundo e estou buscando representar a falasp em pernambuco,com concurso poéticos para o povo desse estado.Tenho intenção de escrever vários livros e gostaria que meu trabalho fosse reconhecido,lutarei pra isso.




VITORIANA

Terra verde,de água e de sol,
Mar de água doce.
Jurumirim,bica pequena.
Mergulho nessa represa
Pra sarar meu mal de amor.
Salve Nossa Senhora das Dores!
Na capelhinha do Major Vitoriano,
A vida passa sorrindo.
Igreja da Matriz relicário divino.
Levei meus pedidos todinhos,
Também sou sonhador,
Abiré,abaré da vila Rio Novo
Nasceu teu ninho.
Dois sonhadores aqui chegaram,com certeza,
Depois mais e mais beberam da tua beleza.
Terra do sol,Rio dos veados,Ribeira Tamanduá.
Teu rico manto cobre o meu caminho.
Grãos,laranjas,café quentinho.
Cheiro gostoso de Mato.
O céu estende o azul até o Palácio do sabor.
No monte guardei meus segredos,
No horto plantei eucaliptos.
A araucária cresceu em copas
E floresceu nossa esperança.
Avaré não é mais criança.
No largo São João a fonte das artes
Faz o dia amanhecer colorindo
Tua origem vitoriana.

Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 19/03/2008
Código do texto: T907856


Curvas do desejo

Em várias partes me fiz num todo,
Da tua boca salobre cavei meu poço,
Embriaguei-me da tua orgia,
Varri os pontos e as agonias.

Do teu pedaço fiz cobertor,
Matei a ânsia da minha dor,
Deitei nos mistérios da tua rede,
E uivei meus desejos com muita sede.

Manto de pingos escorrem em meu corpo,
São rios que abrem as retinas da alma,
São líquidos que fecundam a semente,
Que se une ao mel,néctar dos deuses.

Manjares de mil sabores na meia porta aberta,
Cantar dos passarinhos no domar da fera,
Um sorriso branco,uma lágrima em êxtase:
Acordam a sinfonia em que a minha alma infesta.


Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 28/03/2008
Código do texto: T920524




TELA FRIA
A tua luz me prende nas noites enigmáticas,
Noites em que pinto o cenário com tinta fresca.
As mãos do tempo soltam ícones,
Caminhos de curvas a serem percorridos.
Que cheiro de tinta nova!
Tinta que agarrei com os dedos para pintar
Na tela fria teu rosto nu.
Pintei o alazão na cocheira,
A noite de lua cheia,cavalos desenfreados.
Tu seguiste teu rumo.
Passaram por mim a galope as mãos do teu passado.
O meu esplêndido e indomável animal partiu
Da serra do Mulungu para as terras de cimento.
Ontem a ausência do fogão de lenha,a montanha do sabugi
Foram deixadas pela distância e focada no imaginário.
Coloco na tela fria a fumaça do café quente,as lutas de raízes,
E a luz que me solta em mente.
Palavras mágicas vêm dos pombos da noite,
Trazem fragâncias soltas,sentimentos aguçados.
No fundo do quintal a roda de samba vara o dia
E o fogão de lenha mantém a chama.

Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 26/02/2008
Código do texto: T876544



SENTIMENTO DESBOTADO
Passo a mão na face da mentira,
Seguro firme o olhar para o ponto,
A cortina cobre o que eu gostaria de ver,
Sinto na ponta dos dedos toda a verdade,

Aperto amanhã com os dentes fortes,
Os olhos correm em direção dos gestos céticos,
Busco adivinhar as minúsculas partículas das ações,
Acompanho segundo por segundo a respiração oscilante,

As paredes da sala empalidecem e enrugam,
O silêncio é quebrado por uma aritmia,
O tempo engole as manhãs,abraça as noites e sufoca as madrugadas.
Os anos se vão sem que o vento traga o que desejo ouvir.

