.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Delator


Delator

Na noite escura, passos apressados na rua
mal iluminada, vulto ansioso, ágil, olhar
resoluto continua caminhar. No céu, lua
escondida, temerosa, não quer testemunhar.

De repente, abre um portão, rápido passa
por ele encontrando porta aberta, penetra
dirigindo-se a um aposento. Ainda da praça
alguém lê o bilhete modificando a letra.

O delator sai em sentido contrário, claro
como o dia o adultério consumava-se, asas
nos pés vai deixar notícia debaixo da porta.

Espreita até aparecer alguém, não raro
é ser bisbilhoteiro, ver ódio nas casas,
sorri assistindo a cena, com a cara torta.

Marta Peres

Marcadores:

2 Comentários:

  • Minha linda Grande Poeta amiga MARTA PERES!
    É incrível a sensação de ler "DELATOR", de uma profundidade ímpar, emoção à flor da pele.
    Parabéns!Continue nos encantando como faz diariamente.Vc faz a vida valer a pena.Meu eterno carinho e admiração!Te adoro!BEIJOS MEUS!

    Por Blogger Marisa, às 7 de julho de 2010 14:31  

  • Amada poetisa Marta Peres: É uma honra fazer parte deste blog junto a tantos poetas que deixam a inspiração jorrar em desatino. Obrigada querida. Arethuza Viana

    Por Blogger ARETHUZA VIANA, às 8 de julho de 2010 10:42  

Postar um comentário

<< Home