.

quinta-feira, 12 de março de 2009

fingida


fingida

Meus dias vão se esvaindo,
na timidez da tarde que chega,
Na saudade que a noite traz...

Minhas noites vão se despedindo,
nos abraços teus que não tenho,
nos beijos que ainda não provei...

Nesse ciclo de amar-te distante,
minha pele toca a sua nos sonhos,
das noites que não durmo...
nos amanheceres tristonhos.

Acordo de pouco dormido,
olhando o bilhete amarrotado,
embaixo do travesseiro sem uso,
E releio seu poema cansado...

Já não sei qual verso fala de amor,
Não me lembro qual é de despedida,
apenas releio-te nas letras borradas,
das lágrimas de minha alma sentida.

Assim, recordo teu beijo quente,
nos poemas que declamastes,
fingindo ser "minha poeta",
Meu iludido sonho de amor derramastes...

volta linda poeta fingida!
Me diga pelo menos "adeus",
Já não vivo sem os teus versos,
morro aos poucos, sem os beijos teus!


MMP - Mando Mago Poeta

1 Comentários:

  • É com muita emoção que leio este espaço de magia e arte. Ler meus poemas aqui, é como ler as núvens no céu! Nessas horas que um poeta perde a vóz! e agradecer a honra é pouco.
    ...

    Por Blogger Mando, às 13 de março de 2009 20:50  

Postar um comentário

<< Home