.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Poetas e Poesias


VOAR BAIXINHO


Não se preocupe tanto
em me perder,
procure apenas me ganhar
a cada dia,
isso vai fazer toda a diferença.
Não use a tua aparência
pra me seduzir,
são as tuas atitudes que podem
me fazer feliz.
O que você pensa e faz,
podem te trazer ou te levar
pra perto ou pra longe de mim.
E assim,
você pode me ver distante
ou bem aqui do meu lado.
Preciso do teu carinho,
pra voar baixinho com você
pelas alturas infinitas da nossa paixão.
E pra onde você for,
terás sempre o meu coração.
Serei eu, infinitamente a te levar,
basta você me conquistar
e deixar eu ser o teu amor . . .


Homenino Poeta



DOMINGO DE CARNAVAL

As nuvens dispersas deixam que feixes do sol invadam o dia,
E o dia não teria graça se não fossem esses pequenos feixes,
A luz do sol também dispersa raios sobre o que penso,
E sobre o que sinto,
Mesmo que o que sinto seja pouco,
Mesmo que o louco seja eu,
E mesmo o pouco que penso sejam verdades...
Mesmo não sabendo o que sejam verdades.
Faz tanto calor...
Ao ponto de o suor escorrer pelo corpo...
E me sufocar a cada um dos cigarros que fumo,
E cada um dos desejos que tenho,
Pois os desejos se cansam,
Assim como os sonhos, que também ofegam,
E que também suspiram,
E transpiram,
Transpiram ilusões,
Que mesmo perdidas ainda respiram
Pois a temperatura é insuportável,
Como tudo o mais é insuportável,
As verdades que não conheço, também são insuportáveis,
E de tão insuportáveis que são,
As vivo,
Um dia apenas,
Um dia de cada vez...
Sérgio Ildefonso 22.02.2009
Copyright by Sérgio Ildefonso 2009 ©


Lá fora

Não passa o calor
Lá fora é carnaval
Aqui em mim
Solidão total.
Foliões brincam nas ruas
O trio elétrico levando alegria
E eu, nem fantasia.
Ouço o burburinho das vozes
No meu peito
O silêncio é total.
Arde o fogo, no deserto
Em que me vejo
Sem você, sem teu beijo.
Lá fora, bocas sedentas
Procurando outras bocas
No embalo do samba
E o calor do meu corpo
Não passa.
Passa o sambista, o ritimista
A passista, cores e euforia
Dói no pensamento
Lembranças de outros carnavais
Onde nos conhecemos
E um grande amor vivemos.
Hoje vivo de saudades
Daqueles tempos
Que não voltarão jamais.

Cassia Da Rovare




SONHO

Dormindo ou acordada
com a tua chegada fazendo valer a espera

Sonho com os teus olhos fitados nos meus
Que permitem nossa alma sondar
traduzindo os nossos sentimentos

Sonho com a tua boca cor de paixão colada a minha
e os teus lábios destilando vinho doce
Constituindo segredos, fazendo o tempo parar

Sonho com os teus braços que aproxima
teu corpo do meu corpo me extasia de amor
e arrebata-me de prazer.

Silvia Costa

É saudade mesmo!


O que sinto é saudade,
já me murmura a fonte límpida
jorrando os sentimentos,
descendo lágrimas.

E a face já não chora só
e convida o coração,
e a flor que aperto em minha mão
traz-me o teu jardim ao peito.

O que sentia era amor,
um zelo puro cheio de amizade
mas se foi a lugar longe,
por isso hoje sinto de ti
tanta saudade...


[Paulino Vergetti Neto]




Folhas ao vento...

Nosso passado fez nosso presente,
é bagagem que se carrega,
enquanto a vida nos leva
...folhas ao vento, somente.
Para que o ontem não nos pese
deve ter peso de pluma,
pois não tem força nenhuma
o suave sopro do vento!
E não queres o apodrecer lento,
de musgo, seca e inerte folha morta,
enquanto o movimento é que suporta
o respirar da floresta do tempo!

Lenise Marques

Vestindo Dó

Não te chamei aqui, mas tu vieste vestindo dó,
cheirando a perfume e levantando pó!

