.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Ordinário


Ordinário

Se me quiseres
Saiba que sou ordinário
Vira-latas implorando seu amor

Num momento breve,
Num flerte leve
Eu vago livre a te rodear
Para quem sabe, ganhar-te

Algo te despertar, tesão
Sua voz muda, perdida em sedução
Vais tremer dentro do vestido,
Com meu olhar cruzado ao teu

Não tenho a vergonha,
Que cora seu rosto, agora rubro
Não tenho o pudor, mas o pecado
Que desafia a sua castidade

Eu quero você agora,
E eu me descasco das vestes
Vera a minha pele nua
Ignore a sua moralidade

Relutando em meus braços
Envolvi a sua cintura
E eu quero te despir,
Te beijar, te provar

Fazer das suas pernas
As minhas ruas e trilhar por elas
Sempre acima, ao norte
Por fim tocar o seu botão

A campainha soará
E a sua porta aberta
Indecentemente escancarada,
Entrarei então sem bater...

Se me quiseres
Saiba que sou ordinário
Porque sairei quando adormeceres...

Davi “El Brujo™”

1 Comentários:

  • Olá Marta! Fico envaidecido por fazer parte de tão seleto grupo de escritores, ainda mais, eu, um mero escritor entusiasta, que usa o poder das palavras como terapia diária...Parabéns pelo blog! Estimada amiga!e...

    Um beijo N'alma!

    Por Blogger Davi "El Brujo", às 9 de outubro de 2008 17:35  

Postar um comentário

<< Home