Prendo a respiração com o toque da campanhia,
Rebate falso ,tudo volta a estagnação.
Tantas coisas mudaram:pessoas,casas,avenidas,vidas.

Saio as ruas e entre rostos,vozes e caminhadas,
Vejo-te em outros semblantes,perfis semelhantes,
Imagens que reproduzo na minha busca contida.


Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 07/03/2008
Código do texto: T891562



Amazônia

Duas horas da madrugada.
Hora enrugada.O silêncio foge das copas.
Ouvi-se de longe o eco das árvores,
É um gemido forte,sofrido,repetido.
As sombras das guilhotinas assustam,
Olhos espiam:
O melancólico macucão,
O pássaro assobiador,
Os corurões, as arapongas.
São olhos fundos na escuridão.
Dos ensejos,
Dos desejos,
Dos enredos,
Das feras devoradoras e predadoras
Fogem até as formigas carnívoras.
Desarrumar o cenário é o segredo.
O uirapuru cala a floresta,
A revoada dos corocas saem em retirada.
As sombras respiram ofegantes,
O desejo humano desliza nos dedos.
Está na boca dos que silenciam,
Está nas mãos de quem oculta.
Mãos ocupadas que fazem da floresta
Praças com nomes próprios e buscam flores
Nas salas de estar.

Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 19/02/2008
Código do texto: T866556


Canção da Alma

Minha alma está crua,
Minha alma está nua
Sedenta da embriaguês da lua.
A minha alma quer festa,
Quer uma bela de uma seresta,
O violão baixinho cobrindo a pauta.
Minha alma tilinta de desejo quando te vê,
Quando te abraça e sabe um pouco de você.
Minha alma quer a canção dos teus lábios,
Quer a canção de Elis com seu sorriso tonto de emoção,
Embriagando os bêbados febris.
Minha alma está ardendo de paixão
E o aviso do navio correu solto aos meus ouvidos,
Lembranças das noites de veneza.
Dançamos na rua e os nossos olhos, quatro holofotes,
Clarearam a noite,a competir com a lua.
Minha alma quer o desejo mágico da música que te entorpece,
O ritmo que te enloquece,que segue dedilhando os meus sentidos.
Quer a multidão como testemunha,
O teu coração acompanhando o tom do ritmo frenético do meu.
Minha alma busca em tua canção uma roupagem nova.




Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 12/01/2008
Código do texto: T813603




O espelho

Busquei o meu amor,
Não vi.Havia partido em silêncio,
Havia caminhado vagarosamente por becos.
Procurei meu amado no quarto não achei,
Procurei na sala,na cozinha,
Procurei através dos amigos,nas revistas,nos jornais.
Suas marcas achei em meus corpo
E na saudade que guardo no peito,
Mas meu amado não é meu é do mundo,
Porque se fosse meu seriam seus olhos,
Da sua boca sentiria os beijos,
Seu corpo eu amaria e belos sonhos teria
Agarradinha ao seu dorso.
Onde está o meu amado?
Meu amado não veio.
Hoje espero outro amor,não aquele que se foi.
Mas aquele que se apaixone por minha passada larga,
Por meu sorriso franco,por minha birra ou falta.
Aquele que ao olhar no espelho me veja.
Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 10/01/2008
Código do texto: T811640



PASSADAS DO TEMPO

Vivo e tudo se acende em minha volta.
No corredor da cidade,nas escadas,ladeiras
Ou no barro pisado.Há uma leveza no ato do andar.

Os sapatos passam e marcam o chão.
Lá vou eu... Em múltiplas passadas.
O pensamento corta a Europa,a escrita, o Japão.

Hoje o dia está confuso,abafadiço,
Uma corrente de ar solta,uma mistura de sabores
Na volta pra casa.Falta um trevo de quatro folhas.

A luz invade a sala e pedaços de sol cruzam a vidraça.
De lá vejo o universo sem fronteiras e paro imobilizado
Pela aparição noturna da bela gota de orvalho.