Minhas pestanas despertaram pra olhar pra ti,
vi teu vestido-dó, todo branco de longa cauda!

Teu perfume adentrou em minhas narinas,
abraçando minha alma adormecida!

O pó que tu levantaste se ajuntou com a fina
garoa que caia no jardim de primícias!

Tudo foi como a caída do primeiro fruto,
deste fruto provei o pecado, do amor provei o dó!

O dó que dói de ver-te indo, levando o amor
que'u te dei, aquele amor que apanhei debaixo
da frutífera árvore que tu disseste ser tua!


Pergentino Júnior



Rasante Võo

Toma-me o momento instante
Num derramar constante
Das dores de amores
Fechadas como flores de outono
Cinzas, secas, tudo e nada.
Decifro linhas escritas
Em momentos intensos
Onde consciência e erro
Permeiam caminhos tênues
Entre o tédio e a emoção
Que só cabem
Dentro de uma paixão
Que dilacera o coração.
Errante, solidão angustiante
Vivendo de quimeras
As quirelas e migalhas
Que trazem as aves
Num rasante vôo
De asas e peito quebrados
Inconfesso sentimento
Que recebe o ungüento
Da saudade e pranto
Grande desencanto.

Cassia da Rovare


ENIGMA

Por que não te jogas
em nossos momentos
sem pensar sempre
num determinado paradeiro?

Gostaria de entender
o silêncio de mármore
que existe em ti,
entender até a palavra
que ainda não dissestes.

Tuas perplexidades,
tantas inconfessáveis,
quem dera entendê-las!

Continuas a ser
o amor da minha vida
e o maior enigma
a ser decifrado!

Arethuza Viana



A menina que fui me olha
com olhar de inocência.
É com seus olhos que te procuro
nas noites nossas
perdidas nos limites do tempo.
A menina que fui senta, chora
e cobre com uma máscara
o rosto daquela que sou.
enquanto a noite se esvai
por corredores do silêncio
A menina que fui
longe do meu desencanto
foge de mim para um pais distante
que não se guarda, como a inocência
desfeita, o vento, um poente.
©Jade Dantas


Eu te amo


Escrevo-te os versos
que meu coração anseia lhe dizer
Um poema de sonhos inquietos
Letras se juntam aqui e acolá

Palavras moldados em minha alma
Oferenda escrita por minhas mãos
Um poema que de tanto te querer
Perdeu a razão e endoideceu

No meu coração ficou a essência
Do tempo que passou e não calou
Minha voz grita em silencio
Eu te amo junto ao murmúrio do mar

(Sarah Siqueira)

Saudade


Que saudade é essa
Que chega de leve
Minh'alma embevece...

Tem cheiro de mato orvalhado
e gosto de algo
Que eu nunca senti...

E assim tão suave
Me traz tua imagem
Embrenha-se em mim...

Momentos, lembranças
E então feito dança
cirandas....assim....

¬ Rose Felliciano ¬




Esther Gonçalves vem despontando dentre a nova geração de poetas.
É Pedagoga e tem 42 anos
Nasceu em Coroatá-MA.
Poeta brasileira.

Parabéns Poeta!



Reflexo

Do som
Da luz...
Espelhando seus lindos olhos
Transformando-me em sua companhia
Devolvendo-lhe o brilho
E a vontade de cantar, sorrir, poetar...
Colorindo seu céu
Do azul mais bonito que há
Curando seu lindo coração
Das mágoas do amar.
Estou distante, eu sei
Olho para trás e vejo...
Meu coração é seu
Meu passarinho voltei
Para alimentar os sonhos seus
Pela porta do seu coração vou entrar
Limpar as sujeiras nele acumuladas
Seus olhos nunca mais se entristecerão
Tampouco procurará novas estrelas
Para no céu da sua vida brilhar
Eu mesma serei sua única estrela
Brilharei no céu infinito
Do luar romântico da sua vida
E digo... amor, estou aqui...
Faço do seu coração
Minha morada
Você é meu grande amor,
Serei sempre a sua amada!!!
Afinal, você é reflexo
Do amor verdadeiro
Esse amor, na minha vida
Não pode faltar!!!

Esther Gonçalves.

A Poetisa.



