.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Homenagem ao Poeta Tadeu Paulo!


Poema dedico ao Poeta Tadeu Paulo!

O Brilho do Poeta

Dentro de sua inspiração
o poeta analisa com perfeição,
cria e recria,
traça e circula,
vai tecendo como pescador
sua rede de amor!
Vi brotar do seu coração figuras
que saem da consciência de poeta,
a chama da vela não se apaga
e exaurido ele continua,
entra em viagem no pensamento
dentro do bonde das lembranças,
observa, absorve e joga no papel
em dimensões grandiosas, belas,
misteriosas, desconhecidas, alma
absorve com prazer as fantásticas
citações poéticas do dia-a-dia, nos
versos raros, onde se enxerga
o brilho do poeta, do artista!

Marta Peres


Poeta, sou-lhe imensamente grata pela oportunidade que me deu de conhecer sua maravilhosa poesia. Dou-lhe os parabéns pelos maravilhosos versos.
Tadeu Paulo, sua obra enriquece, valoriza a literatura nacional que só ficará a lhe dever. Sua contribuição às nossas letras é de valor inestimável.
Lendo sua obra passamos a conhecer a verdadeira arte poética.
Tadeu Paulo é um talento lírico de rara expressão, romântico canta o amor em versos.
O amor é retratado com sentimento dentro do verso. Com sua poesia o mundo fica mais sensível pois a alma do poeta retrata toda sua sensibilidade em versos.

Marta Peres




Esta é uma linda homenagem que recebi deste grande amigo,
poeta e pai virtual!Obrigada Tadeu.

CLÁUDIA.

Com Cláudia,
Aprendo, me rendo

Intento os meus passos
Nos seus próprios
E encantados caminhos
De tantos e vibrantes versos

Ela, que encarna
E é a própria e viva poesia
Neste reino, é soberana

Cláudia, a mais lúcida
e querida dos poetas...
Com ela tomamos
No passear de todo dia
As mais belas e pungentes
Lições de poesia...

Que saltam, de repente,
De sua alma doce
E abençoada..
Para os nossos corações
.
Cláudia é flor
Que perfuma com palavras
Que se veste de versos
Que se enfeita de rimas

Sua inspiração,
Seus motivos,
Resultam em linhas enriquecidas
De sua luz e sentimentos
Dos mais belos
E sobejos momentos

E com todos os poetas,
Seus amigos,
Ela estendeu a mão
E nos abriu a sua Casa
No mais incrível
E mágico
Dos encontros

E nos apóia
E nos anima
A não ficar parados

Nesta altura, e neste verso
Minha homenagem
A mais bela das figuras...

-- Cláudia, o meu muito obrigado!

Tadeu Paulo






AH, AMOR DE MINHA VIDA !








ontem,
como hoje e sempre,
meu coração abre-se
manhãs e noites
de prazer e amor;
satisfaz-se, plenamente,
nos carinhos que recebe;
nos beijos que prova;
no amor que contigo faz
e invade o ambiente de luz;
amante, ele carrega dentro de si
a força desse sentimento
encharcado de você;
e há vício, mais forte
e gostoso que esse,
derramando-se em minha cama
todas as noites de todos os dias?
se sonhos fossem, seriam os sonhos
menos abstratos que tive,
pois cada um deles
se contorce em meu peito,
passa as mãos no meu rosto..
e sorri tão lindo para mim,
que, se acordado estivesse,
até dormiria ao relento,
sob o Sol mais forte,
para viver efetivamente dormindo,
pois você é meu alimento,
minha vida e meu único sustento..


Tadeu Paulo

EM TEU OLHAR !






insônia (?)
talvez seja a da
mirante alma
observando
o Sol poente

no mar
um último
suspiro de luz

nos olhos
a transparência
de um luar
frágil e insurgente !



(Tadeu Paulo -- 2008-10-09)


ERA UMA VEZ . . .







tanto penso
no que te dizer
que diante de ti
da vez e da verdade
congelo.... emudeço
fico pálido... engasgo
minhas mãos suam
meus olhos tremem
o coração se agiganta
e aperta forte o meu peito
como é bom amar...
olha, faça deste bilhete
o que quiser
mas se a revelação
não te agradar
por favor não diga "não"
não diga nada
deixa-me continuar vivendo
apenas um belo sonho...
o mais belo deles...




(Tadeu Paulo -- 2008-11-06)



VOCÊ E A PROVA DE AMOR







prova de amor?
é o que comprovo
todos os dias
no aconchego
de todas as noites
ao deslizar no teu corpo
sentindo o cheiro
de tua carne
provando avidamente
o sabor de teus beijos
e sendo prazerosamente
engolido pela tua fome
de nos amar !