Enquanto amarro os cadarços,aperto o botão.
Uma arma é apontada dentro de uma condução.
Entre a sala e a porta da rua,ouvirás um barulho.

O relógio volta a marcar o tempo.




Ecila Yleus
Publicado no Recanto das Letras em 20/01/2008
Código do texto: T825434



DENTRO DOS OLHOS
De onde será
Invento os sonhos que não tenho?

De palavras bem ditas e mal ditas
Ao passar da leveza e da brisa
E por elas levadas?

De olhares intrigantes e deixados
Escondidos atrás da porta
Que o vento fechou?

De gestos ímpios e invisíveis
Gravados no deserto da alma
Que as tempestades apagaram?

De onde será vêm
Os sonhos que não consigo ter?

De mim mesmo
desenganado e fragmentado
Ou de minhas imagens
refletidas nos cacos do espelho
Que se quebrou de tantos desencantos?

[Oswaldo Antonio Begiato]



quem ama sente o cheiro
sente o hálito
sente a pele
...o contato
quem ama não faz de conta
acontece
abraça
beija
encarna
quem ama
no outro ser está
e por isso
o tempo todo sente
presença
sensação
aura
tudo envolve quem ama
porque quem ama
é luz que emana
e vive
para ser feliz
quem ama
para existir
necessita respirar
o mesmo ar


Lúcia Gönczy



"Mosaico de mim"

No meio da escuridão, estava triste, calada
Perdendo a fé no amanhã, nem futuro eu almejava
A vida estava sem cor, só pedras na minha estrada
Permanente era o inverno que na alma congelava

Olhei pra dentro de mim e não via esperança
Lágrimas brotaram nos olhos, chorava como criança
A vida estava em pedaços, eu estava agonizando
Por entre choro e dor, vi a minha fé voltando

Acreditei que existe um Deus pra nos socorrer
E um anjo iluminado que nos faz sobreviver
Fui catando os pedaços da vida espedaçada
Fui montando um mosaico, uma vida renovada

Pedaço por pedaço fui encaixando com calma
Precisei ser um artista, renovando a caminhada
Quando juntei os pedaços, pintei com uma nova dor
Fiz um mosaico de mim, troquei a dor por amor.

Jane Rossi




Puro amor


Amor de criança
De nada tem medo.
Mundo de encantamento.

Se doa por inteira
Só quer simplesmente
Viver intensamente.

Não olhar para o relógio
Nem vê o tempo passar
Alegria aos adultos contagiar.

Criança seu nome liberdade
Criança correr livre, como
a águia sem medo de voar.

Elas amam tudo e todos
Seu mundo e de encanto
Seu amor e verdadeiro.

Em seu amor tão puro
A todos vive a beijar
Ninguém a dizer que
não pode se doar.

Pois este anjo e livre para
Amar a todos se entregarem
Este amor que vem do divino
Que em nosso ser vem tocar.




Eliza Gregio


SENTIMENTO CALADO


Em um segundo! Deparei-me com um olhar.
De alguém a me despir, um olhar calado.
Ao surpreende lo ficou meio encabulado
por telo pego aquele olhar tão roubado..

Aquele penetrante olhar como se quisesse falar
como uma criança fazendo algo errado,ficou envergonhado.
Mas foi lindo sentir aquele olhar desesperado.
Olhar mudo que me tocou tão fundo.

Ele me suprendeu! Senti um calor, fiquei a sorrir
Disfarçando aquele momento, de tanto encantamento.
A boca que se calou, olhar que me despiu, o coração ficou a explicar.
Aquele sentimento! Morreu calado no peito.

Eliza Gregio




SILÊNCIO SEM NINHO – Arethuza Viana

Não adianta
lhe mostrar os atalhos
para o meu amor,
com esperança
de que conheça a sutileza
do meu toque.