NÂO SE PESA

Um coração sem fé
Que volta a orar
Lágrimas no rosto a rolar
Voar, voar, voar...
Com as asas da imaginação
Surgindo o maravilhoso luar
No fim do dia
Faço do meu ar
Aquele que o faz respirar;
Em nosso peito,
A dor vive a sangrar;
As noites em claro,
Nos fazem poetar...
Eu de cá, você de lá...
A distância que nos separa
É a mesma que nos une.
A Terra até pára
Quando comigo está
Corre em nossas veias
O mesmo sangue
Do povo brasileiro
Formadores da nossa etnia:
Branco, negro, índio...
Que com muito orgulho
Grito: Viva o povo do Brasil!
Essa Pátria tão amada,
Amiga, mãe-gentil.
E é por ser assim
Que sinto em meu coração
Tanto amor pela vida
Por você, por nossa Nação!!!

Esther Gonçalves.

A Poetisa.



ENTÃO

Eu grito
Bem alto
Forte
Pra todo mundo saber
Pra todo mundo ouvir
Que eu amo você!!!
Sou apenas uma menina
Querendo entender seu coração
Brilhando...
Como luz em sua vida
Refletindo no olhar
O brilho das estrelas
Grito sim, bem alto
Até ecoar
Para esse grito chegar
Até você
E juntos nos deliciar
Dessa chuva de amor
Que encharca nossos corpos
Somos apenas sementes...
Plantamos dentro de nós
O tão esperado
Sonhado...
Amor!!!

Esther Gonçalves

A Poetisa.



A Poetisa.


MÚSICA
O dia amanhecera alegre
Com ar de festa
Música pra todo lado
Marchinhas, afoxé, samba...
Uns ainda descansam
Outros acordam já dançando...
A família vem do norte ao sul do Brasil
Rever os parentes, amigos...
Dançar, pular... Nessa folia
Folclore Brasileiro
É o carnaval das emoções
Arrastando um, dois, três...
Contagiando multidões
Venham ver como é
Venham participar também
Dessa festa maravilhosa!
E quem quer ficar parado ?
-Ninguém!!!
Essa festa dura quatro dias
E vai mais além!!!
Podemos brincar sozinhos
Ou com mais alguém...
Com tostão no bolso
Ou sem nenhum vintém...
O importante é se deixar levar
Brincar com responsabilidade e respeito
Por si próprio, pelos outros...
Pular tudo o que tem direito...
Em família, sozinho, com novos amigos
Ou com amizade antiga... do peito.
E só parar quando
A quarta-feira de cinzas
Chegar!!!

Esther Gonçalves

A Poetisa.



SE SOUBERES

O quanto penso em ti
Desejo tanto
Estar ao teu lado
Desfrutar dos mais belos
E ousados sonhos de amor
Fantasias...
Ah... como sonho contigo
Amando-me de todo jeito
Na cama, na grama, na lua
Abraçando teu lindo corpo moreno
Amando-te cada vez mais
Saciando teus desejos mais secretos
Entregando-me inteiramente a ti
De ponta-cabeça
Sem restar um fio de cabelo
Sem que possa tocar
Com os carinhos mais estonteantes
Que já viu na face da terra...
Ah... saciar minha fome de amar
Invadir-me, devorar-me...
Seduzir-me, saciar minha
Louca vontade de amar
E de sentir-me amada...
Numa troca recíproca..
Além do prazer
Além da alma
Além...
Muito além!!!

Esther Gonçalves




HOJE

Eu quero
Brincar
Pular
Cantar
Ser feliz
Ter alegrias
Nessa festa
Nessa folia...
Nesse carnaval
De emoções...
Quero viver
Cada momento
Como se fosse
O único em minha vida
Beijá-lo
Abraçá-lo
Amá-lo
Hoje...
Enquanto estou viva!
Como fantasia
Vestir-me-ei de sonhos
Desejos e paixões
A maquiagem fica por conta
Dos seus beijos ardentes
A música... do amor
O local... seu corpo!!!
Eu quero entrar nessa folia...
Nesse carnaval de emoções!!!
Ah, eu quero sim!!!

Esther Gonçalves


URGENTE! VENHA JUNTO COM AS ROSAS...