(Tadeu Paulo -- 2008-10-08)


VOCÊ É ELA !





ela é feita de lenda;
fantasia fantástica
de meu pensamento;
encanto de minhas noites;
Anjo de luz, divindade;

e tão fabulosa transparece,
que não é possível exista
além de seu próprio brilho
e de minha imensa
e louca imaginação !

ela é feita de lenda...
ela é você !



(Tadeu Paulo -- 2008-10-08)


POEMA PRA QUEM SABE PENSAR






às vezes o rumo foge
fogem os sonhos
e o olhar se perde da vista
cada vontade vai sendo minada
e os passos ficam limitados
a um invisível alambrado
a vida passa a ter um outro sentido
onde realidade e ficção
misturam-se numa sopa virtualista
difícil de tragar
então fica-se a espera
de que uma porta se abra
um quarto arrumado te receba
e um corpo perfumado te acolha
é o exercício da fé
que não se dobra diante de ameaças
de um futuro que ainda nem chegou



(Tadeu Paulo -- 2008-10-07)




TE AGUARDO, LOUCURA !





minha porta vive
eternamente aberta
a porta de um quarto
alegre e convidante
que te aguarda
o melhor instante
para vibrar ou enternecer
chorar de amor... ou morrer...
...de rir...



(Tadeu Paulo -- 2008-10-06)



TUA AUSÊNCIA; MINHA INEXISTÊNCIA





num
mundo sem cor
sem amor
com tua ausência
e na presença
de tanta dor
sou figura irrelevante
ser irrevelado
sou alma distante
estéril... estanque
que não me preenche
sou cada uma
de cada lágrima
que nem o choro acaba
me procuro...
olho pra dentro de mim...
me olho no espelho
não me encontro
nem vejo nada !



(Tadeu Paulo -- 2008-10-06)



A LOUCA BELEZA DO SENTIR








às vezes, sinto-me
assim, resto de mim;
tão pouco e impreciso;
tão triste, tão fraco;
que sou sobras
de um distante passado...
não há saudades
nem remorsos;
só e apenas lembranças;
então, caminho sem rumo;
desafio meu tempo;
olho pro Céu,
e sei que Ele me entende;
aperto a solidão e o choro,
já meio destoantes;
e quando a noite desce,
com o vagar da tortura,
eu me sinto entre mar e areia;
me deito, deixo a música
vir, fluir com toda beleza;
estou no meu quarto
e nesta janela de frente pro mar...
quero, preciso dormir, mas
não quero sonhar . . .



(Tadeu Paulo -- 2009-01-07)

O ENCANTADO AMANHÃ !









canto o último canto
pois tua ausência é
desesperadora e sentida;
o vazio é de muita dor
e o sofrimento,
que é marcante,
deixa minha visão
turva e colorida;
como as “chagas”
de uma tarde
linda, meiga
e deslumbrante,
mas faz de meu coração
só lembranças,
saudades e tristeza;
a esperança, à deriva,
pede socorro;
acode-se em meus sonhos
para mostrar-me
as mais belas manhãs
de meu melhor
e mais promissor futuro...
e tudo se cala e se clareia,
minha alma sorri...
afinal, a fé no futuro
nunca foi saqueada
de meu peito !



(Tadeu Paulo -- 2009-01-05)


CONFISSÕES ÍNTIMAS . . .








não abra os olhos;
não diga nada;
deixa-me apenas
te acariciar;
ser iluminado pelo
teu brilho e pela
intensidade de tua luz;
deixa-me sentir teu cheiro;
provar teu sabor;
abraçar-te forte contra mim;
ouvir-te em teus gemidos;
conter-me em teus arrepios;
aquecer-me em tua pele;
beijar esse rosto lindo;
cortejar teus lábios,
até que me recebam,
como agora,
com fome e vontade;
pintar tua nudez
com as vivas cores
de meu atrevido pensamento;
e feliz, vestir essa tua paz,
e viver o céu deste instante...
neste, que é o nosso mais doce
e melhor momento...



(Tadeu Paulo -- 2009-01-05)


O QUE FAZ A SAUDADE






o poeta balbucia...
quando triste não labora
e triste ele não cria
sua mente é como
um vale descampado
posto que silente e vazia

e queima a alma
como um solo infértil e seco
e o poeta o que faria
sem minutos pra rimar
sem lágrimas pra dizer
sem sorriso pra chorar (?)

mas o poeta escuta e grita
com alegria ouve os mesmos
e saudosos passos
o ritmo insinuante
d’outros tempos
ela chega... volta ao peito
se abraça ao poeta
que amou todos os dias

as noites não serão
mais tristes e desertas
os amanhãs se farão
em lindas poesias..
e o tempo será todo e tanto...