Enquanto convive
no mundo dos hipócritas
você esbanja encantos,
eu vivo a lhe procurar
noutro carinho,
tendo a certeza
que não tenho espaço
nas suas disponibilidades.

Você não carece de mim.

E se algum dia, seus mimos
não forem correspondidos,
e os encantos de tantos amores
escaparem de suas mãos,
quem sabe, você se lembre de mim?

E talvez ainda me encontre
numa relva verde e macia,
deitada e sentindo
o cheirinho de mato,
onde sempre estive,
num silêncio sem ninho...



Ele é

Meu amor
Louco amor
Minha loucura
Meu prazer
Adoro teu gosto
Ardente
Meu amor
Minha dor
Meu sofrimento
Minha atração
Meu lamento
Minha satisfação
Meu amor
Que desfruto
Do gozo
Do paraíso
Só sensações
E aventuras
Meu amor
Bandido
Sedutor
Sufoca-me
De carinhos
Leva-me em um
Paraíso êxtase...
Autora: Marina Nunes


ADEUS

Só sei te escrever assim, amor meu,
minha palavra sai de mim, em rima:
foi isto que o Cósmico me deu
- e que meu sentimento, enfim, sublima!

Eu me despeço agora, amor meu,
desta estrada por nós percorrida,
sob a Bandeira Azul... toda vestida
de Sol! E da esperança que morreu...

Teu mundo é outro! O mundo teu
não é aquele que de Amor, me inunda:
encontrei uma Porta - está aberta

à minha espera... e ela me acolheu.
Tão doce sinto essa PAZ PROFUNDA...
Agora eu sei o que é estar liberta!


NEFERTARI (Judit Martins)




P É R O L A S


Será
que os diamantes são eternos?
e
as pérolas?

essas
que me deste
em cada dia?

das quais
fiz o colar

que
enfeita meu coração?

Prefiro as pérolas
aos diamantes.

Estes,
já todos os amantes
trocaram.

Me alimento de pérolas
únicas!
brilhantes!
plenas de Luz!

Habito-me
em cada uma!
escavo a mina...
e sempre encontro
Luz lá ao fundo

Pérola - a - pérola...
Tenho o mais belo
colar do mundo!

luizacaetano
21Outubro2006




Louca Sedução

Quanta beleza
Que a natureza criou.
Menina linda!
Ninguém mais imaginou.
Só mesmo Deus!
O nosso pai e criador.

Quanta ternura.
Quanta graça.
Oh! perfeição!
Tu és doçura,
Oh! minha louca
Sedução...

Escrito por elciomoraes


Planetas

Esferas concêntricas
Giravam entre tantas outras,
Coloridas brilhantes e claras,

Meus sonhos atingem altitudes.
Projetando-me no espaço,
Minhas moléculas devolvem-se
Entre as galáxias,

Ao levantar vôos buscando
As belezas do infinito
Que brilham em meu ser
Misturo-me as nuvens vaporosas
Até meu despertar.

Dora Dimolitsas



SOLIDÃO

Estou só!
Lá fora as pessoas riem,
e daqui do meu quarto
escuto somente o barulho da solidão!
Ela chega e se instala sorrateiramente
no coração!
E eu choro, e eu sofro.
E me pergunto:
-Onde andará minha paixão?
Todo mundo parece ser de todo mundo.
Cada qual com seu par, sua alma gêmea!
Só eu que não!
A tristeza se instala, e me faz companhia.
Mas me sinto só, e mesmo no sol,
temo a escuridão.
Vazio é tudo o que sinto!
Meu coração já não bate.
Secou por falta de emoção!
Me tranco no quarto e durmo.
Não é sono.
É falta de opção!

(Mell Glitter)





ALMA MINHA

Eu tenho uma alma que brilha
e emana felicidade de viver!
Uma alma que já teve marcas profundas,
mas as cicatrizes não as deixam ver!