Flores e mais flores, bilhetes e versos
sobre a quietude do branco da cama,
não mais aquietam a sede da minha alma
nem o anseio de sentir o calor da tua carne.
Madrugadas claras afrontam saudades.

Gotas de sonhos vaporizam-se em esperas...
Flutuando comigo sobre lençóis, tuas rosas vermelhas!
Vou tentando acertar a rota, volitando ao teu encontro.
Mas conheci outros caminhos, outros ninhos.
Retornei com as rosas, trazendo o brilho dos pássaros.


Vallentine (poetisa menor)




PÁSSAROS DE AMAR.

Voar! Voar! Amar!
Pássaro livre a brincar!
Em teu coração
Ousar meu escondido ninho
Suavemente pousar...

Em aconchego à céu aberto
voejar em teu poema cipreste
beber do teu canto em tuas asas de amar!

Decifrar-nos pelos recantos
deste ninho feito de doces e juncos
sob tuas asas incendiar e sonhar.

Abraçar-te como abraço o teu e o meu céu.
Voar no verbo amar e em teu ar...

Amar! Amar!Amar!

De: Vallentine (poetisa menor)

Cantilena do Reencontro



Ouço a melodia do teu coração
recriando novos encontros
A extrair e a doar-me em versos
a seiva da tua eternal ternura.

Sinto a força do destino
ligando todos estes anseios
amanhecendo em cada viagem,
junto ao orvalho que lá fora
é prateado em cantilena
que aflora.

E me vejo diante de ti
enfeitiçada por tua alegria
ao som de violinos e flautas
que saltam dos teus olhos
neste azul de romper fronteiras...

De: Vallentine (poetisa menor)




Olha o poeta aí...gente!

É carnaval, vamos brincar
De caneta em punho e radiante
Fazendo poesia, iremos à cantar
Ala dos poetas! Ala dos pensantes!

É homem, mulher, grande diversão
Desfilando feliz em plena avenida
Sambando na rua de caneta na mão
Ala dos poetas! Ala de sonho e vida!

E o carro alegórico homenageando
Drummond, Quintana e outros autores
É gente cantando, dançando e suando
Ala dos poetas! Ala dos sonhadores!

Quarta é cinza, que sonho gostoso
Lá vai o poeta, repassar a magia
Colocarei um traje majestoso
Deixarei de lado toda fantasia

Jane Rossi e Marta Peres


VENTOS ILUMINADOS

Sou da canção o movimento
e o vento atemporal...
em flores balançando biografias
palavras perfumando histórias
nectar da clorofila e da flor.
Um raio e mergulho profundo
no amor e no além mundo
no transitório dos séculos.

Vento e Salamandra!
Força de mim
em tuas velas e caravelas
Formas e sonhos!

Grito teu nome, ecoam oceanos.
Ascendo com tudo ao teu céu.
Voz em soprano ligeiro ventando amor!
Um perfume fogo!
Um eco!
Um vento luz!


De: Vallentine (poetisa menor)

Marcadores:

4 Comentários:

  • Ver meu texto no meio de tantos poetas bons me faz me sentir um !

    Por Blogger Pergentino, às 23 de fevereiro de 2009 16:07  

  • Querida Marta

    Mais uma vez parabenizo-lhe por este brilhante trabalho.
    Li os poema, partilhei destes sentimentos poéticos por instantes...
    Em cada poeta, uma história, um roteiro, um tema... moldam versos dando forma aos poemas.
    Obrigada, muito obrigada por ter publicado mais uma vez, meus poemas junto com estes poetas maravilhosos.

    Um beijo carinhoso!


    Vallentine (poetisa menor)

    Por Blogger poetisa menor, às 24 de fevereiro de 2009 10:52  

  • Este comentário foi removido pelo autor.

    Por Blogger Lenise, às 25 de fevereiro de 2009 05:37  

  • Que maravilha este trabalho de divulgação que fazes amiga!!
    Deus te abençoe por isso!
    Não só teus versos são lindos como também tua alma é linda!
    Tua página está divina e foi uma honra para mim ver aqui minha humilde poesia em meio a essa beleza!
    Beijosss!

    Por Blogger Lenise, às 25 de fevereiro de 2009 05:40  

Postar um comentário

<< Home