(Tadeu Paulo – 2009-01-01)


CONFISSÕES SECRETAS









enquanto puder,
serei apenas poeta;
depois, teu homem;
então, navegarei
de poema em poema
até me encontrar
no primeiro e
verdadeiro verso;
mas se possível,
serei magia;
viajarei minuto a minuto
aos confins do tempo,
e te farei... de ti
a mais linda poesia
e te encontrarei
bela e infinita
-- como sempre –
cuja mulher há-de
saltar dos versos
para meus dias;
e te sentirei
onde estiveres;
seja em qualquer um
dos tantos sonhos;
seja em qualquer um
dos inúmeros
e eternos amanhãs...
só então... serei amor !



(Tadeu Paulo -- 2009-01-02)



BRINDE AO AMOR . . .








um banho
um beijo, um brinde
uma taça de vinho
castiçais de prata
cristais e velas acesas
a mesa posta e servida
a cama desarrumada
a banheira ainda
em barulhenta ebulição
corpos em fusão
tocados, suados de amor
urros, sussurros, gemidos...
nem uma palavra...
nem mais um gesto...
o amor descansou...



(Tadeu Paulo -- 2008-11-02)



ROSAS TRISTES . . .








respiro
o som de rosas
arpoadas
em minha consciência
elas sorriem para o mar
e choram em minhas mãos
navegaram
ondas de perfumes comigo
mas a destinatária
se escondeu
em sombras do passado
por isso as lágrimas
cheirosas e coloridas tingem
de vermelho-e-branco
tristeza e vergonha
em suas perfumosas pétalas...



(Tadeu Paulo -- 2008-11-03)


P E D I D O . . .





apareça a hora que puder
nem precisa avisar
estarei sempre aqui
ou sentado no pé da escada
te esperando
mas se acaso não me encontrar
me aguarde um pouco mais
certamente estarei
comprando um vinho
da melhor marca e safra
para tomá-lo entornado em teu corpo
e me embriagar de álcool e prazer
não importam os gritos
meus visinhos também
são loucos amantes
que não têm hora para começar...
nós... bom... nós não a temos...
nunca... é para terminar...



(Tadeu Paulo -- 2008-11-04)


VOCÊ, PRESENÇA E POEMA . . .





meus olhos brilham
quando te enxergam
-- a felicidade --
chegando a passos
miúdos e tímidos
e tu vens como viriam os anjos
colorida... leve... imperceptível
e pisas tão femininamente linda
-- na maciez de quem flutua em versos --
que és um poema de ver e sentir
a cada dia...em cada momento
e se tua rima cala na sensualidade
teus roucos murmúrios
a minha eu a deixo dentro de ti...
marcando nossa cama
e perfumando de amor nosso quarto..



(Tadeu Paulo – 2008-11-04)



MULHER, A DEFINITIVA OBRA DE DEUS





tire a roupa
lenta e graciosamente
desnudar-se ante
à platéia embevecida
de meus olhos
é a coroação
e o maior prêmio
que eu poderia receber
tal como a figura da mulher
tu és a obra perfeita
e definitiva de Deus !
me calo
não mais falo
para me ajoelhar
e te apreciar
em tuas curvas
e divinos dons !



(Tadeu Paulo -- 2008-11-05)





ASSIM É MINHA ARTISTA
...(OU POEMETRIA)...




ASSIM É A ARTISTA !

I

É nos traços métricos e mágicos,
vagando livres e túmidos,
pelos terços de tela,
que você renasce,
ao aspergí-la de cores.

I I

É nela, então,
que imprime,
numa ciranda de luzes refratadas,
um crivo de amor, desesperado,
que se esvai dos dedos...
...e cai
-- "Sentimetrado" --
Sorvido de Su'imortalidade!

I I I

Em cada gota agônica de óleo,
palpita, ancha e aflita,
A alma da mestra.
No seu sangue,
a cor mais rubra se agita,
dando vida à catedral anímica,
onde, abissal, a arte, afinal, transita...

I V

Que Deus proteja,
a tua mente
e mãos benditas...
E conserve,
eterno e forte,
o teu melhor motivo!

2ª PARTE: O TRABALHO!

“ UM QUADRO EM NEGRO “

V

Sinto a fúnebre visão das anormalidades
no seu quadro em negro, espatulado.
A impressão do Céu brumoso,
em sua densa atmosfera de assombro,
é um instante soberbo de agonia...
A expressão do horizonte é mística,
e vesgas as vagas que o limitam.

V I

Os troncos toscos retorcidos,
por sobre o rio assimétricos projetados,
parecem a sua alma aflita,
a versejar por entre ramos aleijados.

V I I

Na ponte,
há uma fresta de vertigem
que une extremos foscos de fuligem.

