.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Poeminha de Natal do Peta Nathan de Castro!



Poeminha de Natal

© Nathan de Castro

Quisera um poema feliz para o meu natal,
mas não existe neve nas ruas dos meus poemas.
Trenó?...
Quando criança eu conheci o carro-de-boi.
Cantava bonito, o tal carro, e não precisava do
acompanhamento de orquestras sinfônicas,
no horário nobre da televisão...
Cantava lá nos trilhos da serra, mesmo.

Quisera um poema feliz para o meu natal,
mas a cerveja acabou e o governa-dor- ainda
acaba por vencer a corrida da fórmula suja da
corrupção.

A enchente já chegou à periferia dos meus poemas.
Bueiros entupidos!... Muito lixo nos caminhos
dos versos natalinos.
Cenas repetidas...
Serão verdadeiras ou estou a viajar pelo tempo?

Barulhos da primavera chamando pelos badalos
do verão.
Feliz ano novo, velha estação!

Quisera um poema feliz para o meu natal.
Nem vejo passar.
Amanhã é dia de sol ou de muita chuva; e janeiro
é logo ali, depois do próximo verso.

Marcadores:

1 Comentários:

  • Puxa! esse poema é definitivamente o estilo que gosto.
    Um efeito espetacular das palavras.
    Aceite até uma boa pitada de inveja. rsrs
    Beijos.

    Por Blogger janete, às 27 de dezembro de 2009 04:46  

Postar um comentário

<< Home