.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Saudades































Saudades

Quando era pequenino
Chorava pelos cantos
não entendia o destino
minha mãe em tantos prantos...

Via a terra argilosa
rachada pelo calor do sol
e minha mãe, tão cautelosa
cuidava de cada lençol...

Era um barraco pequeno
fazíamos fogueira no frio
no centro da casa, calor açoitava
e triste, minha mãe orava...

Via a noite estrelada
chamando-me feito poesia
e meu pai, vem na madrugada
de terno branco, quase não sorria...

Veio o dia da mudança
à cidade, a família iria
deixei a argila na lembrança
meu urso, enterrei enquanto partia.

Na cidade é diferente, mãe,
tem muita gente!
vejo menos estrelas, mãe...
e não vejo mais você!

Hoje, uma estrela que brilhava
como quem sorri para mim
molhou-me a face assim,
feito saudade que minh'alma minava...

Lembrança de seu amor sem fim!

Mando Mago Poeta

Marcadores:

1 Comentários:

  • é emocionante ver essa poesia aqui, amiga!
    Senti que nunca iam acabar os versos, de tantas lembranças de infância! A Vida que Deus nos presenteou com experiências inesquecíveis de amor, fé e esperança... A saudade de uma dor que engrandece a alma!

    Fica meu carinho a ti, que não tem medidas nem palavras que definem.

    Mando Mago Poeta (Armando S. Araujo)

    Por Blogger Mando Mago Poeta, às 27 de junho de 2011 18:15  

Postar um comentário

<< Home