.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A Poesia de Celina Vasques









Adormeceram as flores...


Adormeceram as flores
lá se vai primavera...
adormecidos estão também
os sentimentos em mim...

Vivo entre a dor e o amor...ai de mim!
minha alma inquieta sempre a procura de ti!

E esse outono que parece eterno...
logo chegará o inverno...
e eu com frio
qual minhas mais profundas mágoas
estremece meu corpo e eu no meio
desta ventania...procuro esculpir com
mãos vazias de ti
teu rosto neste nevoeiro
gerado na noite de minhas desilusões...

E o meu piano em silencio ...calado
quieto...abandonado...
esquecido de notas musicais
nem ele chora mais as mágoas de outrora...
perdeu a magia das melodias
e as sinfonias que eu tocava pra ti!

Agora sou quem adormeço meio à lagrimas
e suspiros de saudades
enroscada nos meus sonhos
pois novamente acordou o sentimento em mim!




celina vasques






DEVOÇÃO

Se te amar é minha ruína
que venha então
essa triste sina
pois sem teu amor
que gosto pode
ter a vida?

Sem ti meus olhares
não têm mais encantos
passo pelo dia e
pela noite
não vejo estrelas
céu...lua...
nem dos passarinhos
o suave canto!

Quase te perdi...
e nessas horas de
profunda solidão
tristeza e dor
eu até podia ouvir
os suspiros dessa saudade...
saudade do teu amor!

CELINA VASQUES









Amo- te...

Amo-te na quietude, e com ternura
Amo-te assim, com todos os meus sentires
entre murmúrios e gemidos
Neste incêndio de amor que me devora...

Amo-te...
Com loucura e nos sonhos
Delirantes desta paixão que me domina
E morro a cada dia se não tiver os beijos teus...
Os teus afagos... Tuas palavras de amor...
A sussurrar em meus ouvidos quando o amor se faz!

Amo-te...
Procuro-te nas minhas fantasias...
Espero-te a cada amanhecer e a cada anoitecer...
Tu és a solidão que hoje me enfraquece
A realidade de todos os sonhos de amor
Que eu sonhei todos os dias...

Amo-te tanto, mas tanto...
Que o silencio se faz eco
E do meu peito
Desponta sons musicais a responder
A todas as fases da lua e o brilho de estrelas
a piscar no firmamento...

Amo-te e vou buscar-te... Muito além do mar intenso
No perfume das flores nas manhãs primaveris
E no cheiro da chuva quando no inverno...
Por todos os caminhos além...
Eternamente...

Amo-te! 


celina vasques








SONO POÉTICO

Estava num sono poético em que a realidade
Tramitada numa nova dimensão...
Num êxtase
Uma força maior de meus desejos mais
Ocultos...
Transportaram-me para
o desconhecido aquele
Meu eterno e último instante!

Existiu um momento
Em que o meu eu submergiu num soluço
Triste tentando esquecer o sofrimento
Angustiante da minha vida
Onde meus devaneios renderam-se à verdade
De meus desencontros...

Qual se o peso do mundo eu
o transportasse sobre meus ombros...
E neste transitório instante
Eu mergulhasse em abismos profundos

E esta saudade doída
imergindo em mares densos
Aonde as desilusões precipitaram-se
por entre as ondas
E só o silencio existisse entre
as brumas do meu ser profundo!

Celina vasques









Pra ti amor platônico!


Te guardarei em minha alma
Como se foras uma canção cuja partitura
Perdeu-se no tempo e a melodia doce
Jamais tocada por outro alguém
Soará no silencio... De minhas recordações
Mais íntimas... Profundas!
Qual o beijo que nunca te dei...
E eu te amarei sempre e para sempre
Como se estivesses toda a vida perto de mim!

celina vasques







Apenas um instante...


Um instante no tempo...

Quando todos os meus sonhos não mais

Tiverem uma resposta ao meu destino...

Quando meus olhos não mais brilharem

Quais fogueiras queimando

chamas de amor desconhecidas...



Se eu jamais souber se tu

me amaste como eu

Amei-te e amarei até o fim...



Quando eu já não tiver notas

Musicais a embalar minhas

canções de amor...



Quando os meus poemas não

mais tiverem rimas

Só peço um instante ao tempo...

Para que eu possa conhecer

a eternidade e deixá-la

Nos meus mais profundos versos

e se não tiveres partido


Amar-te ainda neste

último instante de vida!



Celina vasques







Onde estás?

Só o silencio responde com sua voz gritante
Aos apelos de meu coração... Onde estás?

Ilumina com tua luz estrela que brilha no céu...
E que um dia iluminaste a minha vida
Fazendo de minha adolescência um
Mar de rosas... Dias felizes vivi contigo...

Dançamos sem medo e colecionamos
Sonhos e esperanças...
Fiz da minha tristeza lembranças...
- e caminhei sem ti -
No paradoxo de tua abstrata presença...

A tua essência que jamais
Abandonou-me
Mesmo depois desta tua viagem
entre nuvens e brumas...

Ah! Este mar profundo que esconde
tantos segredos...
E este céu azul de anil que
te guarda anjo da minha vida!

E vivo a pensar... Onde estás?
Eu jamais te esqueci!

Celina vasques

Marcadores:

1 Comentários:

  • Amiga querida fico lisonjeada e muito feliz com tua generosidade de sempre! Muito obrigada pelo teu carinho de tantos anos! Obrigada por estar postando meus poemas faz tempo e me colocando na categoria de Poetas de tua amizade querida!
    Obrigada e que Deus te abençoe, minha poeta amada!
    Beijos meus com todo o meu carinho!

    Por Blogger Celina Vasques, às 18 de fevereiro de 2013 12:59  

Postar um comentário

<< Home