V I I I

E o meu espírito ali está,
vergado à noite sombria,
Impregnado dos tons mais pretos,
que você, a feliz artista, cria! (12/11/2006)

F I N A L

A VISÃO - UM SONHO
APOTEÓTICO

Nos capitéis encastelados dos meus sonhos,
Eu a vejo, criadora e criatura -- a Transfiguração!
Eu a vejo, entre metálicos arcanjos,
No ventre de nuvens multicores.
Na lírica procissão de landaus de fogo,
Eu a vejo, cavalgando em quartéis do infinito.
Eu a vejo, enfim, a esgrimir a lança acutilada...
E em magistrais estocadas,
Criar fantasmas errantes,
E, assim, fecundar o nada...
E desse amor, depois, gerar a arte!

Tadeu Paulo



I R R E F L E X Õ E S..


PRIMEIRA PARTE


Um ponto
Talvez um hiato
Olhar estático
Alma não conta
Limpa, translúcida

A impureza, o pecado
Jaz no ímpio, impenetrável
Volúvel, em cada um
Dos seus erros
Embora o ar solene, manso

O homem, emblemático
Lembranças que se vão
Ríspidas, mortas
No veio insosso
Insípido de pedras e portas

Ah, visão nítrica
Que te consome
Ainda que em vasos
Rasos de florais
Difusos,invasivos
Ocupando teus espaços

Acordo solitário,
Perdido, descrente
Capitula a palavra
O verbo escapole
Cala, não sai

SEGUNDA PARTE

Por favor, te transforme
Berre, forte, os teus
Pequenos erros...

Isso aduba a terra;
Veja, sinta
Há quem queira e minta
Não o teu coração carente

Tua lucidez...
Doçura tocante
Prática, estética, vibrante..

E eu... qual destino?
Que futuro tem um tolo
-- o que delira --
Um amante louco
Que se deixa levar
E vive em sonhos?

E beija a pia
Que encanta
E te batiza-- a santa --
Casta,pura
Cabeça hirta,segura
Minh’alma treme’tonteia
Minha mente confusa, vagueia
E aflita, suspira
Quem me'ntende
O fiel
Em seus delírios?

Há quem queira
E chore sentimentos

Só por um momento...
Eu, por exemplo!

Tadeu Paulo


INTROVERSÃO..


I

Eu traço retas
De todos os traços
Paralelas, obliquas figuras
Frias, sem fim,
Teço teias, árticas, sombrias
Conluio de retas
Todas em torno de mim..

I I

Sem razões de destino
Transcurso descontinuado,
Loucas, secas e tão poucas
Minha eira sombria
Terreno ribeirinho
Triste, porque sozinho

I I I

Quem pede, assume
Ilusão que destoa
Paixão aflita
Alma sem rumo
Vida doida sem aprumo
Eu no consumo de nada..

IV

Só assim a linha é infinita
Aquieta, arranja e atiça
Fantásticas, intemperadas, retilíneas
Não há nada mais certo, claro, juro...
No meu peito a dobra do sentido
No coração, a beleza do amor!

V

Paralelas, cortantes,
Todas vazias, estáticas
Díspares, despertas

V I

Desligados fios
Frios, sem fim,
Retas desertas, incertas...
Deixo de tudo,
Deixo de ser
Deixo a memória
Deixo de mim
Enfim,
Só não deixo você!

Tadeu Paulo

(Poema dedicado a Izabel Dias)

A M O R - É - R O T I N A ?

Quando a gente ama
reclama
Quando reclama
desanda
Quando desanda
desbanda
Quando desbanda
debanda
Quando debanda
desata, desbunda, destrata, maltrata e reama...

...para não perder o hábito!

Tadeu Paulo

2 Comentários:

  • Marta querida

    Sou muito suspeita pra falar do poeta Tadeu Paulo, por quem tenho o maior respeito e adimiração profunda.
    Poeta que encanta com sua maneira simples e intensa ao falar de amor, até numa simples frase.
    Parabeniso-a pela homenagem maravilhosa

    beijos

    Ceição

    Por Blogger Conceição, às 13 de janeiro de 2009 12:57  

  • Olá Marta!
    Parabéns pela linda homenagem. Concordo em gênero, número e grau. Tadeu Paulo é o melhor dos poetas que já tive o prazer de conhecer. Eu sempre digo que ele dorme verso e acorda poesia...Seria maravilhoso se pudéssemos ter um livro seu para saboreá-lo a qualquer momento, mas quem sabe um dia possamos convencê-lo a publicar um livro; Seria um presente e tanto para nós seus fãs. Parabéns pelo seu blog e também pelos seus poemas, não somos amigas, mas costumo ler seus poemas por aqui. Felicidades e meu abraço carinhoso. Izabel.

    Por Blogger Bel, às 14 de janeiro de 2009 13:13  

Postar um comentário

<< Home