Minha alma é guerreira:
Não desiste perante o difícil.
Ela briga, ousa, bate , xinga!
Sobe paredes de precipício!

Ela chora,mas não lamenta.
Ela ama e compartilha!
É uma alma adulta, experiente, voraz...
Ao mesmo tempo menina!

Ela enxerga através dos sentimentos.
E por isso sofre quando ama!
Ela se ilude, se arrisca, se expõe,
mas não se engana!

Ah...alma perdida a minha!
Por tantos corpos que já viveu!
Corpos que já se foram,
alma que nunca morreu!

(Mell Glitter)








Poeta...


Quem sou eu
Para este título carregar...
Só falo o que sinto,
Nada mais que amar.

Frases perdidas
Em um papel qualquer
Numa luta constante...
Ninguém me quer...

Grito aos sete ventos:
Eu te amo!...
Simplesmente o som se perde
Como grãos de areia no oceano...

No coração espetado fui
Com flechas embebidas de amor
Só sinto, no entanto desamor,
Desencanto e dor!...

(Por:Raul Dias)

7 Comentários:

  • Muito bem cuidado seu blog, o meu comentário vai mais uma vez para a Poeta Luiza Caetano confirmo minhas palavras essa poeta está no fio do meu colar de pérolas.
    beijinho a todos
    Claudia Almeida

    Por Blogger claudia_all.post, às 30 de abril de 2008 07:04  

  • Minha linda Mart, quanto capricho, quanto talento, e lindo demais este seu blog, apimentado de amores e carinhos Bj em seu coração iluminado.


    Eliza gregio

    Por Blogger Eliza Gregio, às 20 de maio de 2008 10:11  

  • Cara amiga, o que dizer...creio que já tenha falado isso mas nao me canso de dizer: quanto talento derramado aqui em forma de lindos poemas
    Parabens novamente querida amiga por essa iniciativa

    e muito obrigado por colocar aqui tambem meus fragmentos

    Que Deus te abençoe
    beijos na alma
    luz e paz

    Por Blogger VIDA EM POEMAS, às 20 de maio de 2008 17:22  

  • Marta

    A imensa alegria está nas oportunidades agarrada com fé e perseverança, e o resultado é presente pela resposta da vida.

    O mar acalmara-se e vem finalmente a bonança e a esperança de uma vida fortemente vivida.

    Linhas aqui reunidas de muito caráter e dignidade.

    Só devo agradecer ao bom Deus por estar proporcionando pessoas verdadeiras e escolhedoras que nem vc.

    Obrigada pela divulgação, e que belos poemas dos companheiros todos

    boa noite querida!!!!!!

    Por Blogger Paola Vannucci, às 20 de maio de 2008 17:23  

  • Marta que maravilha...Parabens aos poetas ,poesias lindas!!!
    Que voces continuem a nos brindar com poemas belissimos...cd um com seu jeito de poetar,pessoas de almas lindas...moram no meu coraçao.
    Querida Marta q Deus te abençoe sempre!!!!
    bjus poeticos

    Por Blogger nolivia, às 20 de maio de 2008 17:36  

  • Marta me sinto honrada em estar entre tantas estrelas aqui postadas. Faço daquilo que escrevo, o sonho desabrochar em mim. Espero que desabroche em quem lê aqui no seu blog....tantas coisas lindas.
    Obrigada amiga.....Que deus continue nos fazendo tirar, e encanto e a magia em cada poesia.
    Beijos e mais beijos.

    Por Blogger >>CASSIA DA ROVARE, às 21 de maio de 2008 11:52  

  • Delicioso este seu recanto de carinho.

    Quero agradecer seu carinho em postar um dos meus poemas.

    É um privilégio poder participar
    de um blog tão esmerado.

    Beijo enorme para ti, Marta.

    Adorei!

    Por Blogger Mírian Warttusch, às 22 de maio de 2008 20:40  

Postar um comentário

<< Home